segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Dr. Fernando Nobre – Deixem-no fazer o que faz bem!



O Dr. Fernando Nobre é uma pessoa estimável. Desgraçadamente (mas apenas para mim), só daqui a muito tempo descobrirei, se for o caso, qual a razão que me impede de alinhar na “adoração” geral de que goza, como já antes me aconteceu (infelizmente, com razão!) em relação a outras grandes figuras, também elas esmagadoras unanimidades.

Seja como for, o Dr. Fernando Nobre é, como disse, uma pessoa estimável e a “sua” obra, a AMI, mais estimável ainda. Não é o homem nem a sua ONG que estão em causa nesta estória. Somos nós mesmos! Passo a explicar.

O Dr. Fernando Nobre, entre catástrofes e desgraças várias que requerem o empenhamento da AMI, faz uma vida recatada, não se lhe conhecendo grandes posições sobre seja o que for... para além daquilo em que resolveu empenhar-se a fundo, a medicina humanitária. Claro que a cada emergência ou catástrofe natural, ganha visibilidade, pois muito justificadamente, aparece nas televisões, apelando para a solidariedade da sociedade em geral e, evidentemente, em cada uma dessas aparições reforça a sua imagem pública de pessoa boa e inteiramente dedicada aos outros.

Tal foi o suficiente para num inquérito promovido pelo blogue “Arrastão”, em que se perguntava aos leitores “Qual o melhor candidato para vencer Cavaco Silva ou outro candidato de direita nas próximas eleições presidenciais?”, não só o nome do Dr. Fernando Nobre figurar na lista de putativos candidatos a Presidente da República, como ter ficado destacado em segundo lugar, atrás do esperado Manuel Alegre, como se pode ver na imagem dos resultados da sondagem, que teve respostas de um total de 1924 votantes.

E viva o poder da televisão! Passámos definitivamente da fase triste em que “emprenhávamos de ouvido” para a fase patética em que já emprenhamos pelos olhos!

Bom... a menos que todo o país seja declarado zona de catástrofe...


Adenda: “...faz uma vida recatada, não se lhe conhecendo grandes posições sobre seja o que for... para além daquilo em que resolveu empenhar-se a fundo, a medicina humanitária.”

Na tentativa de evitar que mais alguém tropece nesta frase, tal como na minha inócua falta de empatia com a figura pública em causa (pese embora admirar o seu trabalho), esclareço que o que quero dizer é que o Dr. Fernando Nobre é conhecido pelo seu trabalho na AMI e não por ser um notório militante de causas politico partidárias, o que não o transforma num imbecil sem opiniões sobre as coisas e o mundo, nem que não tenha aqui ou ali divulgado essas opiniões em entrevistas. Talvez tivesse feito melhor em dizer "acções" ou "militância", em vez de "posições"...

Mais uma vez, aquilo que me “encanita” é que, em manifesto desespero de alternativas, os eleitores se voltem para a primeira boa pessoa que vêem na televisão e a transformem em candidato a Presidente... e como disse, o problema é nosso, não do Dr. Fernando Nobre.

17 comentários:

Nuno Vieira Matos disse...

Samuel,

Falta de ética da sua parte é uma triste novidade. Não sabe porquê mas não gosta. Se não sabe porquê guarde-o para si e não venha tentar estabelecer previsões comportamentais; deixe isso para os curandeiros. Em relação às posições de Fernando Nobre leia as entrevistas.

No fim, espero que este azedume não seja manifestação de um sectarismo ideológico. Isso seria triste.

Já agora, não se esqueça que o Jerónimo também emprenha muita gente pelos olhos.

Maria disse...

Oh bailha-me deus... jejejeje

Abreijos

samuel disse...

Nuno Vieira Matos:
Trau!!!
Estou proibido de dizer que não gosto seja do que for ou de quem for, a não ser em tribunal, com provas e testemunhas.
Como visivelmente pertence ao grande grupo dos, muito justamente, admiradores, aceito e compreendo a sua ofensa.
De qualquer maneira, se se der ao trabalho de reler (ou ler bem) o post, verá que não há uma única crítica ao homem, pessoa estimável, mas sim à parolice de já ser considerado candidatável a presidente da república.
A crítica é apenas para nós...
Ah... e suponho que a insinuação de sectarismo é por o Dr. Fernando Nobre navegar para os lados do BE, facto de que nem sequer tenho a certeza. Haja saúde para tanta hipersensibilidade!

Um abraço.

samuel disse...

Maria:
É o que há... :-)

Abreijo.

Daniel disse...

