terça-feira, 9 de agosto de 2011

Médicos cubanos – Ainda se ao menos fossem “competentes”...




Não há volta a dar-lhe! Por mais que a medicina cubana e os seus profissionais sejam elogiados internacionalmente, por mais que os números relativos aos cuidados de saúde pública em Cuba façam corar (fariam, se houvesse vergonha) países do “primeiro mundo”... tudo isto independentemente do que se pense sobre o regime político daquela grande ilha das Caraíbas, já que não é esse o assunto deste post, a verdade é que os médicos e médicas cubanas são olhados com desconfiança em muitos lugares... quem sabe, com medo que entre um curativo, uma pequena cirurgia, ou uma simples consulta, eles assumam o papel de espiões, ou de “evangelistas” da Revolução. Portugal não é exceção.
Independentemente das reais intensões com que o disse, o senhor doutor bastonário da Ordem dos Médicos, José Manuel Silva, lá foi dizendo que, “sem desprimor e sem xenofobia” (claro, claro!), era natural que certos extratos da população portuguesa estivessem “satisfeitos” com os médicos cubanos... já que antes não tinham médico nenhum, isto apesar, acrescentou, de esses clínicos não terem as «competências adequadas» para exercer a função.
E lá fiquei eu, numa das minhas divagações costumeiras, a imaginar e a tentar enumerar as «competências» que os amigos e amigas cubanas não têm... e de facto, se pensarmos nisso, existem várias:
- Não têm a “competência” de passar atestados médicos para 25 polícias, todos no mesmo dia, meterem baixa de saúde fraudulenta.
- Não têm a “competência” de passar as férias em estâncias balneares de luxo, no estrangeiro, a pretexto de passarem meia dúzia de horas dessas férias a ouvir os senhores que lhes pagam as estadias, fazerem propaganda a mais uns novos medicamentos que eles devem passar a receitar... tendo ainda a suprema lata de chamar a isso “congressos”.
- Não têm a “competência” de montar clínicas vistosas, com consultas a custarem 100 euros (ou muito mais), mas que ao primeiro exame dispendioso que for necessário, mandam o doente ir ter à consulta que também têm num qualquer hospital público, onde farão o exame gratuitamente, ou quase... para depois continuarem o “tratamento” (e os pagamentos, obviamente!) na clínica privada.
- Não têm “competência” para, nas consultas do Serviço Nacional de Saúde, “cheirarem” os doentes que têm disponibilidade financeira para contornar as esperas e demais incómodos do serviço público, passando, a seu conselho, para a clínica privada onde têm o seu biscate paralelo.
Poderia continuar, mas estes poucos exemplos já dão para ver o quanto estes médicos e médicas cubanas são “incompetentes”. Tão “incompetentes” como as centenas e centenas de médicas e médicos, enfermeiras e enfermeiros portugueses que, no SNS, fazem o seu trabalho com amor, competência e honestidade. Todos longe, muito longe do milionário universo em que se movem os barões da medicina... e da Ordem.

29 comentários:

salvoconduto disse...

Eu não lhe chamaria Ordem, antes Grémio, que fica a dizer mais a cara com a careta.

Abraço.

Maria disse...

Cum carago, é um (mais um) excelente post!
Vou 'gamar'...
:)))

Abreijos.

Rogério Pereira disse...

Boa Malha

Anónimo disse...

Fui ver a notícia original no Diário de Noticias e é espantosa a forma como anónimos comentadores descascam no Bastonário do género do último comentário assinado por João:
"Sim, os médicos portugueses é que são bons. São bons a receber bons salários para derreter em BM's, são bons a dizer mal dos outros, são bons a defender os seus interesses mas não os dos doentes".
Isto é apenas uma amostra do que ali se diz contra o Bastonário.
JCM

Medronheiro disse...

O senhor bastonário ao lado dum médico cubano não passa dum alveitar.

José Rodrigues disse...

-Os médicos cubanos,não têm as devidas competências.
-Mas ó sôtore eu té tenho andado benzinho desde que sou tratado/a por eles...
-CALE-SE...isto é uma Ordem(de),merda!

