domingo, 25 de novembro de 2007

Querido inimigo






Vasco Pulido Valente, no Público (sem link), arrasa o novo livro de Miguel Sousa Tavares, "em defesa" da literatura, da História e outras causas igualmente nobres, aproveitando no balanço, para também arrasar o próprio autor, isso já por conta própria.
Vindo de onde vem, o "arraso" é na prática um gigantesco anúncio, equivalente a várias campanhas publicitárias.
A parte "triste" é que Vasco Pulido Valente (já) não tem noção disso. A parte engraçada é que Miguel Sousa Tavares, ao que parece, nem teve que lhe pagar nada...


No caso de eu próprio vir a editar qualquer coisa... "fáxavor", onde é que são as incrições para o Grupo dos "Inimigos" do VPV?

10 comentários:

avelaneiraflorida disse...

Caro Samuel,

com publicidade ou sem ela NÂO VOU LER!!!!!

Já tenho a minha conta...
BOM DOMINGO!!!!!!
Bjks

Anónimo disse...

Boa avelaneira, mas será certamente por razões literárias e não extra -literárias.
Pressinto.

jrd disse...

Cá por mim, com ou sem VPV, tenho "esta noite a liberdade" de dizer que não vou ler.
Esta e todas as noites!

Aristides disse...

Li o Equador porque me foi oferecido e é aquilo a que os americanos chamam page turning; verifiquei, com estes olhos, que tem duas ou três páginas copiadas de um outro best seller que agora não recordo ( será "Esta noite, a Liberdade?", não me lembro, repito); verifiquei a má fé argumentativa e a desonestidade intelectual de Miguel Sousa Tavares bastas vezes, pricipalmente quando fala de professores e de Educação (eu sou professor, já se vê;)por isso já avisei familiares e amigos: no Natal ofereçam-me os livros que quiserem menos o do MST e se algum quiser fazer pirraça fui logo afirmando a minha recusa à sua leitura.

Fernando Samuel disse...

Com inimigos como o VPV, o MST não precisa de amigos.

samuel disse...

Fazendo uma espécie de ponto da situação em jeito de "resposta" aos comentários aqui deixados até agora, devo exclarecer, caso houvesse dúvidas, que o "anúncio" do VPP ao livro do MST pode ser excelente, mas nem por isso eu tenho a mínima intenção de o vir a ler!
Na verdade, não é pessoa com quem simpatize e os livros que tenho realmente pena de não vir a ler são tantos...

Luis Eme disse...

Acho que isto já nem tem nada a ver com o livro, é muita inveja, porque mesmo que o livro seja mau vai vender, vender... e como o Samuel muito bem disse, com a ajuda do Vasco.

Admira-me que ninguém tenha dito que eles estão combinados nesta "guerra" e que no fim, vão repartir os lucros, depois de um repasto bem regado no "gambrinos"...

Anónimo disse...

Podem até comer todos juntos em qualquer lado, com os historiadores ou historiadoras, para fazerem a revisão bibliográfica. Podem convocar imagens do nosso tamanho e colocá-las nas livrarias,apresentar excertos do livro em jornais de distribuição gratuita , apurar o marquetingue, como o fazem para outros. Estamos sempre no domínio do extra-literário, quer dizer o que faz o embrulho. E quem cobre o cobre de fitas são outros ou outras
(júris, instituições com prémios
ou editoras que misturam o pior com o melhor na idas ao estrangeiro ou dentro de portas) mesmo assim desconfio.
Não leio por estas razões a ele e a qualquer outro/a , não o leio porque não tem uma visão do fazer literário, não investiga, encomenda investigação de factos históricos a o conflito é dicotómico, o livro faz-se com uma só voz , se há voz é sempre a do artistas, os que cantam e os que escrevem, não estou a descurar nenhum artista. Sei que ninguém escreve a partir do nada mas Tavares não tem ao que parece cultura literária, já folheei, a semelhança do que faço com muitos autores . Não inova , não recria, e ingénuo literariamente.
Esta literatura também tem cabimento diria a Agustina a rir .
É um olhar para o Brasil e Espanha, provavelmente com pano de fundo o Alentejo Mistificado. Só irá vender e ser lido, mas estudado e aprofundado em estudos interdisciplinares que devolvam algo á sociedade portuguesa muito Fernando Campos, esse sim. dizem que é uma maravilha , escutem a vossa voz o que dizem, um mero exercício não custa.
Eu relerei saborosamente este Natal o livro Do Meio da Magistral Maria Velho da Costa e do não menos profícuo escritor Armando Silva Carvalho . podemos até fazer um desafio aqui no cantigueiro, o que cada um anda a ler e porque gosta ou aconselha. Por aqui não passa MS T , outra literatura Há-de ser lida e apreciada. codialmente

avelaneiraflorida disse...

Bom, eu explico-me...
Não vou ler...porque como Anónino disse tenho razões semelhantes...

Não consigo ler um livro onde "História" entre a "martelo", dado que o autor não fez a pesquisa não "sente" os factos que deve ou não seleccionar e como os integrar na sua narrativa!!!!
Já agora, se MST precisar de ler qualquer coisa BEM FEITA e com "HISTÒRIA" magistralmente interiorizada , leia, para começar, Tracy Chevalier!!!!
Para mim ,repito-o, MST Não Mais!!!!

UMA BOA NOITE!!! E BOAS LEITURAS!!!
Bjks

Anónimo disse...

Vou ler o livro recomendado pela avelaneira florida. Aliás, gosto do título do seu blogue por reminiscências trovadorescas ou jogralesas.
cordialmente