quinta-feira, 12 de março de 2009

Vozes ao alto, vozes ao alto...



O Coro da Academia dos Amadores de Música, durante décadas conhecido simplesmente como o Coro do Lopes Graça, foi sempre um enorme gerador de emoções e de coragem. As suas “Canções Heróicas”, apontadas tanto ao nosso pensamento como ao coração, fizeram mais pela ideia de Abril, antes ou depois de este ter acontecido, do que muitos discursos. Um “Acordai”, uma “Ronda”, “Livre”, “Não fiques para trás ó companheiro”, foram e são um combustível que faz avançar, não desistir e têm um lugar especial em cada uma das nossas memórias.

Se ela estivesse na fotografia de cima, seria ainda uma menina. Na segunda imagem, muito mais recente, em que o coro é dirigido pelo “discípulo” do Lopes Graça, José Robert, era já uma “veterana” do grupo (a quinta a contar da esquerda).

Voz doce, solista de muitos dos poucos solos que havia para cantar, longos cabelos lisos cujo negro brilhante foi registando o passar dos anos, em volta de um rosto redondo onde o sorriso era o centro de tudo.

Foi sempre o mais caloroso abraço de boas vindas de todas as vezes que as minhas canções se cruzaram com o “seu” coro... e foram muitas.

Era a Celeste Amorim. Deixou-nos há poucas horas. Para a família, amigos e companheiros do Coro do Lopes Graça, um forte abraço!


13 comentários:

zemanel disse...

...que importa, chegarão ao nosso lado, porque nenhum de nós anda sozinho!
Um abraço Samuel.

( gostei de rever o josé robert que tão boas memórias deixou aqui em torres novas à frente do choral phydellius...)

Zémanel

Camolas disse...

"..unidos como os dedos da mão..."
Os meus silêncios para a Celeste Amorim

Justine disse...

Saudades da Celeste, já...
Abraço para ti, pela homenagem que faço minha também.

anamar disse...

Um pensamento elevado para Celeste!
O prazer de ouvir as HEROICAS, O mitigar de uma saudade!!

zymboo disse...

Olá, boa tarde!
Meu nome é Patrícia e represento a empresa Zymboo.com.
Gostamos muito do seu blog e gostaríamos de convidá-lo a publicar seus textos em nosso Espaço Literário.
Com isso, você poderá aumentar as visualizações de seu blog e ter seus textos publicados em um grande portal da Internet (www.zymboo.com).
Basta que nos envie seus textos e os publicaremos na Zymboo juntamente com seu nome e a URL do seu blog.
Escreva-nos: espacoliterario@zymboo-inc.com 
 

Maria disse...

Amanhã "caminhará ao nosso lado"...
Bonita a tua homenagem à Celeste. Um abraço especial, hoje.

Anónimo disse...

Ainda não consigo acreditar que a Celeste nos deixou.

Campaniça

Lena disse...

Assim é a vida Samuel...
Belo homenagem a Celeste que aqui tems.

Bjos

Fernando Samuel disse...

Belíssima homenagem à Celeste.

Acabei de chegar de lá: da Incrível Almadense, onde encontrei muitos e muitos amigos - o funeral é amanhã, às 14H30, para o cemitério do Feijó.

samuel disse...

Abraço a todas e todos os que por aqui passaram!

duarte disse...

Ficam as saudades de muitos e as vozes para sempre gravadas.
eternas.
as minhas homenagens e abraços.
do vale

ZERO À ESQUERDA disse...

O Coro da Academia dos Amadores de Música foi sempre um marco (e ainda é), um exemplo, uma luz, para quem anda na música, sobretudo para quem faz desta arte uma actividade amadora. Não tive o prazer de conhecer pessoalmente o maestro Fernando Lopes-Graça, mas ainda cantei sob a direcção do José Robert, no Coro da Univ. de Lisboa. Não conhecia a Celeste, mas associo-me às despedidas do Samuel, porque todos os Coros se despedem, mais tarde ou mais cedo, dos seus cantores. Há perto de 10 anos, partiu outro membro e grande activista cultural desse Coro, o meu amigo Viriato Camilo, que publicou um livro que aconselho: "Coro da Academia dos Amadores de Mùsica" - uma fotobiografia que acompanha a vida do Coro em paralelo com as manifestações político-sociais que o grupo sempre liderou através das extraordinárias composições do Mestre.
Por cá, também já nos despedimos de dois coralistas. E não foi fácil aceitar. Vozes ao alto, pois. Sempre.

samuel disse...

Duarte:
A memória não morre.

Zero à Esquerda:
Quando estes grupos de pessoas se transformam numa nova família, até para os que apenas ouvem... não é fácil!


Abraço!