Abraço

Eduardo Miguel Pereira disse...

Epá ! "ganda" post !
Espectacular, Samuel.
Está aqui tudo dito, tudo escarrapachadinho como deve de ser.

É uma vergonha aquilo que esses "profissionais" da saúde em Portugal fazem.

Tenho um que mora ao meu lado que é médico da marinha, e tem uma clínica privada por fora, e como se não bastasse andar sempre a comprar carros novos que entram nas despesas da clínica mas que mais não são que os carros da família, tem agora ainda todos os dias à porta um "chofer" da marinha, com um carro da marinha, para o levar ... para a clínica, na maior parte das vezes !

Pulhas !

Anónimo disse...

Vá a uma consulta com um deles, e veja se percebe metade do que dizem....

O grande erro desta situação, é terem convidado médicos, que não falam uma palavra de português.

Ao menos aqueles que vieram do Leste para as obras, e que a Gulbenkian ajudou a conseguirem as equivalências, sempre se esforçaram por falar a nossa lingua.

samuel disse...

Anónimo (11:14):

Percebo o que dizem sim senhor. Mesmo mais que metade... :-)))
Estou certo que depois da sua observação, serão convidados médicos alemães, americanos, franceses... tudo grandes artistas, quando se trata de falar português. :-)
Brasileiros não vale a pena, pois só têm dentistas para "exportar"... e acho que já vieram todos.
... mas no que diz respeito a alguns dos vindos de leste, tem razão.

vasco queiroz disse...

Lamentável este comentário num blog que para mim é de referência na corajosa resistência á vil e implacável ofensiva capitalista "neo-liberal". Apesar de não "ser do Partido" é ele que merece o meu voto eleitoral e tenho o Samuel em altíssima conta humana e política. Sou médico, especialista em Medicina Geral e Familiar há 24 anos, sei perfeitamente das tropelias e fantuchadas, algumas de contorno criminal, que se passam na "medicina portuguesa" mas no geral o nosso ameaçado SNS e os seus profissionais, humanos para o melhor e para o pior, são louváveis e não podem ser insultados pelos maus exemplos dos seus detractores. o que está verdadeiramente em questão no entanto e que despoletou o post foi o facto do bastonário da Ordem ter referido, e bem, muito bem, que a clinica geral ((medicina Geral e Familiar) não deve ser exercida por médicos sem a respectiva competência sejam cubanos ou de outra nacionalidade qualquer. Só posso compreender a reacção do Samuel por algum fundamentalismo cubano (compreendo...)e por desconhecimento do que é a Medicina Geral e Familiar, disciplina de especificidades técnicas e conceptuais muito para além da licenciatura em Medicina. Não estou a ver que médicos indiferenciados possam ser cardiologistas ou neuro-cirurgiões, dermatologistas ou pediatras. Pois Médicos de Família também não. Simples e só isto. O contrário querem fazer crer os oportunistas políticos da "medicina para os pobres" ou os inocentes ignorantes. Não adianta vir com exemplos individuais ("ando muito melhor e ele é tão simpático" - também conheço gente que fica melhor quando vai a Fátima ou quando ganha o Benfica) ou julgar que cuidados médicos é ter sempre do lado de lá da secretária um gajo de bata branca e estetoscópio ao pescoço. Mas a Medicina de Cuba não é boa? Claro que sim, excelente!Mas repito, o que está em causa é a defesa do exercício de uma especialidade por especialistas e o direito da população a isso, nada mais, e estou certo, até porque o conheço pessoalmente que é esse o entendimento do Dr José Manuel Silva (a do "claro! claro!" foi muito infeliz, Samuel). Nada mais.
um abraço Amigo do leitor atento e solidário.
Vasco Queiroz

Graciete Rietsch disse...

São tão incompetentes como os que fizeram a Revolução que os criou.
São os primeiros junto das catástofes mundias, são os primeiros em muitas especialidades médicas, são muito bons na maneira como veem o doente( não como potencial factor de rendimento, mas como ser humano), etc, etc,etc. Mas é pena."São incompetentes"
Um grande aplauso para todos os bons MÉDICOS onde,evidentemente, incluo os cubanos.

