segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Rui Moreira – O faroleiro


Não resisti a surripiar esta imagem ao Vítor Dias.
Quanto mais não seja para também eu “molhar a sopa”, na minha equidistante qualidade de não lisboeta e não portuense, declarando (por mais que simpatize com Lisboa e goste muito do Porto) a minha grande falta de pachorra para esta mania parola das “capitais”, das “segundas cidades”, dos conflitos bacocos entre Norte e Sul, das invejas regionais, cegueiras bairristas, fanatismos clubistas... e o diabo a sete!
Aproveito ainda para dizer ao senhor Rui Moreira que a esmagadora maioria da “navegação”, pelo menos nos países mais civilizados, já se faz com“GPS”.
Esta coisa dos “faróis” está praticamente condenada a ser uma completa inutilidade... embora, nalguns casos, justamente promovida a património e atracção turística bastante pictoresca.

8 comentários:

Anónimo disse...

O Faroleiro vai pescar no SEA LIFE!!!......
Vicky

Reaça disse...

Os bairrismos à Pinto da Costa, à Alberto João Jardim e certas alantejanices e algaraviadas fazem falta ao folclore.

O chato é quando abusam estupidamente e demagogicamente, fazendo do povo, "burro".

É o que temos visto após o 26 de Abril, com toda a impunidade de alguns regionalistas.

Luís disse...

Por acaso

Pata Negra disse...

Nunca tive necessidade de me orientar por um farol - andei sempre de burro!
Nunca usei o GPS mas tenho a muito tempo um AJP.
Um abraço
(AJP - abre a janela e pergunta)

Antuã disse...


O gajo é mesmo faroleiro.

Anónimo disse...

O Pata Negra ao menos podia aprender português.

samuel disse...

Vês, Pata Negra?!

Já aborreceste um "crítico literário"... :-) :-) :-)

Anónimo disse...

Pois é Samuel, como toda a gente sabe literatura é lixo. Falar e escrever em português escorreito, pior.