sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Sinais de viragem da economia – Serão sinais... ou verrugas?


Se um qualquer automobilista, culpado, por condução irresponsável, de um acidente de que resultam vários feridos graves, disser, passados muitos dias e ao menor sinal de alívio das dores, que isso é a prova de que a sua condução era a mais acertada e que continuará a conduzir exactamente da mesma forma... o mínimo que se diz é que se trata de um imbecil, ou mesmo de um louco furioso.
Que dizer então de um grupo de bandalhos, organizados em partido do governo, que ao menor sinal de “melhoria” dos números da economia, já vomitam que é preciso manter a «continuidade da linha governativa»?
E se, ainda por cima, esses sinais de melhoria não passarem, afinal, de falsos sinais?
- E se o aumento do emprego corresponder quase apenas a trabalho sazonal, logo, precário e incidindo principalmente num universo de salários de miséria, bem abaixo do Ordenado Mínimo?
- E se o aumento das exportações estiver (quase) apenas apoiado num acréscimo da produção de uma refinaria e na venda dos combustíveis aí refinados?
- E se o aumento das importações, em vez de coincidir com uma qualquer melhoria do poder de compra dos portugueses, estiver ligado, principalmente, ao aumento da importação de crude para alimentar a tal refinaria?
- E se o aumento da actividade no sector do turismo tiver como única explicação o facto de estarmos no verão e de sermos cada vez mais atractivos para os estrangeiros endinheirados... por estarmos, nós e o país, a ser vendidos a preço de saldo?
Os exemplos poderiam continuar... mas se formos analisando todos os “sinais” que o governo nos quer impingir como “viragem”... que nomes se pode chamar a esta gente... mesmo àqueles que, para fazer o contraponto à mentira oficial, vão "pedindo calma", dizendo que “não se pode embandeirar em arco”... enquanto todos os outros – governantes, analistas e comentadores oficiais – embandeiram?

9 comentários:

Anónimo disse...

O "grupo de bandalhos" foi eleito democráticamente. Por isso podes meter a língua no cu.

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Parece que estas notícias apenas vem esconder as outras calamidades como o aumento da idade da reforma e os cortes nas pensões abaixo dos mil euros.

Anónimo disse...

é o crescimento económico em photo-finish - http://en.wikipedia.org/wiki/Photo_finish

Graciete Rietsch disse...

Uma mínima melhoria a partir de um valor negativo continua a ser negativa. Por outro lado a "desconfiança dos mercados" continua grande. No mesmo sistema quantas contradições!!!

Um beijo.

samuel disse...

Anónimo (03:34):

"O grupo de bandalhos foi eleito democraticamente" - lembra o meu "caro" anónimo. Na verdade, infelizmente, foi. Mas…

1. Hitler também foi!

2. Até um atrasado mental sabe que se tivessem anunciado na campanha eleitoral o que iam, realmente, fazer… não teriam ganho nem um lugar para porteiros.

3. Quanto á sua tão lúdica e, sobretudo elegante e educada sugestão final… embora acredite na sua boa intenção, já que as pessoas oferecem, normalmente, aquilo de que gostam e lhes dá prazer… NÃO, OBRIGADO! :-) :-) :-)

Antuã disse...


São as melhoras da morte tal como no cancro.

do Zambujal disse...

Bem imaginativa ilustração da... inversão, e adequado comentário.
Quanto ao comentário do anónimo das 03:34 fiquei impressionado com o nível e a elegância do comentário... Esforçando-me por crer que se tratou de um lapsus linguae (acontece...) aconselhava a um b-á-bá de política para perceber que a democracia, quando maltratada pode ter aspectos perversos como termos como representantes nossos bandalhos e pior que bandalhos!

Para ti, um grande abraço

Maria disse...

Há por aqui uns anónimos que são verdadeiras verrugas. Tiram-se com água forte. Desaparecem, mesmo...

;)

Anónimo disse...

Sinais de viragem?! Só se for para uma maior miséria e quando o mês de Setembro chegar vamos ver até onde vai chegar a viragem. VAI SER BEM PARA O FUNDO. No entanto, temos de continuar a lutar contra estes aldrabões.
Bem, não nos esquecemos da FESTA DO AVANTE uns dias de alegria.
Vicky