terça-feira, 9 de março de 2010

Óscares 2010



Dos vários filmes que encheram a noite dos Óscares não sei quais acabarei por ver. “Avatar”, decididamente, só quando der na televisão... e aposto que não terei pachorra para ver nem metade. Os outros (e parece haver alguns interessantes, sim)... a coisa terá mesmo que ser em DVD, pois por razões de feitio há muito não vejo cinema ao som de “bocas” da plateia e cheiro a pipocas. De qualquer maneira, não é para fazer de crítico de cinema que abordo este assunto, mas para falar da cerimónia transmitida pela TVI.

Eu já estava avisado de que aquilo ia ser mais curto do que em anos anteriores, mas quando mais ou menos dois minutos depois de começado o espectáculo propriamente dito, os dois especialistas da TVI descreveram a entrada em palco dos anfitriões oficiais Steve Martin e Alec Baldwin, como uma «cena apoteótica»... temi o pior. Que diabo!, assim também é curto demais! – pensei.

Afinal a “apoteose” dos nossos especialistas não era o final da cerimónia, mas apenas uma escolha de palavras, vá lá... engraçada. O que me fez debandar, ainda a festa não tinha chegado a meio, foi a outra especialista da TVI, que por qualquer razão misteriosa se tinha deslocado a Los Angeles, para ir preenchendo o tempo com uns “apontamentos” que se resumiam a repetir o que os colegas de cá já tinham dito e a contar-nos, tim-tim por tim-tim, Hergé por Hergé... o que nós próprios tínhamos acabado de ver.

Decididamente, o controlo remoto da televisão foi uma grande invenção!

13 comentários:

Justine disse...

Bem me parecia que não valia a pena a vigília....por mais cinéfica que eu me considere!

São disse...

Eu nem me dei ao trabalho de assitir.

Quanto ao Óscar para Christoph Waltz , considero-o merecidissimo.

E me vou, antes que vos pegue a tosse, rrss

duarte disse...

a última coisa engraçada que eu vi na televisão foi:
yoko ono a falar, e uma caixinha a dizer;yoko ono, ciclista.
eheheheh.
abraço do vale

Maria disse...

Às 3 e tal da manhã "apaguei"... que bom poder programar a tv para o tempo que quisermos...

Abreijos

Swt disse...

E o sono, Senhor! O sono que aquilo dá! Adormeci a ver no dia propriamente dito e adormeci ontem no compacto. Pronto.
Obs: Ah! Mas ainda vi o Colin Firth e fiquei cheia de pena por não ele ter ganho... misère!

Alien8 disse...

Não vi, e parece que fiz bem.

Sopro leve disse...

Samuel,
Quanto ao "Avatar" fazes mal... é um bom filme, com conteudo muito actual.

Anónimo disse...

Amigo Samuel
Já vi o "Avatar" e gostei!
Suponho que não merece a avaliação que fez.
Um abraço

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

E você viu que não citaram a Farrah Fawcet no in memorian?

Daniel disse...

Só por essa do "tim-tim por tim-tim Hergé por Hergé" valeu a pena (para mim) teres sofrido à espera de nada.

Graciete Rietsch disse...

Não vi o programa mas também suponho que não vi os filmes premiados ou, se vi, não me marcaram muito.
Gostei foi do post sempre com aquele magnífico sentido de humor.

Um beijo.

Fernando Samuel disse...

O controlo remoto é notável mas tem um defeito: permite ligar a coisa...

Um abraço.

samuel disse...

Pour “Les uns et les autres”:
Mesmo bem acompanhado no meu “desgosto” televisivo, devo esclarecer que fico muito contente por o “Avatar” ser um filme, ao que dizem, muito bom. Ainda bem para as pessoas que gostam daquele género de filmes!
Não me lembro de ter feito nenhuma “avaliação”... só que não me parece que seja ainda desta vez que vou começar a gostar... por muito bem feitos que sejam.
Fico à espera dos DVDs dos outros...


Abraço em “plano geral”.