sexta-feira, 5 de março de 2010

Títeres, robertos, marionetas, fantoches, bonifrates, bufões... e outros bonecos de engonços



Mais de trinta anos de governos apostados fundamentalmente em destruir o essencial de tudo aquilo que se conquistou em Abril de 74, deram-nos a conhecer muitas dezenas de ministros. Salvo honrosas excepções, que se podem contar pelos dedos das mãos do célebre general francês Louis Henri Loison, os tais ministros têm-se dividido em dois grandes grupos, para utilizar a feliz definição de um “autor” desconhecido: aqueles que são totalmente incapazes... e aqueles que são capazes de tudo.

Mesmo sendo gente que atingiu níveis de excelência na arte da falta de vergonha na cara, de quando em vez deparam-se com tarefas que eles próprios consideram desclassificantes, idiotas... ou pura e simplesmente sujas demais. Para essas tarefas, para além de uma ou outra coisa ainda menos importante, fazem-se rodear de hordas de Secretários e Subsecretários de Estado.

A vida desta “subespécie” é um constante teste. É durante esta passagem pelos governos que todos e todas demonstrarão a “sem-vergonhice”, elasticidade da espinha e a cara de pau, que os farão ir longe na vida, quando depois de sair dos Governos da Nação, rumarem aos conselhos de administração de empresas públicas e até de empresas privadas, com as quais fizeram chorudos negócios “políticos” enquanto governantes.

Um dos testes mais famosos e que engloba as três principais qualidades do candidato, a falta de vergonha, elasticidade da espinha e cara de pau, consiste em vir para as televisões, sejam quais forem as evidências que entrarem pelos olhos dentro a toda a gente, dizer, por exemplo, que uma greve com cerca de 80 por cento de adesão teve “realmente” apenas 13.

Se repararmos que o Governo chegou a este extraordinário número de 13 por cento porque, afirma, foi essa a percentagem de serviços que tiveram que fechar, sabendo nós a quantidade desses serviços que foram mantidos “a funcionar” com um funcionário ou dois, como aconteceu em vários locais aqui para as minhas bandas... temos uma imagem, mesmo que apenas aproximada, da desonestidade abjecta desta gente.

Ontem tivemos mais um desses “exercícios para exame”, acrescido do bónus de se considerar a greve «insignificante»... e o número de comédia (como extra) de se dizer que esta greve era «inoportuna», pelo facto de se estar no meio de uma “negociação”, chamando o Governo negociação ao acto de informar os sindicatos de que os vencimentos estão congelados... e calou!

Este secretário de estado, Gonçalo Castilho dos Santos, para além de ter uma forma patusca de falar, uma espécie de imitação de fancaria da pronúncia e entoação de José Sócrates, decididamente, é dos que vai longe! Não pestanejou, não gaguejou e, sobretudo, nunca corou!

O problema é que por vezes, talvez por erro de iluminação, conseguimos ver os fios que fazem movimentar e “falar” estes pobres títeres, firmemente comandados por alguém “lá em cima”... o que estraga sempre a magia própria destes espectáculos de fantoches.

13 comentários:

Maria disse...

Quem hoje andou por Lisboa percebeu (quanto mais não fosse) a enorme diferença no trânsito. Isto quer dizer alguma coisa. Só não percebe quem insiste em ser cego!

Abreijos.

Daniel disse...

E não se pode cortar os fios aos títeres?
(A gente deveria era votar os membros do governo também. E nome a nome, em vez de partido a partido.)

O Belogue da Martinha Lacerda disse...

Cá a velhota resolveu o problema. Vendeu o blog a um excêntrico que só passa música regional. Assunto resolvido.

Graciete Rietsch disse...

Os títeres comandados lá continuam, muito bem remunerados, desinformando, desinformando.
O medo também é mau conselheiro e eu conheço alguém que foi trabalhar com medo de perder o emprego.
Quando poderemos nós exercer, livremente, a nossa liberdade consagrada na Constituição?

Um beijo

Camolas disse...

- Eu vi e ouvi o triste falar na tv, lembrou-me o célebre esteriótipo homem "Regisconta".

Estava tudo lá, a tristeza e a desumanidade, a arrogância e a mentira. Lambe botas vestidos de Armani.A minha sogra chama-lhes "Pintos Finos".

Curioso do Mundo disse...

Gonçalo o "trucidador" faz-me lembrar um qualquer produto,feito em laboratório...sei lá...numa pocilga industrial...ou coisa parecida...

Saúde

O Puma disse...

O país assiste

a um mal amanhado

baile mandado

Abraço

Justine disse...

Ora aqui está um retrato fiel da filosofia governamental deste país em falência ética!
Metem nojo, esses fantoches!

Antuã disse...

São assim os suínos.

UdL disse...

Mais um grande texto :)

Anónimo disse...

Também ouvi, verdadeiramente enojado, o triste sujeito.
Esta gente chega a fazer dó!
Ao que se sujeitam...
Terão noção da sua baixesa?

Rui Silva

Fernando Samuel disse...

Se não pestanejou, nem gaguejou, nem corou... é o homem certo para o lugar certo...

Um abraço.

samuel disse...

Per tutti:
O que conta é que há muita gente que sabe e que viu... para além dos milhares que participaram.
É isso que os faz espernear...


Saludos gerais.