sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Governo PSD/CDS – Vulgares trafulhas


Embora já vá parecendo uma ideia peregrina alimentar qualquer dúvida sobre as verdadeiras motivações do bando que ocupa o poder, motivações que se limitam a conseguir destruir aquilo que resta de Abril, do Estado Social e do património público, para encher os bolsos dos amigos e, num futuro próximo, os próprios... há sempre notícias que vão ajudando ao esclarecimento da coisa.
Não imagino, nesta tarde acinzentada, uma notícia que melhor ilustre o carácter “manhoso” deste bando de vigaristas, do que esta:
Como se vê, chega a ser “comovente” o carinho com que o Governo trata os seus “boys” e “girls” que, como se não bastasse o facto de, quase sempre, ganharem muito bem e de pulularem pelos gabinetes ministeriais como verdadeiros cardumes... continuam, ao que parece, a receber os seus subsídios de férias, subsídios roubados a tantos milhares de trabalhadores.
Claro que, embora com um palavreado algo confuso, o Governo nega... mas, por estes dias e dado o seu historial de mentiras compulsivas, as “negaças” ou desmentidos do Governo têm um valor facial extremamente degradado.

7 comentários:

Justine disse...

Por que é que esta notícia não me espanta nada???
Essa gente perdeu toda a dignidade!

Luís Coelho disse...

Até parece que engoliram uma cassete e agora dizem sempre as mesmas coisas Cada dia estamos pior...

trepadeira disse...

Voltamos ao "desmentiram é porque é verdade".
Já não há qualificativos suficientes.

Um abraço,
mário

Graciete Rietsch disse...

Eles é que não se desmentem. São sempre iguais a si próprios.

Um beijo.

Antuã disse...

O nosso deinheiro, que eles roubam metodicamente, dá para que eles tenham tudo à fartazana.

Olinda disse...


E nôs contribuintes,pagamos.E violentos,sao os outros!...

Anónimo disse...

Mel Brooks, no delicioso filme A Mais Louca História do Mundo ( parte II) parodia o excêntrico Luís XIV, o Rei Sol, passeando-o com a sua interminável corte de acessores ( 1500?) , pelos, aliás esplendorosos, jardins de Versalhes.

Acessores para limparem o ranho de sua alteza; para lhe relembrarem a sofredora amante; para lhe descascarem o faisão; darem- lhe o remédio pró achaques; transportarem a pasta com os assuntos de Estado a despacho; para lhe sussurarem ao ouvido, qual escravo romano a César, mas ao contrário: "Lembre-se, Alteza, que é imortal".

Mas o acessor do M. Brooks que não mais esqueci é o "moço das mijas".

Explico: Sua Alteza o Rei Sol, fazia-se sempre acompanhar por um acessor ( um jotinha daquela época, bem seguro) cuja relevantíssima função era trazer sempre consigo um lustroso penico, não se desse o caso de,à alteza, lhe dar uma real vontade de fazer uma mijinha, passe o reles plebeismo.

Vai-se daí que, em acontecendo tal suceder, o jotinha punha o penico ao inviés, sacava a pilinha do nosso luís e a pilinha vertia.Ecce homo: o moço das mijas.

Entonces:

Lembrei- me do humor ácido e corrosivo do Mel Brooks, do seu absoluto sarcasmo, a propósito dos " nossos" reis sóis e dos seus garbosos 1500 acessores e, mais uma vez, discordar de si Samuel.

Seja:

Então um acessor, levar a pasta com os assuntos de Estado do sô ministro; abrir-lhe a porta do carro, bom dia senhor ministro, dar ao sô ministro o gurosan para a ressaca; sussurar-lhe ao ouvido: "Lembre-se, Senhor Ministrio, que é imortal". e, quicá, o acessor fazer-se acompanhar, sempre, com um lustroso. penico ( just in case...) ,

ISTO,

não será merecedor de um mísero subsídio de férias??!

Francamente, não havia nexessdidade


Fernando Isidoro