quarta-feira, 17 de junho de 2009

Os alternadeiros



Durante umas horas, quem sabe, uns dias (no máximo), teremos direito a um novo Primeiro Ministro. Bom... talvez não um novo, mas com uma nova maneira de falar. Em vez daquele tom desafiador a que nos acostumou, ensaia agora uma sonoridade à sacerdote em plena homilia. Só falta mesmo começar a carregar nos típicos “éches”.

Só uma coisa não muda: é tudo mentira! Diz com ar contristado que reconhece os resultados “decepcionantes” das eleições... mas a culpa é toda de “um certo desgaste do Governo”. Diz que o Governo (e o PS) vão empenhar-se com humildade nas tarefas que têm pela frente, mas quais são essas tarefas? Explicar as medidas e reformas que o Governo tem, corajosamente, implementado, ou seja, explicar “com humildade” aos portugueses, que afinal são umas bestas e não entendem nem dão valor ao Governo e ao Primeiro Ministro de excelência que têm.

Como a primeira coisa que esta gente recupera depois dos desaires é o descaramento, mais uma vez mostrando o profundo desrespeito que tem pela democracia e as convicções dos outros, Sócrates, nas vésperas de eleições para o Parlamento, casa onde devem estar dignamente representadas as várias opções políticas, os sonhos e as legítimas aspirações dos portugueses, repete o insulto à inteligência dos eleitores, que é esta recorrente tentativa de transformar as eleição de centenas de candidatos e as propostas para o país apresentadas pelos seus diversos partidos, numa mera corrida para o cargo de Primeiro Ministro, tentando reduzir o leque partidário a um cenário bipolar e mentiroso, de alternância sem alternativa, onde os eleitores votariam não mais por convicção, mas de forma calculista e interesseira, aquilo a que os calculistas e interesseiros gostam de chamar pragmatismo.

Recuperado que está o descaramento e segundo o “Expresso” online, o PS vai pedir uma nova maioria absoluta.

Aproveitando o balanço, parece que José Sócrates vai igualmente pedir para saber a chave do Euromilhões na sexta feira de manhã, ou, em alternativa, poder registar o boletim no domingo à noite.

Vai ser preciso voltar a esfregar-lhe a realidade na cara!

12 comentários:

Maria disse...

Com a realidade e a esfregona logo a seguir. Depois pedimos desculpa à esfregona.
Decididamente esta foto do pm é a mais deliciosa de todas...

Abreijos

Diogo disse...

Os polícias atiraram os bonés contra a sua porta. Talvez haja necessidade de algo mais assertivo!

Daniel disse...

O Cantigueiro teve direito a ser citado no jornal PÚBLICO por causa daquela história da "telogia de mercado". Parabéns, Samuel, porque é sinal de que há gente atenta ao que dizes aqui.
Quanto a o Sr. 1º-ministro querer explicar que somos todos umas bestas, meu caro, eu, como besta, não terei capacidade de perceber a explicação. Será, pois, o mesmo que chover no mar.

jrd disse...

Queres ver que vamos ter um "Eu Manuela", com prefácio do José.

salvoconduto disse...

Só se pode esfregar com a realidade? não pode ser com outra coisa?

do Zambujal disse...

Muito bem arrancado.
Um abraço

ZERO À ESQUERDA disse...

Já era altura da proposta de Saramago em "Ensaio sobre a Lucidez" se concretizar. Tudo a votar em branco e, depois, esperar para ver as consequências. O caos não seria muito diferente do actual. Eu queria estar na primeira fila! Abraço.

Medronheiro disse...

Não se pode esfregar com aquilo que os cães costumam deixar na relva dos jardins??

Fernando Samuel disse...

Recuperado o descaramento, está tudo recuperado...

Um abraço.

Olaio disse...

Alternadeiros, boa piada... ou talvez não seja piada?
Vou copiara imagem e a expressão para o meu blog.
abraço

Ana Martins disse...

Eu cá, enquanto o PCP concorrer às eleições, com ou sem CDU, não desperdiço o meu voto votando em branco!
Esfrego a realidade na cara do PM votando CDU, mostrando que sei que há alternativa!
E desta vez vou esfregar, sim senhor!

samuel disse...

Maria:
Lá que ficou bem, ficou. ☺

Diogo:
Atirar-lhe com a porta...

Daniel:
Ora aí está uma coisa que o meu ego gostaria de ter visto!
Esta besta teria muito prazer em sentar-se contigo na rocha, à conversa... a ver chover no mar.

JRD:
Já se viu de tudo...

Salvoconduto:
É com o que mais apetecer...

Do Zambujal:
Olha... uma visita de tão longe(?)...

Zero à Esquerda:
Literariamente é giro... mas os de sempre ficariam a rir-se de nós, lá, sentados nos seus lugares e sem oposição...

Medronheiro:
Havendo disponível...

Fernando Samuel:
Foi rápido como o caraças!

Olaio:
Alternadeiros: trabalham para satisfazer os desejos de senhores com dinheiro...
Leva à vontade!

Ana Martins:
E já se viu que magoa! Quantos mais, melhor!


Abreijos colectivos!