quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Desculpem qualquer coisinha...



Pode acontecer, embora seja muito raro! Sempre que os militares cometem um “erro”, quase nunca são os responsáveis pelo dito erro que morrem, mas sim as pessoas inocentes que tiveram a infelicidade de se atravessarem no seu caminho. Um “erro” destes voltou a acontecer no Afeganistão, envolvendo militares alemães e dezenas de vítimas mortais, homens, mulheres e crianças, que seguiam numa coluna de transportes que nada tinha que ver com “insurreição”, “Al-Qaeda”, ou qualquer fenómeno similar.

A frieza da reacção dos oficiais alemães envolvidos em mais este “acidente” bastante parecido com um crime de guerra, lembrou, infelizmente, outras guerras. Não se lhes viu um pingo de remorso. Já aos seus chefes militares, ao fazerem ainda pior, isto é, tentarem ocultar o sucedido, insistindo que tinham atacado uma coluna militar, o caso valeu-lhes o afastamento dos respectivos cargos. Valeu também um público pedido de desculpas da Chanceler alemã Angela Merkel, o que não remediando coisa nenhuma, pelo menos fica-lhe bem.

Vem isto a propósito do facto de Merkel, na sua qualidade de (grande) aliada de Barack Obama na guerra do Afeganistão, ter sido informada das intenções de “mudança” de estratégia militar do Presidente dos EUA, ainda antes do discurso em que ele fez o seu anúncio público. Se atendermos a que logo após ter sido eleito, Barack Obama já tinha aumentado o número de efectivos militares empenhados naquele conflito em mais de 20.000 soldados, ficamos com uma ideia da variedade de soluções de que a Casa Branca dispõe para resolver o problema... mesmo incluindo a “compra” de um presidente Afegão e dos corruptos que o rodeiam.

Vamos ter, portanto, entre soldados dos EUA e dos seus aliados, um aumento de tropas no Afeganistão, que poderá chegar quase aos 40.000 efectivos. Segundo Obama, os cerca de 100.000 soldados que passarão assim a estar naquele país, começarão a retirar em 2012... “dependendo das condições no terreno”, o que quer dizer, basicamente, coisa nenhuma.

Permitindo-me acabar com um toque de ironia demagógica, diria que isto é tendo ele recebido o Nobel da Paz!... Nem quero imaginar o que o homem faria se lhe tivessem dado o Nobel da Guerra!!!

13 comentários:

salvoconduto disse...

Hoje afinámos pelo mesmo diapasão, como não podia deixar de ser.

Abraço.

Maria disse...

Obama está apenas a mostrar, mais uma vez, a verdadeira face. E ainda houve gente a acreditar nele...

Abreijos

Brasil Empreende disse...

Ola visitei seu blog e gostei muito e gostaria de convidar para acessar o meu também e conferir a postagem de hoje: Meditações “Latino”-Americanas
Sua visita será um grande prazer para nós.
Acesse: www.brasilempreende.blogspot.com
Atenciosamente,
Sebastião Santos.

Fernando Samuel disse...

Vê-se mesmo que não estás a ver o «filme»: ainda há dias o dr. Mário Soares (que vê os «filmes» todos) dizia que Obama é a mudança...

Um abraço.

Justine disse...

Será que a hipocrisia e a falta de ética não tem mesmo limites???

Pata Negra disse...

Aumentar o número já é apenas para preparar a retirada em segurança!

Um abraço longe de Cabul

Luis Nogueira disse...

Não sei se a "falta de ética" da querida Justine se refere ao Mário Soares ou ao Calcinhas da Casa Branca. Mas lá que se aplica aos dois, aplica. Ontem acho que a TV deu o Soares a entrevistar o Ramonet. Não percebo como é que o Ramonet se deixou entrevistar por essa "coisa". Gabo-lhe a paciência. Também nãp faço ideia que língua terá falado o Soares que nem a dele conhece como deve ser. O homem devia era estar preso, onde n~~ao chateasse ninguém nem esmifrasse o erário para derreter nas fundições.
Quanto ao 'Bamas, é mais digno de dó que de ira. Como todos os fala-baratos (e ainda não vi que o homem fosse outra coisa...) ainda não percebeu que "militar mesmo não ganha guerra", já sabia o Clemenceau. Os gringos ainda nem sequer fecharam a Guerra da Coreia, quanto mais as outras que têm pendentes, Ganharam a da Secessão, e foi porque tinham sempre que ser gringos a ganhar.
É apenas uma questão de tempo... Good bye USA...


