quinta-feira, 11 de abril de 2013

A corja – Não é de estranhar...




É perfeitamente natural que a corja que nos governa tencione cortar ainda mais nas verbas destinadas à Educação, apesar de essas verbas já terem recuado para valores de há mais de dez anos.
A corja tem sentido na pele o quanto é incómodo ter uma população jovem cada vez mais preparada para criticar, com conhecimento e fundamentos, estas suas políticas de desastre e roubo do país.
A corja sabe que é mais fácil convencer um exército de desempregados semi-analfabetos, ou que, tendo estudado, nem acabou o 12º ano, como já acontece a milhares de jovens... a aceitar ordenados de miséria, do que impor essa realidade, eternamente, a jovens licenciados, sobretudo se também forem cultos e esclarecidos politicamente.
A corja sabe que, ainda que tenham simpatia pelas ideias de direita com que têm sido formatados pelos esmagadores meios de propaganda do “pensamento único”, alguns desses jovens qualificados acabam, eventualmente, por entender a dimensão do logro em que caíram.
Assim, não é de estranhar ver a corja a tudo fazer para sufocar a Educação e desmantelar a produção livre de Cultura e Pensamento... tudo coisas consideradas como extremamente perigosas por uma corja infestada de tiques salazaristas e “inspirada” pela velha inclinação fascista para puxar da pistola sempre que lhe falam em cultura.

9 comentários:

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Comandar ela ignorância só pode vir de ignorantes...A vida não se faz a andar para trás.
Que será destes empoleirados que vivem acima de todos e de todas as suas possibilidades...

Graciete Rietsch disse...

A ignorância e crendice afastam a urgente necessidade de pensar. Portanto se corta tão descaradamente o acesso à educação e ensino.
Mas a semente lançada em ABRIL e trazida de outros tempos tão tenebrosos, acabará por florescer.

Um beijo.

Anónimo disse...

corja, fascismo, etc e tal. Essa cassete não muda. É uma tristeza

Juca disse...


É preciso começar a cortar cabeças nazis.

trepadeira disse...

A seara vai alourar,amadurecer,já cora,está a chegar a hora de ceifar.

Abraço,
mário

São disse...

Claro que a Edicação é o alvo preferencial a abater, porque uma população educada sabe perfeitamente quais os seus direitos e deveres.

A situação do país está a tornar-se verdadeiramente insustentável!!

Até sábado, rrss

samuel disse...

Anónimo (10:56):

São uma corja, com tiques fascizantes!!!
Porque é que a "cassete" haveria de mudar? Por nos habituarmos? Por passarmos a estar de acordo? Porquê?!

Vá dar banho ao cão!

augusta disse...

Vivo num concelho onde o desemprego ultrapassa largamente a média nacional. Testemunho na 1ª pessoa o drama de muitas famílias que têm que optar entre mandar os filhos à escola ou comer… Os preços mais que proibitivos dos manuais escolares. Os jovens a quem, a única refeição quente é a que lhes é servida na escola…
Olho à minha volta e o que vejo?
“Professora, as bolsas foram cortadas, tenho propinas em atraso, aguentarei mais um mês, não dá…”
Ouço-os quando em desespero me procuram dando conta do futuro que vêem sem esperança, o espectro do desemprego, a emigração sem saberem para onde nem como, tantas vezes olhos molhados repetindo a formatação de que também foram vítimas “mas eles são todos iguais, professora”. Ainda ontem uma licenciada em farmácia me dava conta do seu desencanto, enquanto outro “chamaram-me, vou fazer uma formação, pagam-me o subsídio de refeição, já não é mau”… Aí é tempo de recordar o que em tempos nas aulas partilhamos, de conversarmos a valer...

Vivo o ataque mais que brutal, um ataque nunca visto à Escola Pública democrática, à Escola das portas que Abril abriu!
Para “eles” a cultura é um perigo. E se a malta desata a pensar, e se a malta se questiona?
E se todos aprendem o que sempre lhes procurei incutir “duvidar até do que lhes estou a ensinar”?
É (também) isso que assusta esses pequenos deuses caseiros que do mundo se querem senhores.

Seres pensantes não se deixam enganar…

Tudo tem um objectivo, tudo tem uma explicação...

Peço desculpa, alonguei-me, mas este assunto é-me muito difícil...

(Isto é que é injustiça, é tristeza, não chamar-se corja a quem de facto o é)

Antuã disse...


É urgente correr com a corja.