sábado, 13 de março de 2010

Grandes títulos, pequena “História”




Antes que alguém pense que algo me move pessoalmente contra a senhora Irene Flunser Pimentel, repito que não. Se a senhora conseguiu com três ou quatro livros o estatuto de “grande historiadora do regime” ainda bem para ela. Como o conseguiu e a troco de quê, interessa-me muito pouco.

De qualquer maneira, este regresso à historiadora da moda não se prende com a pessoa, como já disse, mas com um pequeno pormenor do seu mais recente livro, desta vez de “histórias” sobre o cardeal Cerejeira, parceiro privilegiado daqueles que impuseram 48 de fascismo e repressão em Portugal.

A técnica é antiga. Todos os dias a vemos aplicada em parangonas de jornais e anúncios televisivos com “resumos” dos telejornais. Todos os donos de órgãos de comunicação social sabem muito bem que a esmagadora maioria dos portugueses apenas ouve os resumos com as principais “notícias” dos telejornais e muda imediatamente de canal, assim como a não menos esmagadora maioria dos “leitores” de jornais se fica pelos grandes títulos das capas que vê de passagem, dos jornais estendidos nos quiosques e papelarias. Independentemente do que o jornalista queira, ou seja obrigado a escrever lá dentro, no corpo na notícia, o que conta realmente, aquilo que vai ficar na retina do “leitor/transeunte” é o que estiver escarrapachado nos títulos. Assim, esta é a melhor maneira de fazer passar para o público seja que mentira for, seja que calúnia for, seja qual for o tamanho do embuste e da demagogia... o que me traz de volta ao livrinho da senhora historiadora, que leva por título “Cardeal Cerejeira – O príncipe da Igreja”.

E aí está! Independentemente de tudo o que possa estar escrito no livro, esteja certo ou errado, verdade ou mentira, seja discutível ou não, aquilo que contará para a tal esmagadora maioria é o que está estampado na capa... e essa, diz-nos que o Cardeal Cerejeira foi "O Príncipe da Igreja". Ora, isso só pode ser uma coisa muito boa, não é?

13 comentários:

Daniel disse...

Olha que não, Samuel. Pode não ser a intenção da senhora, mas "príncipe da Igreja" remete para um dos períodos negros da História do Vaticano, o Renascimento, em que os cardeais viviam como príncipes e como tal se comportavam. Aliás, o cardeal Cerejeira, embora não tão mau como o pintam, era, creio que conscientemente, a reencarnação dos cardeais-príncipes renascentistas. Por isso a sua relação com Salazar foi mais de rivalidade do que de colaboração.

Graciete Rietsch disse...

Ou não! Também há O PRÍNCIPE de MAQUIAVEL.

Um beijo

Aristides disse...

Com OMO, branco mais branco não há. A senhora já vai merecendo um prémio de algum detergente ultra-branqueador. Desde inspectores da PIDE a altos dignitários da Igreja, tudo sai limpinho da pena da D. Irene.
Abraço

Graciete Rietsch disse...

Queria só acrescentar ao meu comentário que Maquiavel pretendia incutir no governante "qualidades"
que o fizessem amado do povo. Só que hoje a palavra maquiavélico é usada com o significado de maldade, ruindade. Por isso é que eu considerei que a expressão príncipe pode não corresponder a "uma coisa muito bonita".

Um beijo.

Ana Martins disse...

Percebo-te e concordo. Mas como sou republicana a mim soa-me mal :)

Anónimo disse...

E se em vez de Cerejeiras, lembrassemos as canções, de um grande cantor françês, que partiu hoje

O seu nome

Jean Ferrat

Antuã disse...

Enfim, uma igreja com príncipes.

Cloreto de Sódio disse...

Mentir é muito feio, senhora doutora Pimentel. Muito feio mesmo.

Fernando Samuel disse...

Eu acho que, certamente por lapso da estoriadora, o título está incompleto. O que ela queria escrever era: Cerejeira, o Príncipe da Igreja Sustentáculo do Fascismo...

Um abraço.

donatien alphonse françois disse...

O Anjo de Portugal...deixa-me rir.

Maria disse...

Um filho da mãe dele. Porque a outra palavra não digo para não insultar as ditas...

Abreijos

Anónimo disse...

e a pátria , princesa prostituida, aguardava pelo seu principe ,cativo de uma igreja gorda ....
Os deuses devem estar loucos e os loucos pensam ser deuses.
no vale em flor há mantos de flores, e primaveras em parto.

samuel disse...

Per tutti:
Como, mais nuance menos nuance, mais ou menos “maquiavélica”, estou com os comentadores, resta-me esperar, ansiosamente, o próximo livro da “estoriadora”.
“Legião Portuguesa – essa incompreendida”?
“Mocidade Portuguesa – Alfobre de virtudes”?

Nunca se sabe...


Abraço colectivo.