Luis Nogueira

Antuã disse...

Isto também demonstra o que vai na cabecinha dos académicos que lhe deram o prénio nobel da paz.

Dylan disse...

Como já disse num blogue de um colega seu, os EUA estão integrados numa força internacional a actuar no Afeganistão.
Por outro lado, penso que confunde a essência do Nobel da Paz.
O Nobel da Paz tem características diferentes dos restantes prémios atribuídos pela Academia Sueca. Desde logo, é atribuído em Oslo por um comité independente norueguês, laureando alguém ou alguma entidade que se distingue pela capacidade de resolver diplomaticamente diversos problemas, independentemente de ficarem concluídos ou não. Foi assim com Jimmy Carter, é agora assim com Barack Obama. Porque privilegia o diálogo e o bom senso entre os povos, porque ele próprio é o resultado da esperança e do sonho: ter sido o primeiro presidente afro-americano da história dos EUA. Um exemplo do idealismo norte-americano, ainda hoje cobiçado, abraçando causas como os Direitos Humanos e trabalhando internamente para um plano de reforma do sistema de saúde. Com Obama, voltaram as preocupações com o meio ambiente, com o desarmamento nuclear, com a desmobilização do Iraque e com a possibilidade do fim do embargo a Cuba. Apressou-se a condenar o golpe de Estado nas Honduras e a normalizar as relações institucionais com a Rússia, não esquecendo a tentativa de cativar o mundo árabe ao admitir a criação do Estado da Palestina , fundamental para a paz no Médio Oriente.

Negar isto, em menos de nove meses, é cair no discurso dos conservadores norte-americanos e de parte da esquerda europeia, recheada de tiques estalinistas.

http://dylans.blogs.sapo.pt/

Isaflores disse...

Ela Ha quem pense cada coisa!!! ou srá que os fazem pensar?
Não sei, não sei, mas estes dircursos incomodam-me...

Zé Canhão disse...

Quem disse que este Dylan é uma pessoa?

Luis Nogueira disse...

De facto, "seu" Dylam espanta-me. Com que então fim do bloqueio a Cuba? Com que então mais 30000 manifestaçõs de paz no Afeganistão? Com que então golpe nas Honduras? Com que então mais seis bases gringas na Colômbia? Homem, você ainda não reparou que o Bamas é um inútil perfeito e recauchutado, como qualquer presidente que se preze da Gringolândia?
Você não andará a ler de mais a Voz da América, a coleccionar as publicações do Departamento de Estado. Ainda não viu que a única maneira de haver paz no mundo é acabar com o Império?
Olhe que é preciso ser brutinho, meu bom Dylan... Ah, será que você adoptou o nome porque o Bob Dylan tem interesses em fábricas de armamento. Assim já se percebe o que é que você quer dizer com paz...

Luis Nogueira

samuel disse...

Salvoconduto:
☺ ☺

Maria:
E haverá ainda por mais uns tempos...

Sebastião Santos:
Fui ver e gostei!

Fernando Samuel:
É verdade! Esqueço-me sempre de conferir o que diz Soares, antes de escrever sobre alguma coisa... ☺

Justine:
Assim... à vista desarmada...

Pata Negra:
É, pelo menos, uma bela desculpa...

Luís Nogueira:
O negócio dos EUA não é ganhar guerras...

Antuã:
Intenções... boas, dizem eles...

Dylan:
Vejo que o amigo está a par da lista das “boas intenções” de Obama. Agora é só encher-se de paciência e esperar que alguma dê em qualquer coisa. As Honduras já pode riscar da lista. Os EUA patrocinaram o golpe, depois “condenaram” e a seguir inventaram a maneira de o legitimar. Mas isto devo ser eu a alinhar com a esquerda cheia de tiques estalinistas... ☺

Isaflores:


Zé Canhão:
???

luís Nogueira:
lá que é uma bela lista, isso é! ☺ ☺


Saludos gerais!