quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Israel e transportes – Apenas uma sugestão...



Os colonos israelitas que , ilegalmente, ocupam vastos e numerosos espaços do território palestiniano, vivendo em colonatos que, contra a Humanidade, as Nações Unidas e a opinião pública de meio mundo, o Governo proto-fascista de Israel continua, desafiadora e insolentemente a instalar, têm em muitos casos que fazer a sua vida em Israel, para onde se deslocam maioritariamente em autocarros. É aí que a porca torce o rabo!
O caso é que esses autocarros também são usados pelos palestinianos que trabalham igualmente em Israel... e eles são aos milhares. Os colonos judeus não gostam disso!
Disfarçam a evidente xenofobia contra os palestinianos, com a desculpa de que são prejudicados e atrasados nas suas viagens, pelo facto de todos os transportes que saem ou entram em território palestiniano serem forçados a parar nos postos de controlo militar israelita, para se proceder à minuciosa revista de todos os palestinianos... homens, mulheres e crianças.
Os “incomodados” colonos fizeram pressão... e parece que o Governo proto-fascista de Israel vai fazer-lhes a vontade, criando linhas de autocarros exclusivamente para palestinianos!
Primeiro que tudo devo dizer que é uma “brilhante ideia”, pelo menos para dar uma última utilidade aos autocarros israelitas em fim de vida que, sem esta oportunidade, iriam para a sucata... mas que, para palestinianos, ainda estão mais do que bons!
Agora, passe a ironia do parágrafo anterior e dentro do meu habitual espírito construtivo, gostaria de dar uma ideia para ajudar os funcionários dos transportes a distinguir os passageiros:
Sugiro que os palestinianos passem a usar, cosido na lapela, um sinal que se veja bem... sei lá... por exemplo, uma estrela amarela como a que está aqui em cima. Só têm que escrever na estrela “muçulmano” em vez de “judeu”... e a coisa não falha!
Se resultou muito bem para os nazis distinguirem os avós e os pais destes colonos e governantes israelitas, a fim de os separarem e enviarem para campos de extermínio... também há-de resultar para separar os palestinianos destas “pessoas de bem” israelitas que, aparentemente, não aprenderam nada com o sofrimento atroz dos seus antepassados nos "Guetos" de Varsóvia ou Praga, ou nos campos de Auschwitz, ou Buchenwald ... a não ser os nojentos métodos daqueles que então aí os massacraram!!!

6 comentários:

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Esta é uma guerra que irá durar sem fim à vista.
Cada povo parece nascer com o ódio pelo outro que quer exterminar...

São disse...

Se te deres a esse trabalho encnytrarás uma série impressionente de pararalelismos entre o nazismo e o sionismo,

Ontem vi um docomentário muito interessante sobre a descendência de judeus ( jamais se fala dos ciganos , de polacos)e nazis pós- campos de concentração.

E impressiounou-me muito o caso de um homem, cujo pai foi militar de grande patente sob Hitler .

Quando o chamaram par cumprir o serviço militar apresentou-se como objector de consciência, apoiado pelo progenitor. Porque não queria servir num exército que cometera tamanhas atrocidades.

Após algum tempo emigrou para Israel, converteu-se ao judaísmo cumpriu dois anos no exército israelita.

Resultado : acabou por fazer o mesmo que o pai fez, mas contra os palestinianos.

Goering não deixava de ter razão: os genes são muito interessantes e acabam por ter mais força que o ambiente.

E por isso uma sua sobrinha-neta (que apareceu no dito comentário) se fez esterilizar.

Desejo-vos excelente dia.

Anónimo disse...

excelente texto

ass - aquele que descorda com muitas coisas que que você escreve

Graciete Rietsch disse...

Esqueceram as torturas nazis,mas aprenderam bem a lição ensinada por quem as praticou, apesar de não terem sido únicos. Os ciganos e outros seres humanos considerados de raça inferior, sofreram também um grande extermínio.
E é conhecido que o primeiro campo de concentração construído foi para comunistas, cujo genocídio foi equivalente ao dos judeus.
Os palestinianos são um povo massacrado com o aval dos E.U. e da U.E.
Mas os carrascos não podem ficar impunes!!!!

Um beijo.

Maria Luisa Adães disse...

Eu penso que ficaram condenados pelo medo do retorno aos campos de exterminio...

Traumas graves do Passado a refletir no medo do Presente e do Futuro ausente.

Difícil de acompanhar e de sentir sem julgar.

maria luísa

Antuã disse...


Eles são o "povo eleito" de deus.