terça-feira, 6 de abril de 2010

Sócrates o construtor



Aqueles que já foram alertados pelo alarme que toca lá em casa sempre que um dos meus post contém a palavra “Sócrates” e estejam já a afiar o dente por causa desta montagem fotográfica e do texto que vai acoplado... mais vale que não percam ainda a cabeça, como é seu costume. Primeiro, porque acabarão por escrever os comentários com recurso a um “estilo” que me obrigará, mesmo com o coração partido, a enviá-los para o lixo. Segundo, porque a fotomontagem que fiz tem este ar um bocado rasca, não por má vontade minha (até acho o Bob um boneco simpático), mas por falta de conhecimentos no uso do Photoshop. Terceiro, porque desta vez vou dizer bem do homem.

É verdade. Embora pareça impossível, não vou falar das recorrentes mentiras de Sua Excelência o Presidente do Conselho, nem da arrogância, nem do PEC, nem da pedestre incompetência para governar, nem de cabalas, nem de campanhas negras, nem de escutas, nem de assassínios de carácter, nem de ter ou não sido “enxotado” da Câmara da Guarda, nem de ter ou não violado a sua obrigação de exclusividade para com a Assembleia da República ao assinar, ilegalmente, mais de vinte projectos de casas, numa altura em que estaria, alegadamente, impedido por lei de o fazer.

Não. Hoje quero destacar o lado, quiçá desconhecido por muitos, de um José Sócrates amante da sua “arte” e de tal maneira desprendido dos bens materiais, que assinou todos esses projectos sem cobrar um cêntimo... apenas por amizade.

Confesso que, vendo e revendo as casas em questão, não sei se aquilo foi feito “por amizade”, ou antes por grande vingança de maldades, certamente gravíssimas, que esses amigos lhe andavam a fazer desde a escola primária... mas isso é uma mera questão de gosto, que só a mim diz respeito.



11 comentários:

Maria disse...

A verdade é que nem ele gosta das casas. Vai implodi-las...

Mas não me digas que vem aí mais uma comissão de inquérito. Estou farta de ouvir o que é dito e de saber que será tudo arquivado... por falta de provas.

Abreijos

salvoconduto disse...

De amigos como esse está a prisão cheia, até o Abílio Curto fez lá uma estadia...

Helena disse...

Bem, como os comentários sérios, as investigações e as comissões "paralamentares" têm o mesmo efeito...resta-me observar que com amigos com este gosto como é que querem que ele trate a nnossa cultura? Com robalos???

do zambujal disse...

É pá! Que requinte!
Que gozo deve dar abrir as portas do quarto, dar dois passinhos na varanda, saltar a (ou tropeçar na)grade ponteaguda sem se espetar nem rasgar o pijama, rebolar pela relvinha até cá abaixo, à outra grade, gatinhar até lá acima (acima, acima gageiro!), voltar a rebolar até cá abaixo, repetir isto as vezes que a preparação física e psicológica o permitir... que despertar! Melhor só jogging na Praça Vermelha, em Tianamen, à volta das mesquitas de qualquer Marrocos. Mas este supremo gozo só para eleitos, para o arquitecto (ou é engenheiro?)!
'Inda dizem coisas do home. Um inovador. Nem o Óscar!

Obrigado pelo acordar que me deste.

Abraços

smvasconcelos disse...

E eu partilho, indubitavelmente do teu gosto! Que casas feias!
beijos,

Cloreto de Sódio disse...

Belo post!Abraço.

Irlando disse...

Só pretendo saber, em que loja se pode comprar esse boneco,para oferecer ao meu neto no dia de aniversário.

Graciete Rietsch disse...

O homem não tem ponta por onde se lhe pegue. Mesmo a dizer bem.

Um abraço.

Irlando disse...

É que o meu neto, costuma andar com a fisga no bolso de trás.

jrd disse...

Isto consegue ser pior do que as "vivendas estilo maison com janelas tipo fenêtre" de que nos fala a "paisagem do norte da Lusitânia"...
Inacreditável!

Fernando Samuel disse...

Bem vistas as coisas talvez os amigos do Sócrates merecem estas casas...

Um abraço.