quinta-feira, 1 de março de 2012

E depois? Não é o que fazem todos?


E condena muito bem!
O que é admirável nesta notícia é a predisposição das autoridades para, escoradas numa alegada legalidade, acharem normal e aceitável que médicos, desde que a trabalhar no sector privado, se deixem subornar pelos laboratórios farmacêuticos, no sentido de darem preferência a este ou aquele medicamento, em detrimento de outros de igual qualidade, quando passarem as receitas.
Infelizmente, estas “autoridades” são apenas o reflexo da triste “flexibilidade” que a sociedade portuguesa tem para com a corrupção.
“Ai aceitou dinheiro? Fez muito bem! Não é o que fazem todos? Eu se pudesse, fazia o mesmo!”
“Deixou-se subornar a troco de umas férias e de uns presentes? Quero lá saber! Enquanto me tratar como deve ser...”
E, desgraçadamente, este tipo de desculpabilização, por vezes quase admiração pelos corruptos, vai subindo, subindo, subindo... até chegar às figuras do Estado, que acham normal enriquecer à custa do que fizeram (ou não fizeram) enquanto foram ministros, secretários de estado, autarcas...

8 comentários:

Maria disse...

Há ainda aquela expressão que tanto me encanita "é o país que temos".
Nem se dão conta que somos nós todos que fazemos este país...

Abreijo.

Graciete Rietsch disse...

De um pequeno favor pode chegar-se a uma estado de grande corrupção. E o nosso país está cheio dessas situações. É urgente combatê-las.

Um beijo.

O Puma disse...

A canalha anda à solta em todos os palcos

Olinda disse...

Infelizmente é o caso de muita gente,sem ética.Veja-se o caso felgueiras e isaltino.Lamentável tais mentalidades,que no fundo,contribuem bastante para os "Al Capones" da nossa praça.

Provoca-me disse...

Lá vão as mulas a mamar na teta. E chupando, e brincando com isto tudo.

http://www.youtube.com/watch?v=jR7pCxQgJuQ

trepadeira disse...

Pode ser que desta estrumeira nasça uma flor.

Um abraço,
mário

Antuã disse...

Tudo depende do número de comerciantes da medicina com o estatuto de médicos!...

Pata Negra disse...

é o "rouba mas faz", tolera o pagode