terça-feira, 15 de outubro de 2013

Nobel da Economia – Eu, que também não entendo nada de finanças... embora tenha uma micro-biblioteca e uma carrada de discos e CD... *


Dizem-me os jornais que o Nobel da Economia foi entregue a uns fulanos que se dedicam ao estudo do sobe e desce de acções e obrigações em bolsa, exercício a que dão o nome de “análise empírica do preço dos activos.
“Análise empírica do preço dos activos”!!! Desculpem-me o mau feitio… mas até o nome da coisa me irrita! Sei que posso ser acusado de ignorante. Sei que posso ser acusado de populista. Sei muito bem!
Ainda assim, antes de poder vir a ser convencido de que isto é um grande passo para o avanço da Humanidade... imagino a profunda “alegria” sentida pelos explorados, pelos milhões de vítimas dos especuladores e do capitalismo selvagem escondido por detrás dos “mercados” sem cara.
Imagino a profunda “alegria” que sentem aquelas e aqueles que todos os dias se levantam para fazer viver as cidades, as fábricas e os campos, para imprimirem a “marca da sua mão”, como disse o poeta, em tudo aquilo que é produzido com o suor e a força dos braços, ou a luz e criatividade do seu intelecto.
Imagino a profunda “alegria” de todos estes, quando vêem o prémio Nobel da Economia ser entregue, não a quem se esforça por colocar a Economia ao serviço da Justiça, da Paz, da Liberdade, da erradicação da fome, da felicidade dos povos... mas sim àqueles que parecem estar entretidos a brincar com dinheiro virtual, entretidos a fazer jogos florais com a “economia” de faz de conta que cimenta a fortuna de uns tantos aventureiros, à custa da miséria de milhões de seres humanos.

 *  Com os meus mais sentidos agradecimentos ao senhor Fernando Pessoa!

9 comentários:

Anónimo disse...

Desde que o Nobel da Paz foi atribuído a Obama, quase que antes de ele tomar posse, muito há a esperar em relação a outras atribuições.

Rui Silva

Adelino Ferreira disse...

O prémio é um incentivo ao neoliberalismo fecal, que condena
milhões à miséria e ignorancia.

Graciete Rietsch disse...

É a economia que governa este Mundo, destinado a meia dúzia de carrascos.

Um beijo.

Ana disse...

Não tenho televisão. Não vi a noticia. Mas deixo o m/comentário porque... isso do empirismo e dos empiristas... Soa à velha ordem, ao poder económico desenfreado: a todos esses que mereceram a resposta de Lénine dada na obra intitulada "Materialismo e Empiriocriticismo". Todo o tempo foi tempo de o tirar da prateleira e (re)lê-lo. Também de promover debates! Nele temos Lénine - exilado na Suíça e a trabalhar nas bibliotecas em busca do vasto conhecimento que lhe permitiu construír a resposta - e a seu lado Marx e Engels - a quem devemos a definição marxista - a que faz andar o mundo - e a idealista - que o pára e o aniquila - sobre a teoria do conhecimento.

Antuã disse...


É como o Nobel da paz.

A. disse...

São Judeus, como tem sido habitual!...
Admira-me é o descaramento!... Já nem se escondem!!!!!!!!!....

Maria João Brito de Sousa disse...

Ó,ó... eu nem caibo em mim de tanta alegria...

Olinda disse...

Jâ nos habituâmos ao "rigoroso critêrio" da atribuicao dos Nôbeis e a quem servem.Nada de espantar,portanto.

Um abraco

Anónimo disse...

O "Nobel da economia" nem sequer é atribuído pela fundação Nobel. Trata-se de um prémio inventado na década de 70 que usurpa o nome Nobel. Logo na génese do prémio se percebe a natureza das pessoas envolvidas neste galardão.