quarta-feira, 27 de abril de 2011

Cavaco Silva e o facebook – Para além de tudo o mais...


... confesso que não sei o que, por estes dias, me irrita mais em Aníbal Cavaco Silva; se o novo-riquismo tecnológico-bacoco da utilização do facebook como (quase) órgão oficial da Presidência da República, se o barulho infernal de escopro e martelo que o homem faz a escrever os textos. Para compensar, a escrita cuneiforme é muito bonita de se ver... apesar do cascalho que fica espalhado pelos jardins do palácio.
E lá veio mais um apelo à “marmelada democrática” do “tudo unido num governo maioritário” de todos os partidos... PSD, CDS e PS, entenda-se!
Seja como for, é uma grande inquietação esta forma “cavacal” de avançar no tempo a três distintas velocidades: tecnologicamente, já chegou à internet e ao facebook; a escrever, parou na escrita cuneiforme dos sumérios de há 5.500 anos; intelectualmente, ainda está na idade das cavernas.
É espantosa a capacidade do país... que ainda vai resistindo a esta gente!

5 comentários:

Antuã disse...

o Américo Thomaz do Algarve descobriu um novo brinquedo.

Cloreto de Sódio disse...

Embora ache o Face e os Blogues e tudo isso um espectáculo de coisa para a malta ir comunicando e desanuviando, também acho uma enorme falta de sentido de Estado o senhor estar constantemente a remeter os jornalistas para a sua pag. do Face e para o site da Presidência da República. Qualquer dia, nem sai à rua. Também... a falta que faz não é assim muita. E, cada vez que sai, só dá é despesa.

Beatriz Cunha disse...

Muito bem observado!
Já agora, uma sugestão: por no neste blog o botão de partilha do facebook. Esta eu gostava de partilhar.

Anónimo disse...

Antuã
Por Américo Tomás. Em 1969/70 ouvi um médico contar uma anedota a uma sua assistente que dizia o seguinte: Um dia Américo Tomás e sua "dignissima" esposa foram ver uma exposição de pintura e a dada altura a mulher perguntou ao Américo qual era o autor da pintura tão mal feita que ela no momento olhava. O Américo muito condescendente informou a esposa que o que ela via não era uma pintura mas sim um espelho. Será que com a Maria e o Cavaco não se passará o mesmo mas com os papéis invertidos?
Vitor sarilhos

carol disse...

Mais uma manifestação do nacional-parolismo. E foi eleito...