segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Miguel Macedo – Sim... e porque não?! *


Desde que atingi a idade para compreender, realmente, as implicações e o significado na vida real das pessoas, de "fábulas" com um suposto fundo moral, como a famosa e, convenhamos, bastante reaccionária, sobre “A cigarra e a formiga”, escrita por La Fontaine... que muitas vezes fantasio a possibilidade de, tal como numa famosa anedota (que não vem ao caso), ter a sorte de poder encontrar algures o famoso autor... e mandá-lo bardamerda.
O bando de criminosos que ainda está no Governo faz de conta que não sabe que a origem de mais esta crise internacional, que se abateu ainda com maior violência sobre países com a dimensão e fragilidade de Portugal, deve-se aos crimes económicos dos seus patrões e do seu “deus” capital... e não à preguiça dos seus trabalhadores.
Se há costume nojento de alguns “tugas”, é esta mania antiga e asquerosa de estar constantemente a mandar os outros trabalhar, inventando até frases-feitas a propósito, como a famosa “para quem quer trabalhar há sempre trabalho”... ainda que vejam os seus semelhantes a passar fome e a engrossar as filas do desemprego, aos milhões.
Quase sempre, estes alarvidades saem da boca de parasitas e inúteis que, ou não fazem a ponta de um corno, ou vivem como nababos à custa da exploração do trabalho dos outros.
O inútil que ainda faz de ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, resolveu engrossar as fileiras destes parasitas e inúteis, ao vir acusar os portugueses de serem os culpados pelos erros monstruosos do seu Governo... chamando-lhes, insolentemente, num acto de miserável provocação reles, ressabiada, e de quem está já de cabeça perdida, «um país com muitas cigarras e poucas formigas».
E eu todo este tempo a pensar que o problema do país era estar a ser governado por uma vara de suínos!...
* Sim... e porque não? Se as cabras podem ser equilibristas, os cães dançarinos e os ursos andar de bicicleta... porque não poderia um porco citar os “clássicos”?

13 comentários:

anamar disse...

Não ouvi... porque cada vez vivo mais afastada deste curral....

Abreijo

Edgar Carneiro disse...

Será que treinam ao espelho?

São disse...

Tens toda a razão, estas criaturas vivem num mundo à parte, estão a vender o país aos bocados e ao desbarato( e ninguém fala sobre António Borges, agente da Goldman Sachs?!) e ainda têm o desplante de falar assim!

Mas eu começo a ter receio das consequências disto para a Democracia prpriamente dita, sabes?

Assusta-me esta generalização que se está a fazer sobre todos os políticos, não gosto nada desse Movimento Antipartidário que circula pelo facebook - entre outras coisas.

Tenham uma óptima semana.

Graciete Rietsch disse...

Também já ouvi a asquerosa frase de que quem quer trabalhar, encontra sempre trabalho. Claro que não deixei sem resposta a pessoa de quem a ouvi.
Quanto à fábula da cigarra e da formiga, tive que a reinventar para contar aos meus filhos quando eram pequenos.

Um beijo.

Jose Rodrigues disse...

Não há macedo que corte a raiz ao pensamento...e à LUTA!



Abraço

trepadeira disse...

Pois pode citar,mesmo sem ter lido,tem cara de ter lido pouco para além da bola.

Para cigarra não tem voz,para formiga não tem formação nem experiência,só mesmo para lacaio goro.

Um abraço,
mário

Jacinto jorge disse...

Atenção,se não querem esta Democracia e estes Polítícos,digam quais preferem.É perigoso generalizar,porque se estamos fartos deles,os do PS,PSD CDS os outros tem que convencer o povo que são capazes.
Tem que se chegar há frente.

Medronheiro disse...

Os analfabetos do governo foram escolhidos a dedo. É preciso atirá-los ao mar.

Justine disse...

Eles vão dizendo coisas, as mais vergonhosas, as mais mentirosas, as mais reles - e infelizmente sempre há alguém que acredita neles...

Pintassilgo disse...

Quem tem que se chegar à rente é grande parte do povo que acha que haverá sempre alguém que defenderá os seus interesses. Os outros políticos que não fazem parte do "arco do poder" Já se chegam à frente Há mais de 90 anos.

Antuã disse...

De macedos, coelhos, gaspares e outros animais ferozes já estamos fartos.

Anónimo disse...

Não foi este humanóide que, residindo em Braga, mas tendo casa em Lisboa, quando foi nomeado para o (des)governo, requereu e recebeu, durante algum tempo, subsídio de habitação ou ajudas de custo para tal fim? Bem sei que a lei lho permite, mas... A moral permitirá? Ou seja, a moral permitir-lhe-á que ainda nos fale desta maneira?
Mas que raça de gente sem vergonha.
Margarida - Mafra

Teófilo M. disse...

Este (des)governo só consegue ser bom a dizer asneiras.