sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Mário Crespo e os ricos




Mário Crespo é uma espécie de jornalista de que muita gente gosta, alguma não gosta e outra detesta. Encontro-me, orgulhosamente, no último grupo. Tudo na figura de Mário Crespo me irrita. O abjecto e mal disfarçado ultra reacionarismo, o ar convencido e a cara patética com que fica sempre que quer ser mais polémico, arrogante, ou simplesmente engraçadinho.
Há duas noites a fórmula funcionou mais uma vez. Comentando a actual crise e as possíveis soluções para ela, quis ser provocador... mas a máscara lá lhe escorregou novamente para a indigência. Dizia o craque: «claro que nestas alturas aparece sempre a solução milagrosa... a celebre frase “os ricos que paguem a crise”»... e carregou no (falhado) ar escarninho.
Por uma vez, sem que isso me faça seu “companheiro” em espécie rigorosamente nenhuma de jornada, estou de acordo com ele. Também acho a frase infeliz. Também acho que o dinheiro dos nossos muito ricos, ainda que todo junto, não resolve a crise. Por isso nunca concordei com a estafada palavra de ordem “Os ricos que paguem a crise!”
Aquilo que eu quero, aquilo por que me bato e para que estou disposto a contribuir, por mais modesta que seja essa contribuição, é para ver o dia em que se cumpra uma outra palavra de ordem:
Os ricos que paguem pela crise!
Que paguem por esta crise, pelas anteriores, por décadas de crises, por séculos de fortunas obscenas construídas sobre a exploração, a miséria, o suor e, quantas vezes, o sangue de milhões de seres humanos, ao longo da História.
É isso que tem que parar! É por isso que os ricos têm que “pagar”... mesmo sabendo que o seu dinheiro não chega. Porque não há dinheiro que pague! É por isso que, quando chegar o dia, quero que esses, os obscenamente ricos, os que tudo tiveram, que tudo roubaram ao trabalho alheio, finalmente paguem... mas com o lombo!

13 comentários:

do Zambujal disse...

... do lombo? Bem passado, se faz favor.
Estou no teu grupo em relação ao dito jornalista.

Um abraço

Rogério Pereira disse...

Boa malha

Acho que é a palavra de ordem que faltava "Os ricos que paguem pela crise"... Vamos é ter de descobrir como... E que tal altera-lhes o sistema de enriquecimento?

O Caramelo disse...

O homem mais rico de Portugal, Américo Amorim, disse "eu não sou rico, sou trabalhador".
Ainda um dia alguém chega à conclusão que devem ser os sem abrigo a pagar a crise.
Quanto ao Mário Crespo, se me permitir ponho-me a seu lado, não gosto do bicho.
Quando eu era miúdo, aqui pela terra onde nasci e cresci (Porto) aos tipos como o Mário Crespo chamava-se sendeiro.

trepadeira disse...

Não vai chegar a fazenda não.

Um abraço,
mário

Rogério Pereira disse...

Fiz link

Agora queixe-se por eu "enriquecer" à custa do seu trabalho...

JC disse...

Na 12.ª linha (no meu ecrã) há um erro de ortografia: Onde está "craque" deveria estar "ESCROQUE".
Um abraço!

Fernando Samuel disse...

Que paguem por tudo isso é também o meu desejo...

Um abraço.

José Rodrigues disse...

É manhoso; como dizia o Bochechas do J.Gama: é um peixe de águas profundas...



Abraço

O Puma disse...

Ao quisto chegou

Maria disse...

Tadinhos, eles são apenas trabalhadores... não foi o que no outro disse?
Pois que paguem, porra, que foram eles que a pariram e criaram!

Abreijos.

Anónimo disse...

O Mário Crespo é o mais notável jornalista nesta fase de Portugal. Há por aí tanta invejazinha entre inúteis, reformados de 55 anos e oportunistas da ala esquerda. Tenham juizo...e vergonha do que escrevem. Paguem pelas vossas dívidas não estejam sempre à espera que alguém pague por elas

samuel disse...

Anónimo ():

Quanto ao juízo... não sei; mas quem parece ter vergonha do que escreve é o senhor, que mesmo para fazer esse rasgado elogio ao "mais notável jornalista" (!!!) achou por bem fazê-lo anonimamente. :-)))
Mesmo assim, não deixam de ser dois direitos seus: o anonimato... e achar que "aquilo" é notável. :-)))

Cumps

O Rouxinol de Pomares disse...

Boa tarde Samuel. Concordo. O jornalista Mario Crespo, quase sempre, não se sabe se é o jornalista se é o comentador. É uma pessoa que deixa transparecer o preconceito que tem pelas ideias e ideais dos outros. Há uns tempos ainda o suportava, mas sinceramente que me está a enjoar. A proposito da actual conjuntura desfavorável aos trabalhadores e ao povo em geral, dou os meus parabéns pela elevação com que o sindicalista Armenio Carlos desmontou os argumentos deste jornalista numa entrevista recente.
António Silva ( O Rouxinol de Pomares)