sábado, 24 de abril de 2010

Voltar ao Couço




À hora a que entra “no ar” este texto, já me fiz ao caminho para o Couço, onde cantarei à noite. Para uma grande parte daqueles que se dão ao trabalho de ir visitando este blog o Couço não precisa de nenhuma apresentação. Para aqueles que não sabem... teria que ficar aqui por um bom par de horas a desfiar estórias, História, heroísmo, anos de prisão, uma Reforma Agrária muitos anos antes de Abril, repressão feroz, firmeza de convicções, resistência, saudades de algumas pessoas...

Vai ser uma noite boa! Num Couço que já viveu muito desde a altura em que o fotógrafo italiano Fausto Giaconne ali aterrou nos idos de 75 e se apaixonou pela terra, pela gente, pela Reforma Agrária... e foi fazendo fotografias e mais fotografias e foi voltando... vendo as pessoas crescer...

10 comentários:

Maria disse...

Tantas estórias que fizeram a História recente do nosso povo...
Que não te doam os dedos nem percas a voz!

Abreijos e cravos Vermelhos, de Abril!

Nelson Ricardo disse...

Espero que o espectáculo tenha corrido bem. E muito boas fotos, de um tempo em que o povo ainda se importava.

Anónimo disse...

Nessa altura, além da liberdade de expressão, existiam imensos campos cultivados.Agora, passados estes anos todos, está tudo ao abandono, apenas se vê arame farpado e umas miseras cabeças de gado ( quando se vê)e uma imensidão de sobreiros e azinheiras que nem limpos(esgalhados) são há muitos anos. Para além disso entristece-me ver que estamos já numa ditadura( escondida é claro) e que os horizontes que Abril abriu, se fecham cada vez mais sem que este povo faça alguma coisa.

25 de Abril sempre!

amigona avó e a neta princesa disse...

Como eu gostava de ir por aí - noite dentro!
Viva o 25 de Abril!
Abreijos e um abraço especial à vóvó...

Anónimo disse...

Caros amigos e leitores deste blog: A senhora Stilwell resolveu escrever uma crónica de fim-de-semana que é uma provocação cobarde ao 25 de Abril. Deixou escrita na sua página: http://www.destak.pt/opiniao/61175
um texto de Salazar de há 70 anos atrás. Este já fez despertar algumas simpatias pelo ditador, mas também houve quem renegasse o espírito que a dita senhora parece querer fazer prevalecer. Espero que muitos daqueles que defendem o 25 de Abril como dia da liberdade, contra as décadas de ditadura obscura que este País viveu, deixem um comentário contra o texto desta senhora, exprimindo todo o seu desagrado. Será a única maneira de fazer com que os novos fascistas (esses novos amantes de Salazar) se escondam e percebam que ainda não é a hora de sair do seu buraco.

Swt disse...

Também,curiosamente, está cantar no site da Escola... -"A cantiga é uma Arma"
As fotos do post são fantásticas!

Graciete Rietsch disse...

Quanto eu gostaria de estar lá!!!!!

Beijos

Jeremias disse...

Foi uma linda noite, a Casa do Povo com muita gente, gente que viveu o 25 de Abril, gente que sonhou, gente a quem Abril foi roubado.
Houve a geral pós Abril a quem se vai explicando porque foi precisa a Revolução.
Rapaziada que cresceu na Creche construida pelas Cooperativas da reforma agrária.
Foi sem dúvida uma boa noite, uma noite a pensar no futuro.

Um abraço Samuel

Fernando Samuel disse...

O Couço é assim uma coisa que me enche o coração...

Um abraço.

pedro mapuche disse...

a resistência e a memória colectiva das gentes do Couço é-nos dada a conhecer através de um excelente trabalho da Paula Godinho publicado com o titulo "memórias da resistência rural no Sul (Couço 1958-1962). recomendo a sua leitura.
abraço