sábado, 16 de abril de 2011

Fernando Nobre – Nem a galinha quer ouvir falar dele...


Nota prévia: Com este regresso ao tema, que não será o último, não pretendo "massacrar" nenhum dos públicos apoiantes e mandatários da campanha presidencial de Fernando Nobre, tais como o Vitorino, o Luís Represas, a Margarida Pinto Correia, Paco Bandeira ou o Rui Veloso... se bem que destes todos, apenas o Vitorino me tenha intrigado bastante.

É verdade. Segundo notícias de última hora, a famosa galinha que corre esgazeada com um bocado de pão no bico, não vai votar em Fernando Nobre, em Lisboa... nem em parte alguma. Como um mal nunca vem só, não há bicho-careta, desde Soares até aos próprios “colegas" do PPD-PSD (embora uns bem mais do que outros) passando pelos “Homens da Luta”, que não manifeste abertamente vastas dúvidas sobre a utilidade desta “contratação” de Pedro Passos Coelho e muitos torcem mesmo nariz à geometria tão variável da espinal medula do tenaz candidato a Presidente da Assembleia da República. Tão candidato... que até ameaça amuar se os outros deputados não o elegerem para Presidente, coisa que, ao que parece, ele não sabia que não podia ser decidida por Passos Coelho... e abandona o lugar de deputado para que terá acabado de ser eleito. Evidentemente, Nobre abandonará o lugar de uma forma extremamente cívica e carregada de cidadania.
Há, porém, uma voz que não alinha nas críticas. Uma outra luminária política e ex-presidente do PSD, Luís Filipe Menezes, acha que o apoio de Nobre é «positivíssimo», portanto, digo eu, a um pequeno passo de ser “positivérrimo”... ou mesmo “importantasso”. Acha mesmo mais: acha que o facto de Nobre já ter, em política, apoiado publicamente tudo o que mexe – excetuando os odiosos comunistas – é uma prova de que o homem é um verdadeiro «barómetro» do que é militância cívica.
Portanto, já sabem. Quando virem sobre as chaminés ou telhados esses artefactos, sempre criativos, sempre a guinchar com um som roufenho, sempre a rodar ao sabor do vento que sopre nesse momento... lembrem-se de que não são “cataventos”. São “barómetros”!

15 comentários:

Rogério Pereira disse...

Donde,
Fernando Catavento Nobre Barómetro,
é nome que se lhe dê
(embora quase com um quilómetro)
E aqui sabe-se porquê...

do Zambujal disse...

Realmente! Só de nobre...
O bar(ão) ó metro.

Será que não se tem mesmo consciência da responsabilidade que é brincar com coisas muito sérias como a Assembleia da República, como dispôr-se a representar os seus vizinhos, o povo?!

Grande abraço

Miguel Jeri disse...

Que excelente posta!

Nobre é tão incoerente e ignorante no que toca a política quase se torna um passatempo procurar todos os dias as mais recentes e bombásticas declarações do senhor. "Vamos lá ver que bojarda disse hoje o homem?!"

"Candidato a Presidente da Assembleia da República" deveria estar entre aspas uma vez que tal coisa não existe!

Abraço

Anónimo disse...

Ó Samuel, tem juízo. Estás como eu, não percebes nada disto. Sei que é difícil, mas ainda não perdi a esperança de perceber. Ou talvez seja melhor não... Às tantas, a realidade ainda é pior do que as aparências. E, para descer na consideração, já bastou o Nobre ter passado de um homem bom a uma pessoa boazinha, para, agora... Olha, não sei, já disse.
T'abraço.
Daniel

Fernando Samuel disse...

Mais uma vez encalhámos no mesmo tema...

E, da mesma forma que «uma rosa, é uma rosa», um cata-vento é um catavento...


Um abraço.

Limpar Portugal disse...

O Projecto Limpar Portugal foi um movimento cívico altruísta que teve como objectivo promover a educação ambiental por intermédio da iniciativa de limpar a floresta portuguesa no dia 20 de Março de 2010.

jrd disse...

Diz-se que anda por aí um galo à espera de o ver poisar...
Abraços

Anónimo disse...

Olha que o PS ao contratar Basílio Horta como cabeça de lista por Leiria não fez melhor que P.Coelho....

Anónimo disse...

Samuel
Não esquecer que o "homem"passa a PR se o outro bater as botas. Será disso que ele vai à procura?.
Era um grande azar a seguir a uma grande sorte.
Vitor sarilhos

Manuel Norberto Baptista Forte disse...

Fernando Nobre, na sua campanha para a Presidência da República, com a sua "distante" (!!??) linguagem dos partidos, estava e só a dizer que à primeira oportunidade, "quereria" um lugar face aquilo a que se expôs.

Anónimo disse...

Samuel
O de Gaia também é um barómetro com provas dadas. Ele sabe do que fala e os seus companheiros também.
A cidadania teve o seu esplendor nestes últimos dias, Alegre no Congresso da entronização onde o ausente foi o País e Nobre com a manifestação de qualidades que ainda, certamente, não se esgotaram. Eles falaram e à medida que falam mais revelam a sua cidadania.
Um abraço do Norte
Valdemar

Luis Nogueira disse...

E vocês não há meio de deixarem o Dr. Galinha em paz. Até lhe chamam médico. Não será marchante? O homem é tão bruto que ~em percebe que o miúdo queria era torcer o pescoço à galinha, e não a miola de pão. Era canja, canja!... se posível com uma asinha de "pollo".

Luis Nogueira

Anónimo disse...

Que é que vocês querem?!?!!
O homem convenceu-se que, por ser nobre e não ter nascido rei, terá por força de ser presidente, seja lá do que fôr.
Dizem constar do testamento que, ao finar-se, será candidato a presidente do CRDASJ (clube recreativo dos defuntos do Alto de S. João) e que, se os outros o rejeitarem... RESSUSCITA!!!
Rui Silva

Graciete Rietsch disse...

Nobre é muito pouco nobre. Será que os seus 14% foram todos enganados? Penso eu "de que"... estavm à espera de outras coisas.

Um beijo.

Maria disse...

Tenhos dois destes aqui na vizinha do lado. Um só não lhe chegava. Às tantas um é catavento e o outro é barómetro. E chiam que se fartam...

:)))))

Abreijos.