quinta-feira, 7 de junho de 2012

Conversas de café, eleitores... e decotes (*)


No café, o meu amigo espantava-se algo indignadamente pelo facto, para ele inexplicável e inaceitável, de os eleitores, seres supostamente dotados de discernimento e capacidade de análise das várias propostas eleitorais que, eleição a eleição (e entre eleições), os vários partidos e movimentos põe em cima da mesa, acabarem por, ao longo de décadas terem vindo sempre a deixar-se enganar por campanhas demagógicas e promessas vistosas, acabando por votar sempre nos mesmos. Diga-se... que no essencial das políticas, parece até ser sempre o mesmo.
Como a minha formação até aos 14 anos de idade foi toda construída em bases bíblicas, mesmo depois do abandono da religião, ficou-me um certo gosto pelas parábolas. Lá lhe fui “contando” uma...
Certo dia, um cidadão que dispunha de algum dinheiro e três candidatas para se casar, decidiu escolher desta maneira: entregou uma boa maquia em notas, igualmente dividida por cada uma, e disse-lhes para gastarem o dinheiro livremente.
A primeira, foi a um centro comercial e gastou todo o dinheiro em prendas para si. Uma ida a um SPA, perfumes, roupas, sapatos...
- Foi para ficar mais bonita para ti, porque te amo – disse ela.
A segunda, foi a um centro comercial e gastou todo o dinheiro em prendas para ele. Uma playstation, uma televisão enorme, vários dvd de filmes de acção, camisola da Selecção...
- Foi para te ver feliz, porque te amo – disse ela.
A terceira foi aplicar o dinheiro em títulos e numa semana duplicou o capital, devolveu o dinheiro namorado e, só então, foi gastar o seu dinheiro como quis.
- Foi para não te dar despesa, porque te amo – disse ela.
O homem pensou...
pensou...
pensou...
pensou...
pensou...
pensou...
(os homens pensam muito)
pensou...
pensou...
pensou...
pensou...
pensou...
(os homens pensam mesmo muito)
pensou...
pensou...
pensou...
pensou...
... e casou com a que tinha as mamas maiores.
Os homens fazem de conta que pensam muito... mas acabam sempre por escolher da mesma maneira!
* Não estou seguro de que a imagem lá em cima seja bem de um decote... mas não tive tempo para procurar uma melhor. Também não sei se o meu amigo apanhou a ligação desta parábola com as escolhas dos eleitores... mas para quem há tanto tempo não pratica a arte das parábolas... foi o que se arranjou!

16 comentários:

Rogério Pereira disse...

Para que a parábola faça sentido ao seu amigo ele precisaria de ver a foto. É que a escolha das mamas maiores pode estar deformada por uma visão... mistificada.

Moral: se o homem continua com tais critérios de escolha, pelo menos que exija ver as candidatas despidas...

Graciete Rietsch disse...

Grande parábola. Nem Jesus Cristo!!

Um beijo.

maia disse...

Ai se o Sr. Bispo vê a foto, lá se vai a compreensão da parábola!
Com decotes destes num dia feriado, o melhor mesmo é acabar com estes feriados!!!

trepadeira disse...

Como diz o povo,e bem,"trocou o cu pela cara".

Um abraço,
mário

relogio.de.corda disse...

:)))

Joaquim Nunes disse...

Como "Parábola" é Foleira,machista e com muito preconceito, sr. Samuel
era escusado.

samuel disse...

Joaquim Nunes:

Oh, coitado! Foi isso que você percebeu deste texto e desta "parábola"?

Oh, coitado!!!

Quem sabe se tivesse esperado mais, sei lá... um dia ou dois... a pensar muito, muito, muito... tivesse acabado por perceber, sr. Nunes. :-) :-) :-)

Maria disse...

LOLOL
LOLOL
LOLOL
gosto deste decote!!!!!

Abreijos

castrantonio disse...

Com mais ou menos decote e mais ou menos cu... eu estou como o seu amigo, por muito que esprema aqui os meus dois neurónios não consigo entender como este povo continua a votar nos mesmos partidos, sendo que a qualidade dos políticos tem vindo a decair ano após ano...
É para mim um mistério muito grande.
antonio

Anónimo disse...

Tem de passar mais tempo a olhar para mamas e menos tempo na contestação.
Já não destingue um rabo de umas mamas

Zbé

samuel disse...

Zbé:

Felizmente... ainda distingo um imbecil, de um comentador. :-) :-)

Vá pela sombra!

Joaquim Nunes disse...

Senhor Samuel estou verdadeiramente
informado quanto há sua "inteligência",o senhor é cá de uma perspicácia de se lhe tirar o chapéu,diria mais como o "dupont" o senhor é de uma seriedade intelectual a toda a prova.A sua estatura cerebral é de tal ordem que o insulto o comentário jocoso a javardice é a sua marca.Apanhe sol,na moleira que a sombra está curta.

samuel disse...

Joaquim Nunes:

Bem haja, grande Nunes!
Há já muito tempo que digo que os insultos vindos de gente da sua estirpe… são condecorações.

Vá voltando… sempre que lhe apeteça deixar bem claro que não tenho nada que ver com a sua "espécie". :-) :-)

Anónimo disse...

Samuel já viu o que faz trazer Mamas para a "conversa" só lhe traz convulsões.Deve ser da idade! os anos acumulam-se e e você fica nervoso

Pata Negra disse...

Esta vai fazer parte do meu espólio!
Um abraço na certeza que nunca te abraçaram as minhas mamas

samuel disse...

Anónimo (23:46):

Pois... mas o "nervoso" passa-me; Já a sua reiterada e teimosa idiotia, pelo que vejo... é perene. :-) :-)