domingo, 20 de outubro de 2013

Ponte 25 de Abril – Confirma-se a "desolação"


A "desolação" que se perfilava no horizonte, confirmou-se. Ainda que eu deva, por uma questão de honestidade intelectual, afirmar mais uma vez a minha preferência pela primeira versão que estava projectada para a manifestação de Lisboa. Ainda que eu queira saudar todos os que compareceram nas duas grandes manifestações do Porto e Lisboa. Posto isto... os “desolados” são vários:
Os abutres candidatos a falcões neo-fascistas que resolveram encomendar pareceres que justificassem a repressão à travessia da ponte, em marcha a pé, viram a sua proibição ilegal justamente denunciada como um crime contra a democracia... e a manifestação a acontecer... apesar de tudo.
Os “super-hiper-maxi-mega-revolucionários” que (como entretanto já li nas redes sociais e blogues) foram seguindo a “traição” da CGTP, mas a partir de casa e pela televisão, arrotando postas de pescada sobre a falta de gente, o revisionismo, o legalismo, a falta de “derrube do governo já!”. Alguns, foram mesmo deixando no Facebook “revolucionárias” promessas de que «quando for para derrubar o governo... lá estarei!»
Até os jornalistas não conseguiam esconder a sua tristeza por não haver bloqueio da ponte, não haver nenhum autocarro atravessado, não se dar nenhum acidente.
Em suma, foi “desolador” não haver ninguém “a pôr-se a jeito” para (nem que fosse acidentalmente) ser o novo Luís Miguel... e ser baleado, como esse outro foi, enfrentando um futuro em cadeira de rodas, paraplégico, para o resto da vida.

17 comentários:

Maria João Brito de Sousa disse...

Nem sequer eu, que por motivos de saúde deixei de poder participar nas manifestações, estou desolada, depois de ver a imensa partilha de imagens!

Abraço!

Adelino Ferreira disse...

As vitórias são feitas de avanços e recuos.
Foi uma grande jornada de luta contra o
governo dos financeiros e do grande capital.Então os lacaios na rtp, não fizeram as contas de quanto custariam
o frete das camionetas e de portagens!
Eles queriam sangue para que o povo
comecasse a ter medo de se manifestar.
Os lacaios do grande capital preparavam-se para sitiar Lisboa e espancar e prender
ás centenas. Saíram o tiro pela culatra e o
povo estará novamente pronto para lutar.
O assalto ao palácio ficará para melhor
oportunidade.Até porque os grandes responsáveis destes ultimos tempos, andam a banhos pelo México e Panamá.
Não caírem todos numa eclosa do canal.

Anónimo disse...

Eramos milhares e todos com uma forte vontade de pôr este (des)governo na rua! Aos "desolados" tenham paciência pois, "O Povo é Quem Mais Ordena"!
Avante!
Vicky

augusta disse...

Para alguns, e tudo está no post dito, altamente desolador. No Porto, como em Lisboa...

É certo que as condições meteorológicas das últimas horas faziam a muitos prever - quiçá até desejar - que a malta ficasse em casa. Ir para uma manif com um tempo destes?!!! Ainda por cima atravessar uma ponte?!!! Andar Km a pé e à chuva?!!...
Apesar de tudo, recusando-nos a ser as tais conformistas "nêsperas", carregados de capas de plástico e guarda-chuvas, esperando à chuva o nosso transporte, lá fomos...
E à chegada, tantos, tantos como nós!! E fomos tantos, tantos mil que até o Sol fez questão e nos veio saudar!! Afinal vim carregada para quê? - mas que "de-so-la-ção"...
Mas logo os guarda-chuvas se transformam em suportes de rubras ou negras bandeiras lá no alto e bem ao vento esvoaçando. Lindo de ver!!!
E aquele encontro com amigos marcado, aquele "a gente encontra-se amanhã... mais logo"... Como no meio de tantos mil vais encontrar quem quer que seja? Ainda bem, é bom sinal! Só por acaso...
...
A desolação - desses "tais" contrasta com a nossa alegria - haja sol ou chuva houvesse - defendendo os nossos direitos, em luta por um Abril novo - estaríamos sempre lá!
.
E tudo corre tão extremamente organizado - somos já rios correndo para um só mar, mas de gente - lá nos Aliados!!!

Maria disse...

Na mouche!
Não li blogues, mas no Face a 'coisa' foi demais. Revolucionários de sofá. Pata que os pôs!

Abreijos

São disse...

Há coisas que nem vale a pena comentar.

Escusado dizer que me não refiro ao teu post.

Bom domingo para vós.

Reaça disse...

