sábado, 24 de março de 2012

Polícia portuguesa – Doentes bipolares?


Coimbra – “Crise académica de 1962”

Não quero dar para o peditório das relações (ou falta delas) da CGTP com os vários “movimentos” que têm aparecido em manifestações, de há uns tempos para cá. Entre o óbvio discurso anti-sindicalanti-CGTP e anti-partidos de alguns desses “movimentos” e, do outro lado, alguma resistência ao desconhecido e anárquico, por parte da Intersindical... muito caminho terá que ser feito. Temos tempo. A História não vai acabar para a semana que vem!
Uma vez que, sobre a Greve Geral e o seu significado, não faltarão comentários, nem “bocas”, nem análises sérias... aquilo que me interessa destacar dos “incidentes” verificados na “manif” (verdadeira música para os ouvidos da comunicação social) é a acção da polícia.
Para abrir devo dizer que preferia, sem sombra de dúvidas, a velha polícia de choque dos tempos de Salazar e Caetano. Gente bruta como cornos... mas “transparente”. Sobre o que poderia vir dali nunca havia dúvidas: repressão e porrada. Eram absolutamente “confiáveis”!
Esta polícia de hoje é mais perigosa... porque é falsa. Porque é doentiamente bipolar. Os seus elementos tão depressa estão na rua a agredir trabalhadores à porta de uma empresa, ou estudantes à porta da sua escola, que ousem reivindicar melhores condições e direitos, ou protestar contra este estado de coisas... como podem aparecer na televisão, utilizando, eles próprios, um discurso sindical, reivindicativo, e assumindo-se aí como trabalhadores explorados e injustiçados. Isto até à hora de se enfiarem numa carrinha para irem espancar mais um piquete de greve, ou, como foi o caso deste dia 22 de Março, jornalistas que tentem registar imagens da sua brutalidade. Nenhuma provocação justifica aquele tipo de agressão generalizada.
Razão pela qual, como já um dia escrevi, enquanto não vir as associações (ditas sindicais) da polícia, demarcarem-se claramente destes actos, nenhuma dessas associações, pretensões, reivindicações, ou o que quer que seja... terá da minha parte uma única palavra de apoio, um único gesto de solidariedade.
Com uma excepção: os cães-polícias. Esses não sabem o que fazem!

15 comentários:

Luis Filipe Gomes disse...

E mais nada! Tá tudo dito e como deve ser dito!

anamar disse...

Não estive em Lisboa, mas fiquei em estado de choque com o que vi. A brutalidade grtuita ou a vontade de bater em alguém , que como a fábula da rapposa "estão altas, só os cães lhe podem chegar"...
Estes estavam mais á mão...
Jamais pol´cia terá também o meu apoio sindical...
Bem jovem aprendi que "polícia, é polícia".... E aí estão.
Abreijo

Rogério Pereira disse...

Não gosto mas "meias tintas", de ambiguidades, de "mansos"... Não gosto é inapropriado: detesto e combato. Mas temo ser excessiva a tua generalização. Uma coisa estamos de acordo: sem dúvida, salvam-se os cães (porque não sabem o que fazem)

salvoconduto disse...

Alinho contigo em relação aos cães, sejam polícias ou não, os que caminham sobre quatro patas, já que outros caminham sobre duas e desses quero distância, assim como dessas ditas associações sindicais da polícia que como bem salientas preferem manter-se caladas e quem cala...

Abraço e bom fim-de-semana.

Antuã disse...

A seguir ao 25 de Abril de 1974 também apareceram muitos grupos denominados "esquerdistas" que fizeram asneiras que depois foram imputadas aos comunistas. Onde estão agora esses ditos "esquerdistas"?!... Quanto aos polícias é estranho que nenhuma associação policial se tenha demarcado dos acontecimentos.

Graciete Rietsch disse...