Um beijo.

Anónimo disse...

Bom post, Samuel, apesar das críticas e de mensagens vindas de algumas «corporações», com algum peso neste país.
Afinal, fiquei a saber que os médicos portugueses não podem ser insultados na sua profissão. No entanto, os médicos cubanos podem, só porque são cubanos e pertencem a essa «malvada pátria do Fidel» que ofereceu a saúde ao seu povo, sem custos.

"V"

samuel disse...

Vasco Queiroz:

1. Devia ter lido um pouco melhor (ou então eu devia ter escrito melhor).

2. Depois do elogio generalizado que fiz às "centenas e centenas" de profissionais da saúde do SNS… presumi que tivesse ficado claro que os "outros" eram uma minoria. Uma minoria que, pela ostentação, carrões, iates, casas de luxo, etc, dão muito mais nas vistas do que a maioria.

3. Tem visto muitos médicos cubanos, desses contratados para os locais deprimidos e sem médicos "dos bons", serem colocados como NEURO-CIRURGIÕES? Claro que posso estar enganado… e os nossos hospitais e clínicas de luxo, estão carregadas de cardiologistas, oftalmologistas, cirurgiões diversos e "especialistas" a rodo, todos vindos de Cuba.

4. Quanto ao "claro, claro!"… talvez tenha razão. Não conheço o homem de lado nenhum e, provavelmente, terei sido injusto, mas as reacções que me parecem corporativas deixam-me sempre desconfiado… e como o senhor bastonário não estava a dizer nada que me parecesse xenófobo, achei apenas estranho que ele tivesse sentido a necessidade de negar a "xenofobia"…

5. Uma dúvida: a continuar a feroz lei de funil para a entrada de estudantes em Medicina, com uma tal exigência de médias aos estudantes ainda adolescentes, que deixa certamente de fora centenas de verdadeiras vocações que não tiveram dezanoves a tudo no ensino secundário... de onde é que vão aparecer os tais maravilhosos e adequados especialistas?

Tudo "problemas" meus, que o tempo, ou uma súbita falha na "garantia" dos meus estimados três bypasses coronários, resolverá definitivamente. :-)))

Um abraço.

trepadeira disse...

O que está em causa é sempre o mesmo,ou cuidados de saúde(não necessariamente médicos)para todos,ou matadouros para uns e clínicas de luxo para outros,a saúde como um chorudo negócio,ou o espírito de missão.
A formação que me parece faltar aos médicos de Cuba é a ganância e o egoismo.

Espero e desejo que essas engenhocas continuem a funcionar como é devido e por muito tempo.

Um abraço,
mário

Fernando Samuel disse...

Excelente post - e excelentes respostas a comentários.

Um abraço.

Anónimo disse...

Com a mudança de governo de «ditos socialistas de trazer por casa» para «neo-fascistas, armados em liberais de tigela», era de supor uma verificação nos hospitais de algum «cheiro» a comunismo.
Os médicos cubanos são, assim, alvos da arrogância (e porque não também fúria) de certos médicos ricos que não querem ver a saúde, neste país, dada ao povo. Querem-na paga e bem paga.
Portanto, há que eliminar esse pequeno núcleo de médicos e a melhor maneira de começar uma campanha, é chamá-los de incompetentes.

Manuel Norberto Baptista Forte disse...

A "palavra" sem sentido, de um barão da medicina Poruguesa.
A mim, e familiares meus já nos calharam em sorte nas urgências do Hospital que mais perto fica da nossa residência, médicos de origem caribenha e de origem africana. Pois bem, sempre e só me interessou, a qualidade do acto médico, e aí só poderei dizer bem; como e com todo o orgulho o digo, também já calhou medicos Portugueses que "nasceram" mesmo para aquilo que fazem em condições demasiadamente adversas, e que muitos desconhecem, como também alguns que estão ali por fica bem ser-se, mas a sensibilidade e até a competência, deixou muito mas mesmo muito a desejar.
Temos em Portugal, muitos bons médicos nas mais diversas especialidades e que estão porque a fazer o que gostam, e digo-vos que o fiel da balança (sem "xenofobia") é o serviço público de saúde, em Hospitais públicos.

