quarta-feira, 17 de junho de 2009

Não cumprir os prazos? Jamé!!!



Apesar da evidência que é a necessidade de, pelo menos, uma ligação de comboio de alta velocidade (TGV ou outro) entre Portugal e o resto da Europa, existem pormenores muito estranhos nesta nossa saga do TGV.

Por que raio é que o bendito comboio tem que passar na Ota? Que diabo há na Ota? O fantasma do Aeroporto?

Como se justifica a “ciguêra” de tirar 15 minutos à minúscula viagem de Lisboa ao Porto, num pais que não consegue que a “viagem” de um doente até à cirurgia de que necessita, ou por vezes, até, entre o aparecimento de um sintoma de doença e uma simples consulta para a diagnosticar, dure menos do que um ano, quando não é ainda mais?

Poderia ficar aqui a atirar mais pedras ao pobre comboio, umas mais certeiras do que outras, como sempre acontece, mas na realidade o que quero fazer hoje é saudar a evidente “portugalidade” que o nosso TGV já ostenta orgulhosamente:

Ainda nem foi construído... e já anda com atraso!

12 comentários:

Fernando Samuel disse...

Não estás a ser justo. Para mim,pelo menos: eu já fui duas vezes à Ota e estou a pensar voltar lá pelo menos mais uma vez, pelo que a paragem da Ota me é absolutamente indispensável...

Um abraço.

Maria disse...

Hehehehehe!
Só este post para "amenizar" a tortura que é ver o debate da moção de censura.
O jamé também já aprendeu a fazer cada passo de dança que vou-te contar...

Abreijos

Fernando Samuel:
Viva o teu bom humor, hoje...
Um beijo grande para ti

Ana Camarra disse...

Samuel

Eles precisavam era que parte do seu organismo fizesse de tunel ao TGV, Intercidades, Metro e tudo mais....
Só um pinguinho pequeno de vergonha no trombil também calhava!

beijos

Francisco disse...

Se se interessam pelo assunto vejam isto!
http://mundoemguerra.blogspot.com/2009/06/o-tgv-e-os-caminhos-de-ferro-em.html

Daniel disse...

Quando Portugal não anadar na linha é que será preocupante. Fomos feitos para viver assim. Que é que se há-de fazer?
Quanto ao Porto, convém que o comboio vá o mais depressa possível, sobretudo em dia de jogo, para que os Super Dragões deixem Lisboa em paz o mais rapidamente possível. (Todos os portuenses que conheço são pessoas excelentes. Com os portistas é que as coisas nem sempre andam na linha, embora os que também conheço sejam boa gente.)

Pata Negra disse...

Eh pá, se já temos 10 estádios, dois oceanários, os santuários de Fátima e da Meia Via, um teleférico, porque diabo não havemos de ter um TGV?! Pode não servir para o dia a dia mas nem que seja só para experimentar uma viagem já vale a pena!
Já andei de avião uma vez e não gostaria de morrer sem andar de TGV! Por falar nisso: alguém me sabe dizer quantas rodas tem um TGV?!
Um abraço ignorante mas não só

Diogo disse...

Os comboios de nova geração dividem-se entre os de Alta Velocidade (TGVs – 300km/h) e os de Velocidade Alta (Ex: Pendulares – 220km/h).

O actual Alfa Lisboa-Porto é um pendular. Todos os TGVs construídos na Europa estão a dar tremendos prejuízos. Pelo contrário, os pendulares têm cada vez mais passageiros. Os custos dos primeiros são muitíssimo maiores que os segundos.

Por outro lado, com a queda dos preços dos aviões (low-cost), que sentido faz construir TGVs? Para encher a mula a bancos e empreiteiros?

Abraço

salvoconduto disse...

Cá para mim estás a esquecer-te de uma coisa importante, os especuladores que ali compraram terrenos para enriquecerem ainda mais. Há que mater aqueles terrenos valorizados...

Abraço.

Antuã disse...

O TGV é tão necessário como o Sócrates ou o Lino.

AG disse...

Quanto a Lisboa, convém que o comboio vá o mais depressa possível, sobretudo em dia de jogo, para que os NN boys deixem o Porto em paz o mais rapidamente possível. (Todos os lisboetas que conheço são pessoas excelentes. Com os NN é que as coisas nem sempre andam na linha, embora os que também conheço sejam boa gente.

MJ disse...

Creio que a razão se prenderá com o facto de na verdade a ligação do TGV à europa será mais importante para o trasnporte (leia-se importação) de mercadorias do que pessoas. logo a OTA continuará a ter interesse especulativo para a instalação de grandes armazéns de logística.

samuel disse...

Fernando Samuel:
Ah bom! Sendo assim... ☺

Maria:
Se não fôssemos seres capazes de rir...

Ana Camarra:
Boas sugestões...

Francisco:
Bom contributo!

Daniel:
Assim à primeira vista poderia parecer que és uma pessoa especialmente bafejada pela sorte... mas não. Todos conhecemos!

Pata Negra:
Isso das rodas é que não sei. Ainda ninguém as conseguiu contar “derivado” à velocidade a que o raio da coisa passa...

Diogo:
Vês, que no final “chegaste lá”?

Salvoconduto:
Posso não ter escrito... mas não esqueço, não! Sempre que se fala “daquilo” penso no drama dos especuladores da zona, com uns terrenos tão bons “a dar para o aeroporto” e agora...

Antuã:
Bom... talvez um pedacinho mais.

AG:
A resposta está gira... mas na verdade, o que se devia fazer era aproveitar a tal linha para Espanha e enfiar as claques de futebol (todas), em vagões para bestas, e dizer-lhes adeus de vez. As áreas de serviço das auto-estradas agradeciam... e o país ficava um pouco mais calmo. ☺

MJ:
Que eles têm alguma fisgada, têm!


Abreijos colectivos!