quinta-feira, 2 de abril de 2009

Nada podeis contra o amor. Contra a cor da folhagem...



Frente a frente

Nada podeis contra o amor.
Contra a cor da folhagem,
contra a carícia da espuma,
contra a luz, nada podeis.

Podeis dar-nos a morte,
a mais vil, isso podeis
- e é tão pouco.

Eugénio de Andrade


Lido e descaradamente surripiado no "Cravo de Abril".

6 comentários:

Maria disse...

E o prometido é devido...

poesianopopular disse...

Esta poesia do Eugénio de Andrade,é um monumento!
Abraço

Camolas disse...

-Grande Eugénio!!!És um Senhor!!
Dá-lhe um abraço meu se o vires.

Lúcia disse...

Quente e rubro post!
De luta!
Beijos

anamar disse...

Uma beleza!
Sem mais palavras..

samuel disse...

De ficar sem palavras...