Vieira disse...

Samuel, o "mel" só escorre da sua pena quando se passa por Cuba. Não entro na discussão dos processos mercantilistas a sobrepor-se à deontologia - e conheço muitos casos de envergonhar -mas faz-me brotoeja a lamechice e a baba só disponível quando se vem de Cuba! Irra que para além de sectarismo vesgo é clubismo saloio e ridículo. Os homens são bons ou maus, competentes ou incompetentes pelo que fazem e não por virem de Cuba ou das Bermudas. E ficar enxofrado só porque se chama a atenção para um problema óbvio que é a capacidade de comunicação essencial para se entenderem as queixas e os conselhos médicos é mais um "bairrismo" bacoco. E o Leste tem o mesmo problema, só que parece caiu em desgraça e não merece a honra de tanta sensibilidade. Convem ser objectivo de vês enquando, 50/50 pelo menos vá lá! É que uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa... E não faz bem às coronárias, só fará perder anos de vida para poder fazer mais qualquer PREC que por aí apareça. Fezada não faltará tenho a certeza, até porque o berço o dá a tumba o tira...

samuel disse...

Vieira:

Quanto aos argumentos, se os há… pois!

Quanto à "lamechice e a baba", mais o "sectarismo vesgo" e o "clubismo saloio e ridículo", sem esquecer o "bairrismo bacoco"… devo dizer, embora maravilhado com a variedade, que o meu amigo devia fazer um workshop de economia. Que diabo! Gastou aqui adejectivos que davam para resmas de "substantivos"… :-)

Para não deixar nenhum deles sem resposta, socorro-me do grande José Sócrates: "… … é a sua tia!" :-))) :-)))

Vieira disse...

Samuel, a especialidade nos adjectivos é sua, é mesmo o modo de vida qualificando sistematicamente os actos dos outros (porque é claro que só há dois: Samuel e seus correligionários vs a malta que não está pelos ajustes em varrer o mundo a tiros de Kalash, como unica medida para cumprir os chamados amanhãs que cantam. Sectarismo apostando tudo ou nada, claque futebolista que frequentemente não fada nem deixa fadar! Uns pontos para quem um ódio de estimação tem mais força que o bem do país. Malhar em ferro frio portanto. Mas com muitas febras, heróicas febras por esta altura. Tenha cuidado com a máquina.

samuel disse...

Vieira:

Obrigado!

António disse...

Eu de Vieira só conheço o Padre António

Anónimo disse...

Vieira, guarda esse velho, rancoroso e desusado anti-comunismo na gaveta. Essa "cassete" já não pega. São os velhos «tiros de Kalash», mais «os chamados amanhãs que cantam» e outros tantos «sectarismos». Já aprendemos esse tipo de estereótipos, ao longo dos anos, em jornais de «O Diabo», «O Dia», o «Público», o «DN» (para não falar dos pseudo analistas e de tantos outros que se auto-intitulam de jornalistas).
Deixa essa farda de «anti-comunista», «anti-Cuba», toda ela cheia de pó, mais as medalhas de cartão. Todos já reparamos que a guerra onde dizes que andaste a combater, foi a guerra dos soldadinhos de plástico ou a colar autocolantes em velhos "Kalkitos" (comprados na feira da ladra).

"V"

AlbinoCosta disse...

Parabéns Samuel por mais um post muito bem conseguido. O homem foi infeliz nas declarações que fez apesar da intenção até ser das melhores mas, de boas intenções está o inferno cheio. Também os dentistas brasileiros não tinham competência e quem os conhecia não queria outros. É evidente que, quando valores mais altos se levantam, a língua acaba, quase sempre, por estragar a melhor das intenções.

Anónimo disse...

Samuel, belo texto, como sempre! Os médicos e muitos outros profissionais de saúde portugueses, salvo honrossas excepções (cada vez conheço menos)são isso mesmo. Aliás já alguém os ouviu posicionar-se sobre a anunciada privatização do Serviço Nacional de Saúde.
Margarida

Vieira disse...

