segunda-feira, 4 de julho de 2011

São como os chapéus...


De facto, há muitos! Os "palermas" são um caso de sucesso, tanto no aspeto reprodutivo, como nos lugares a que conseguem chegar. Apenas dois exemplos, um vindo do PS, o outro diretamente do governo de Passos Coelho.
1. Leio no “O tempo das cerejas” o resumo hilariante de um artigo de “opinião” de um tal Nuno Cunha Rolo, de que o Vítor Dias destacou estas pérolas:
«Orgulho-me de ser socialista desde que nasci, apesar de ter nascido sob a governação marcelista: sou descendente de uma família de socialistas socialistas. Com tenra idade, estive com as ruas e as rosas do 25 de Abril e nunca esquecerei o seu 1º de Maio na Alameda, provavelmente a maior manifestação popular portuguesa do século XX (...)».
Partilho com o Vítor Dias a impressão de que ser-se socialista (ou comunista, ou católico, ou do belenenses) desde o dia em que se nasce deve fazer um mal danado ao cérebro… já nem se distinguindo cravos de rosas, acabar-se a confundir a Alameda com o Estádio 1º de Maio. 
2. Leio no Público que o ministro da Economia (dos transportes, das obras públicas, do emprego, rei das bifanas, turista acidental e neoliberal emérito), o génio importado do Canadá, Álvaro Santos Pereira, acha que «a Madeira poderá tornar-se independente».
Para apoiar o seu “achismo”, o génio político apoia-se numa série de argumentos patéticos, mostrando principalmente que não passa disso mesmo: um pateta que não consegue ver cinco metros para lá dos vistosos cenários de hotéis de luxo e turismo endinheirado da baixa do Funchal, ignorando a realidade da miséria, da democracia mais do que deficiente, do autoritarismo, da corrupção generalizada, da dependência constante e da dívida gigantesca do falso “caso de sucesso” da Madeira.
Infelizmente, pensando bem, para lá da comédia aparente destes casos, o que fica é uma sensação de grande tristeza...


Correcção: Diz-me o próprio Vítor Dias que a menção ao século XXI não passou de um lapso dactilográfico da sua responsabilidade, pelo que as "farpas" que tinham que ver com a confusão de séculos... foram retiradas do post. Não se pode ter tudo!... :-)


14 comentários:

Justine disse...

1. Para além de arrogantes, são broncos e incultos...

2. não tarda nada que comecem a pensar em vender as ilhas dos Açores...

Só me apetece é usar o vernáculo puro e duro!

Helena disse...

Ele é cada pérola!

Fernando Samuel disse...

Por este andar, um e outro vão longe...

Um abraço.

Maria disse...

O primeiro 'trocou-se'. O segundo vai-se 'destrocando' em parvoíce...

Abreijos.

alex campos disse...

E se a estupidez pagasse imposto?
O défice ficava resolvido mas eu era capaz de ter pena destes dois.

Um abraço

svasconcelos disse...

O primeiro é esquisito... o segundo é para lá de absurdo e alienado: ele conhece lá a realidade da Madeira para proferir tantos disparates!!
bjs,

Luis Filipe Gomes disse...

Estes doutores já nem seguem o exemplo do mentor-mor que atafulhava a boca escancarada com bolo rei. Deixam sair tudo de uma vez em expulsão incontrolável. De qualquer maneira sejam palavras ou perdigotos de bolo-rei não passam de detritos.
Abriguem-se!

artur almeida disse...

Em geito de Deputado ...Apoiado. Bem apanhado Samuel.
Tiro o meu chapéu

VÍTOR DIAS disse...

Peço desculpa mas aquela do «século XXI» foi lapso dactilográfico meu.O sujeito, apiante de Seguro, escreveu «século XX».
Era bom emendar.
Abraço.

samuel disse...

Vítor Dias:

Obrigado pela correcção... que também já está feita no post.

Abraço.

Graciete Rietsch disse...

É realmente triste reconhecermos a baixa categoria, hipocrisia e arrogância de quem nos desgoverna.

Um beijo.

medronheiro disse...

Cada cavadela cada minhoca.

João de Sousa Teixeira disse...

Refiro-me ao primeiro ponto que tem imensa graça, de tão parvo que é.
É cada tiro, cada melro…
Na volta é ele a verdadeira Josefa de Óbidos e não sabe.
O moço vê coisas, que havemos de fazer!

Abraço
João

Anónimo disse...

Tanta troca tanta baldroca!
Digam que se tem a mania das conspirações! Mas está mesmo a ver-se
o mr. que frequentou as Universidades das Alemanhas, os Canadás e que mais...decerto vai vender os Açores e a Madeira. Só me apetece enviar-lhes o meu cachorro, no entanto podia ficar envenenado!
Vicky