Se o Dr. Fernando Nobre decidisse deixar de prestar o nobilíssimo serviço que presta aos mais desgraçados deste mundo, seria muito bem-vindo como candidato a presidente. Mas, enquanto ele puder salvar gente, que salve. Cavaco é uma tristeza, mas não é uma calamidade.

samuel disse...

Daniel:
Como (acho) que disse no texto, a minha falta de empatia com a figura pública, é problema meu.
Como disse no texto, deixem-no fazer o que faz bem. O que faz, repito, muito bem!

Abraço.

samuel disse...

Daniel:
Como (acho que) disse... :-)))

Abraço.

isabel disse...

afasta o Dr Fernando Nobre da política, não tem nada a ver, não compares o incomparável!

samuel disse...

Isabel:
Mas... fui eu?! É isso que se percebe depois de ler (realmente) o texto?!

Abraço.

Juvenal disse...

"Fernando Nobre, médico e mandatário da candidatura do Bloco de Esquerda, mostrou-se bastante satisfeito com o resultado do BE nas eleições europeias.
"Gostava que no Parlamento estivessem pessoas com coluna vertebral e acho que os três cabeças-de-lista do Bloco correspondem a esta ideia", afirmou Fernando Nobre.
O mandatário salientou que Miguel Portas, Marisa Matias e Rui Tavares vão conseguir defender as políticas económicas, sociais, ambientais e de defesa dos direitos humanos defendidas pelo partido." 7 de Junho de 2009


"Participações civico-políticas, enquanto cidadão independente e a título individual:
- Participação na Convenção do PSD, em 2002;
- Membro da Comissão de Honra e da Comissão Política da candidatura de Mário Soares à Presidência da República, em 2006;
- Mandatário nacional para a campanha do Bloco de Esquerda ao Parlamento Europeu, nas eleições de Junho de 2009;
- Membro da Comissão de Honra da candidatura de António d'Orey Capucho à presidência da Autarquia de Cascais, em 2009." http://fernandonobre.blogs.sapo.pt/993.html

Porque é que não havia de estar no inquérito do Arrastão?

Vai a todas

isabel disse...

a adenda é mais esclarecedora.

São disse...

Eu compreendo perfeitamente a questão que levantas acerca de não se criar empatia com determinada pessoa e , mais tarde, chegar-se a saber o motivo: aconteceu-me isso com Carlos Amaral Dias, por exemplo.

Quanto ao Dr. Fernando Nobre cada vez sei menos qual a sua posição política, mas concordo: que realize aquilo que sabe fazer muito bem, isto é, ajudar quem precisa.

Não é um ser perfeito, decerto. Mas quem é?

Acho bacoco - e a culpa não é dele, claro - que o votem para Presidente da República.

Tudo de bom.

Curioso do Mundo disse...

Pelo que diz o Juvenal o Dr. Nobre é mais activo políticamente do que parece...Se o senhor surgisse nalgum tempo de antena da CDU continuaria a ter a mesma disponibilidade da comunicação social ???

Abraço

LAM disse...

O problema não será tanto de surgir numa lista de putativos candidatos a PR, ao lado, diga-se, de mais uns quantos improváveis. Mas isso, creio, é explicito no post de Samuel. A questão está (explícita também no post), de ter havido um número considerável de votantes nesse nome, a ponto de o elevarem a um 2ºlugar nas preferências para o cargo de PR.
E isso aí põe um gajo a pensar. Ai põe, põe.

Anónimo disse...

Aconselhava, o Samuel a ler o livro que Fernando Nobre publicou recentemente,e depois, estou certo, que vai corrigir o seu escrito.

O titulo é:
Humanidade-Despertar para a Cidadania Global Solidária

samuel disse...

Juvenal:
Grande polivalência!

Isabel:
☺ ☺

São:
E foi apenas dessa bacoquice que eu quis falar...

Curioso do Mundo:
Aí... acabava-se a ribalta! ☺ ☺ ☺

LAM:
Sobretudo, a pensar que isto vai muito mal...

Anónimo:
Esse mal entendido, sobre se ele pensa isto ou aquilo, já foi, acho, esclarecido.
Não me parece que vá ler... a menos que nessa “Cidadania Global” venha muito bem explicada a manifesta polivalência saltitante dos apoios políticos do bom do Dr. ☺ ☺ ☺


Saludos generalizados!

rouxinol de Bernardim disse...

a posição política do Dr Fernando Nobre é a não-resignação, a não-pactuação com o status quo reinante onde impera a cunha, a mordomia, o regabofe...