Anónimo com "V":
Acreditas que essa tendência para o martírio de chamar anti-comunista a todo o cidadão que já não pode com essa e outras cassetes autoflagelantes me deixa frio e não pega para os deixar fugir às responsabilidades? É verdade. É que à pala de tanto progressismo passam a vida entrincheirados como se fossem acossados, quando na verdade se estão marimbando para o que resulta da cegueira de insistir num mundo que já não existe e que felizmente não voltará. A vossa verdadeira guerra é a sobrevivência, por isso quem mais atacam são aqueles que mais rivalidade vos sugerem por concorrentes à mesma faixa de votantes. Podem os pseudo odiados de direita pintar a manta que tal os deixa indiferentes pois a guerra é estilo claque e de sobrevivência partidária. Aponta aí: O PCP vai desaparecer convosco de braço no ar e nas tintas para politicas realistas e exequíveis. Vocês exigem o impossível para sobreviver, não sobreviverão e o mundo continuará de forma realista a tentar ser melhor. Quem procurar o possível será vosso inimigo, a vossa sobrevivência exige o impasse. É claro que não vos desejo boa sorte, em minha legítima defesa é claro.

Vieira disse...

Anónimo com "V". Já quase me passava a tua anedota que me aconselhava a ler os jornais! Ceguinho ou analfabeto? Ou andas abroad? Pois é pá, o Público, o Sol, o I, o Correio, o... só se dedicam a bater no PCP! Pois foi pá, e parece que para ti um rato é um bicho com uma grande tromba. Vai descansar.

António Rodrigues disse...

realmente os blogues de comunistas são todos a mesma coisa pois estes são como os burros que têm palas nos olhos,desculpem,como os burros com palas nos olhos não porque mesmo assim podiam olhar para a frente mas irra,esta gente só olha e vêm aquilo que lhe interessa e depois a realidade passa-lhes ao lado,em suma ,vejo-os a todos como uma cambada de invejosos que não podem ver ninguém a ter mais do que eles sem ver que maior parte das pessoas que têm mais do que eles sua as estopinhas para terem o que têm e não me venham com o exemplo de meia dúzia de corruptos que fizeram fortuna do nada para culpabilizar quem tem alguma coisa na vida porque contra corruptos são todas as pessoas desde que tenham 1% do cérebro a funcionar. Eu não sou médico,mas o que vos havia de acontecer era virem de cuba pessoas sem competências reconhecidas no nosso país ocupar os vossos postos de trabalho a ganhar menos de metade do vosso ordenado em condições de quase escravatura (ver links adicionados no final) e por consequência vocês fossem todos para a rua por isso,porque maus profissionais existem em todos os trabalhos e talvez muitos de vocês são exemplo disso e talvez por isso não consigam ter o que o vizinho tem e depois invejam-no por isso.Mas se têm muito amor por cuba,gostava do fundo do coração que fossem viver o "sonho" socialista que se vive em cuba mas não para a meia dúzia de privilegiados do regime,mas sim para ser cidadão do povo cubano que vive o "sonho" socialista cubano todos os dias na pele . Aqui ficam alguns links sobre a realidade desses médicos cubanos pelo mundo http://www.publico.pt/Sociedade/carga-horaria-e-salarios-de-medicos-cubanos-chocam-colegas-portugueses-1403608 http://www.midiasemmascara.org/mediawatch/noticiasfaltantes/foro-de-sao-paulo/10873-medicos-cubanos-processam-por-qescravidaoq.html http://www.polibiobraga.com.br/medicos.htm http://www.ipco.org.br/home/noticias/medicos-em-regime-de-escravidao-moderna-no-paraiso-de-chavez .Como geralmente (não querendo tomar todos pela mesma medida) o pessoal destes blogues da esquerda é muito democrático como são os regimes que eles tanto gostam e por isso nem acredito muito que este post seja publicado. PS:querem ter o mesmo como as pessoas que vocês invejam? então trabalhem tanto como eles.

samuel disse...

António Rodrigues:

O senhor não é médico... mas deve ir a um... com urgência!!! :-)))

...ou então foi um "acidente", depois de ter fumado uma porcaria qualquer, forte demais. :-)

Saludos.