terça-feira, 3 de março de 2009

O triunfo da vontade






Passei esta segunda-feira embrenhado na alquimia de juntar sons para vestir as cantigas do próximo espectáculo duma miudagem daqui, que mais tarde as pessoas farão o favor de achar que são arranjos musicais. Não estive, portanto, praticamente nada disponível para as notícias ou mexericos do dia.

As tristes novidades de Bissau reforçaram a minha convicção de que há algo de muito errado com alguns (infelizmente, muitos) guineenses, os quais, decididamente, não conseguem viver juntos e ostensivamente se odeiam e matam uns aos outros, friamente, de forma pendular.

Tirando isso, o que me foi atravessando a memória dos últimos dias, repetidamente, foi sempre e ainda aquela coisa maluca do Congresso do PS.

Mesmo admitindo a minha falta de preparação teórica e recorte de analista, aquela reunião magnífica, toda feita em volta do magnífico líder, de onde foi varrido qualquer sobressalto de uma ideia e a única imagem que se mostra, imponente, é exactamente a do querido líder, que embora fustigado de todos os lados por injúrias, calúnias, campanhas negras, maquinações, jornais e televisões hostis, incompreensões... cada uma mais injusta que a outra, em vez de sucumbir, ainda mais se agiganta e eleva o tom da oratória, proclamando a sua determinação, ânimo e vontade inabalável... foi realmente um grande espectáculo!

Não! Não quero, nem vou comparar figuras ou partidos... mas só me vem à cabeça “O triunfo da vontade”, da competentíssima Leni Riefenstahl... mas em muito mais moderno, claro! O filme da Riefenstahl era todo a preto e branco e este de Sócrates, em glorioso technicolor, onde predomina o “Azul-Obama”.

10 comentários:

Maria disse...

Abençoada segunda feira a tua! As crianças agradecem e nós, quando ouvirmos (ou vermos) aplaudimos.
Não falo de Bissau. Mas no fim de semana houve momentos hilariantes, desde birrinhas de um que não apareceu, ao apagão que mandou todos prá cama depois do anúncio do cabeça à Europa...
(o gajo continua de vozinha aflautada...)

Abreijos
(em azul-obama)

salvoconduto disse...

O homem de Bissau morreu com os mesmos ferros que matou e por isso teve o justo catigo, não se perdeu nada. O homem de Bissau que outrora fora guerreiro há vinte anos que traía.

Abraço

BlueVelvet disse...

Acerca de Bissau nem me vou pronunciar, mas que raio é isso do azul-Obama?
Abreijinhos

Fernando Samuel disse...

E olha que não está mal (não) comparado, não senhor...

Um abraço.

Swt disse...

Na. Continuo a achar que por aqui se fazem muito boas análises "clínicas"!

Camolas disse...

O grande show vai jogando a ilusão para cima do rebanho. Quando o "gato mijar para cima dos fósforos" , quero ver como é que se vão safar, sem branqueamentos mediáticos.

Pata Negra disse...

Olhando para ele já nem sinto necessidade de ir a Fátima!
Sócrates! Grande Sócrates! Quem te apagou a luz!?
Um abraço tecnicamente estudado

Sal disse...

Não vi televisão neste fim de semana...
que felicidade. E ainda por cima ouvi falar num festival da canção que metia noj.. quer dizer, metia dó!!!!

Ainda bem que não vi.
e olha que isso do azul-obama ainda pega...

sal

duarte disse...

a cor escolhida foi uma campanha de publicidade ao magalhães...
aquilo foi um encontro de vendedores.
abraço do vale

samuel disse...

Obrigado pelas visitas...
Abraços colectivos!