quinta-feira, 21 de abril de 2011

Emigrantes/Imigrantes – Sempre no sítio errado...


Não. Eu também não tenho uma solução milagreira para o sério problema das migrações e para os dramas humanos que elas expõe cruamente aos olhos de todos.
Seja como for, esta notícia que nos conta como a França dos “direitos do homem” (com a benção da UEbarrou a entrada a estes comboios de imigrantes oriundos do Magrebe, mostra-nos com clareza qual é o momento exato em que, para os governantes e muitos cidadãos europeus, sempre a bater com a mão no peito e a arrotar “democracia” requentada, os homens e mulheres, quase sempre ainda jovens e com o sonho de uma vida melhor, vindos da Tunísia, ou do Egito, ou da Líbia, ou seja de onde for, Norte de África ou não... mas todos fugindo da fome ou da guerra, deixam de ser aqueles maravilhosos “rebeldes”, admiráveis “lutadores pela liberdade” e heróis das muitas “praças tahrir desse mundo, que têm enchido entusiasmadas páginas de jornais... para passarem a ser apenas mão de obra eventualmente tolerada, uma grande inconveniência... ou quase lixo que se deixa na rua.
Como dizia... perdem o "encanto" no preciso momento em que vêm bater à porta das “democracias” europeias... venham de comboio, de barco, ou em carroças.

6 comentários:

Maria disse...

A hipocrisia é uma filha dilecta do grande capital!!!!
Desconhecem, em absoluto, a palavra Solidariedade!

Abreijos.

relogio.de.corda disse...

Oh triste vida! E mais não digo.

Graciete Rietsch disse...

"Ajudam" os rebeldes com intenção
de ajudar a manter o sistema que os cria.
Grande Hopocrisia!!!!!!

Um beijo.

suq disse...

Vejo uma barcaça cheia de "ouro negro" e a custo zero!

Será que, ao contrário do nosso D. Sebastião, os "escravos" fazem o caminho inverso?!

Será que se vêm procurar as suas raízes em museu ao arauto da grande época colonialista?

trepadeira disse...

Aí está o esclavagismo mais vil,roubam-nos,roubando-lhes mesmo o pão,na sua (deles claro)própria pátria,impedem-lhes,não uma vida com mínimas condições,a própria vida e obrigam-nos a vir pedir-lhes para serem escravos.
Acreditarão poderem impedir que,mais dia menos dia,isto vai explodir?

Um abraço,
mário

do Zambujal (que é onde estou agora) disse...

Os outros.
Os outros que nós somos!

Abraço