Prefiro os cães polícias. Os cães só são atacantes quando os treinam para isso (nos humanos também pode acontecer). Os cães são animais sensíveis, afetivos, fiéis, dedicados, amigos e, se vivem connosco,fazem parte da nossa família.
E estou a falar com conhecimemto, pois ainda há bem pouco perdi uma "labrador" maravilhosa.
Desviei-me do assunto deste "post". Desculpa!
Mas tenho tantas saudades da MALU(era o nome dela)!!!!!
Quanto aos polícias esquecem-se que também são POVO e estão a trair-se a eles próprios.

Um beijo.

Carolina disse...

Tem toda a razão, mas, para além disso, de certeza que há todo o apoio do "governo" a esse comportamento policial, se não mesmo ordens para isso. Já estou a ver o Miguelito (Relvas) a piscar com alegria os seus olhinhos de cobra ao assistir essas cenas tão tristes.

LAM disse...

Um conselho aos organizadores de próximas manifestações: peçam aos participantes que vão vestidos como as claques de futebol. Assim podem insultar quem muito bem entenderem, lançar very-lights, partirem, saquearem, que não há problema. Que ordens terão estes agentes da polícia para serem tão complacentes com as claques do futebol* e tão "rigorosos" no "zelo pela ordem pública" para com os trabalhadores que se queixam da espoliação e roubo de que são vítimas?

*não estou a pedir violência sobre as claques de futebol, apenas a constatar que só por ordens superiores a polícia tem este comportamento sobre trabalhadores e espoliados.

Bolota disse...

Samuel,

Completamente de acordo. Mesmo admitindo que a PSP deve estar presente, a violencia gratuita, as artimanhas das policias e a RAIVA, para que se recorda do antigamente, os de antes eram meninos de coro.

Estes brotamonte com a cabeça pejada de merda, atascam-se anabolizantes para serem fortes e valentes mas em grupo, isolados se calhar não são tão maus assim.

Ainda vou ver uma besta desta ser isolada do grupo e levar um tareão daqueles que nunca mais vai esquecer. Aposto contigo

Abraços

Vasco Reis disse...

O que é isso de Cão Policia ?
Quem lhe tira a trela?
E o açaime?

Anónimo disse...

Tenho opinião diversa...
Penso que há na polícia de giro, melhor daquela que não integra os diferentes corpos de intervenção, uma atitude onde cresce o civilsmo, a consciência, de que do outro lado estáo pai, o irmão, o vizinho. Esta gente, ou parte dela, certamente que foi tocada pelo exemplo do Comissário Santinhos e de outros que lhe seguiram o exemplo e, julgo, o difundiram.
Separemos as àguas.

Edmundo Dantas

do Zambujal disse...

Os que não sabem o que fazem e os que são ensinados a fazer.

Um abraço forte

Anónimo disse...

E viva o Edmundo Dantas.Estou com ele!

Saúde e Fraternidade

Provoca-me disse...

Se os profs, militares, polícias e outros tivesse a coragem de se manifestar e fazer greve os de cima não cagavam do alto, nem tinham metade do poder. Quanto à polícia a cobardia e a falta de coerência foi mostrada nesse dia de Greve e de manifestações. O ódio cresceu quanto à polícia, e não sei como serão os ambientes das próximas manifestações. Espero que não se descambe por ai abaixo. Vamos ver o que o futuro dirá. Mas vale mais provocá-los e chamá-los de fracos, cobardes e incoerentes, e espicaçá-los para que comecem a tomar coragem e a tomar o rumo certo do que deixar ir no caminho da violência que eles querem e que o governo quer. Mas dar-lhes umas boas cargas de porrada não fazia mal nenhum, porque eles também precisam de provar do mesmo pote.

José Renato Renato disse...

Isto se aplica bem a policia Brasileira, a actual é bem pior e bem mais opressora que a dos tempos do regime militar, e alem de tudo é inerte.
Em se tratando de bater, eles dão show, é muitas porrada, agora quando eles fazem revindicação de melhores salários, ai pode tudo, balbúrdia geral. Nesse caso [viva a ditadura]
OBs. Mais só neste caso, em geral Deus nos livre!