sábado, 13 de junho de 2009

Sempre a aprender...



Pensava eu, na minha vasta inocência, que “alerta amarelo” era como que uma espécie de alarme indicador do avistamento de João Proença em qualquer lugar público... mas afinal, não é. Pelos vistos, “alerta amarelo” é apenas uma das várias cores dos avisos da Protecção Civil, para nos pormos a pau com o excesso de frio, o excesso de chuva, o excesso de calor... tudo coisas igualmente nefastas para a saúde, mas sem a “dimensão” de um João Proença, convenhamos. Adiante!

Faz por aqui um calor verdadeiramente “ensaropilhante”! Está a chegar a época balnear... mas alguém me diz onde é que eu vou encontrar uma praia adequada à minha provecta idade e ao meu vetusto feitio?

12 comentários:

José Rodrigues disse...

Faz hoje 4 anos que morreu Álvaro Cunhal.Li,algures, que gostava de se sentar na praia a olhar o mar.Para estar sempre a aprender,e conhecer a história do seculo XX deste País e deste povo,não me canso de ler e recomendar a sua multifacetada obra.A luta Continua!

Susete Evaristo disse...

No Alentejo.
A costa é imensa as praias (algumas) ainda sem turistas.Uma cadeira reclinável um livro ou... uma viola... e é o paraíso!

Susete Evaristo disse...

Agora a sério o alerta amarelo já é pouco para a próximidade do João Proença. Sim porque se um sindicalista que em vez de apoiar os trabalhadores conspira contra eles como tem sido sistematicamente a posição de UGT na assinatura e concordância de vários diplomas só pode ter mesmo um alerta mais que amarelo.

cetautomatix disse...

Estech comentárioch mochtram bem como echtech chenhorech chão chectárioch. Então já não pode um homem defender och interechech do cheu bolcho? Hum? Não é icho natural?
Diabo de crich que por aí vai!

O Puma disse...

Todas menos a dos tomates

porque esses já os tens

Miguel Jeri disse...

(...)
Pero,
portugués de la calle,
entre nosotros,
nadie nos escucha,
sabes
dónde
está Álvaro Cunhal?
(...)
Navega, Portugal, la hora
llégó, levanta
tu estatura de proa
y entre las islas y los hombres vuelve
a ser camino.

En esta edad agrega
tu luz, vuelve a ser lámpara:
aprenderás de nuevo a ser estrella.

(Lámpara Marina de Pablo Naruda)

Retirado de
http://obloguedocastelo.blogs.sapo.pt/565543.html

Faz hoje 4 anos da morte de Álvaro Cunhal.

Abraço

Maria disse...

Qualquer uma na parte norte de uma ilha pequena... é um descanso...
:)

Abreijos
com saudades

Anónimo disse...

Não vou por aí. Temos de estar onde estão as gentes. Praias cheias, praias vazias. Marés cheias, marés vazias. São sempre prais, são sempre gentes. É o povo no seu melhor.

Depois se houver uma guitarra ou viola fica supimpa.

Que achas? Banho com ele. É esta a época, por que a havemos de a desvirtuar.

Mas também te digo, num qualquer monte alentejano em casa térrea, uns pedacitos de queijo, pão do melhor que há e uma pinga que só os alentejanos sabem fazer...não te digo nada. aplica-te que aí vem mais luta. Um abraço do "Catraio"

Avelaneira Florida disse...

Caro Samuel,


com ou sem calor, com ou sem alertas, ao pé do mar é sempre uma outra dimensão!!!!

Mas de preferência longe de peladinhas, cães XXL, Rádios de pilhas, famílias em picnic, ou outras portugalidades!!!!
Aconselhável frequentar praias a horas desencontradas da maioris dos nativos!!!
Bons banhos!!!!

Breijkas!!!

Fernando Samuel disse...

O «alerta amarelo« é aquele que foi condecorado pelo PR?...

Um abraço.

medronheiro disse...

Esse amarelo é perigoso. Está a precisar de ser enterrado bem fundo como os fascistas.

samuel disse...

Obrigado pelas dicas!

Abreijos colectivos.