terça-feira, 18 de janeiro de 2011

José Carlos Ary dos Santos – 27 anos


Faz hoje vinte e sete anos que o José Carlos Ary dos Santos nos legou a tarefa de tomar conta da sua obra e da sua memória. Por isto e por aquilo, por falta de tempo ou de atenção, nem sempre o teremos feito tão bem quanto deveríamos... mas sempre que o fazemos, é com o coração.
Atrevam-se a perder um pouco mais de oito minutos de uma qualquer irrelevância e ganhem-nos, ouvindo o poema “As portas que Abril abriu” da melhor maneira imaginável: dito pelo Ary.
Ninguém corre perigo. Apenas alguns de nós sentirão, como eu sentirei, aquela fantástica palmada no ombro... aquela espécie de sismo com que ele festejava a onda de aplausos que o traziam do palco até aos bastidores, a perguntar: saiu bem? Achas que gostaram? E toda a gente “lá fora” ainda gritando AryAryAry!”... ou “Vinte e cinco de Abril sempre, fascismo nunca mais!”... o que queria dizer exatamente o mesmo.


“As portas que Abril abriu” – Ary dos Santos
(José Carlos Ary dos Santos)


12 comentários:

Maria disse...

Agora comoveste-me...
Ai esta força!!!!
:(

salvoconduto disse...

Se como dizia Ary, não há coisa mais pura do que dizer a verdade, então aqui eu aviso que eles andam por aí a querer fechar outra vez as portas.

Antuã disse...

O Poeta caminha ao nosso lado.

Manuel Norberto Baptista Forte disse...

Um grande poeta, e um expressivo comunista, que nunca hipotecou onde quer que fosse e perante quem quer que fosse, as suas convicções.
Até um dia ...

Anónimo disse...

Ary! Ary! Ary!...

vovómaria

Graciete Rietsch disse...

Sem palavras!!!!!!!

Um beijo.

JOSÈ GAGO disse...

Vinte sete anos!Como o tempo passa!
Porémm,o poema tem muito mais tempo...!
E no entanto é tão actual...
Podia ter sido escrito ontem,hoje,
ou se calhar,amanhâ...
Porque a emoção é a mesma...!
As lágrimas são as mesmas...!
As palavras têm a mesma força...!
Têm a mesma oportunidade, o mesmo
sentido,logo portanto,está tudo igual,excepto ABRIL, que já não é o
mesmo,muito por culpa do povo que se deixou enrredar nesta teia do
engano e da hipócrisia...!
Mas o povo está sempre a tempo de rectificar,e trazer ABRIL de volta
já no próximo domingo,votando
FRANCISCO LOPES.
um abraço,
JOSÈ GAGO

Dra.Lídia Craveiro disse...

Uma lição de história que todos devíamos ouvir.

Hilário disse...

Grandioso poeta de Abril!
Ary sempre!
A Luta Continua!
Um Abraço

Fernando Samuel disse...

«Quem o fez era soldado/homem novo, capitão/mas também tinha a seu lado/ muitos homens na prisão»: como em quatro versos e 18 palavras se contam 48 anos de história de um povo...

Um abraço.

ARISTIDES DUARTE disse...

Grande Ary dos Santos

Anónimo disse...

Samuel
Ao ler esteu post, ao ouvir o Ary que muitas vezes leio, recordei a Bandeira Comunista, esse belo poema escrito quando a reacção e o fascismo atacavam os Centros de Trabalho do PCP e perseguiam, matando mesmo, os militantes comunistas. Recordei hoje depois do que se passou, também hoje, em Lisbos após um Plenário de dirigentes e trabalhadores da administração pública. Temos de gritar cada vez mais alto, e cada vez com mais gente, que "Ninguem mais Cerrará as Portas que Abril Abriu". E Domingo ninguém melhor que Francisco Lopes interpreta essa convicção e garantia de luta.
Um abraço do Norte
Valdemar