A TTT, Terceira Travessia do Tejo, que outros governos quiseram fazer para o TGV socratino, quando for construída que seja pensada também para desfiles e manifestações.

Foi uma desilusão em 1966, quando se soube que a ponte não era para peões.

Daí uma revista com a "A Pontapé".

Graciete Rietsch disse...

Que tristeza para os neofascistas!!! As manifestações foram um enorme êxito!!!!
Para os pseudorevolucionários(já nem sei como se escreve)a desolação foi grande, mas o nosso desgoverno, esse foi passear para longe para não assistir a tão grande contestação.
VIVA A CGTP.

Um beijo.

Antuã disse...


Realmente é uma desolação para os fascistas e seus compinchas os revolucionários de sofá. Estes dirão mais tarde, como durão Barroso, que ser revolucionário de sofá era a melhor maneira de ser anticomunista. Quem se lembra da afirmação do Barroso de que ser do MRPP era a melhor maneira, na altura, de ser anticomunista?!...

Anónimo disse...

"Ao contrário do catolicismo, o comunismo não tem doutrina. Enganam-se os que supõem que ele a tem. O catolicismo é um sistema dogmático perfeitamente definido e compreensível, quer teologicamente, quer sociologicamente. O comunismo não é um sistema: é um dogmatismo sem sistema — o dogmatismo informe da brutalidade e da dissolução. Se o que há de lixo moral e mental em todos os cérebros pudesse ser varrido e reunido, e com ele se formar uma figura gigantesca, tal seria a figura do comunismo, inimigo supremo da liberdade e da humanidade, como o é tudo quanto dorme nos baixos instintos que se escondem em cada um de nós.

O comunismo não é uma doutrina porque é uma anti-doutrina, ou uma contra-doutrina. Tudo quanto o Homem tem conquistado, até hoje, de espiritualidade moral e mental — isto é, de civilização e de cultura — tudo isso ele inverte para formar a doutrina que não tem."

Fernando Pessoa in "Ideias Filosóficas"

Anónimo disse...

Uma desolação sim e uma tremenda derrota da cgtp por aceitar TROCAR a manifestação por buzinão.
Enfim, um verdadeiro flop, mais um, do pc/cgtp.

samuel disse...

Anónimo (16:49):

Boa!!!

Deve ter escrito isto sob o heterónimo "António de Oliveira Salazar" :-) :-) :-) :-)

Fora a brincadeira, se o Fernando Pessoa escreveu isto… pelo menos não assinou, COBARDEMENTE… como "anónimo".

samuel disse...

Anónimo (16:49… mas o outro):

Portanto o meu caríssimo "não sei quantos" não tomou conhecimento de que houve uma MANIFESTAÇÃO depois da travessia da ponte… porque é muito distraído, ou por ser DESONESTO?

Manuel Norberto Baptista Forte disse...

Participei na Marcha, e digo com toda a sinceridade que mesmo após a nega de Macedo, mesmo após reuniões com a CGTP e apesar das garantias dadas por esta central sindical de que a travessia pedestre se poderia fazer, não esperava ver tanto aparato visível por parte da PSP, nos estratégicos locais onde se encontravam fardados.
ELES esperavam "desobediência", balbúrdia para repressivamente puderem actuar, mas uma vez mais levaram com uma lição de civismo, num protesto que também e muito os atinge a eles, embora se saiba que estavam destacados por ordem superior. Enfim, ganhámos mais uma vez e ganharemos certamente mais algumas vezes até à vitória final.

VIVA O 25 DE ABRIL

VIVA A LIBERDADE

trepadeira disse...

Dessa gentinha tento desviar-me, não quero vómitos em cima.

Abraço,

mário

Olinda disse...

Foi ,sem dûvida,uma grande manifestacao.Cada manifestante sabe que a sua participacao ê importante para mostrar o seu descontentamento,e que a esperanca de um mundo melhor sô ê possîvel se lutarmos por ele.Nao importa se ê em cima da ponte,se ê debaixo da ponte,se a pê ou doutra forma,o que importa ê estarmos organizados e nao irmos em provocacoes.Foi uma grande demonstracao de firmeza revolucionâria.

Um abraco

duarte (aindanovale) disse...

Caro amigo Samuel
Foi com alguma tristeza que fui seguindo o desenvolvimento deste "processo". Temo em dizer que , a gota de água nunca mais chega... ou que o lume brando é o mais certeiro estratega da desolação. Entendo que muitos eram os que esperavam um acto de desobediência civil, para que "justificadamente" pudessem intervir. Para não falar dos habituais agitadores (instituídos ou não)... Mas camarada... será que não é tempo de fazer arroz de cabidela ( com frango, e arroz e a panela) ? esperemos compagnon...