sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Uma pequena estória da História




Hoje dia 13 de Novembro, será a vez de aqui em Montemor ser também lançado o livro do António Gervásio “A Reforma Agrária é Necessária”. Será às 18:00h, no Arquivo Municipal e como tem sido costume, a obra será apresentada pelo autor e por José Casanova, em representação da Editorial Avante.

Como a História tem por vezes o gosto da ironia, este novo equipamento municipal, restaurado para ser, como o nome indica, um arquivo de toda a documentação relevante produzida no Concelho, tem também um espaço que, por compromisso assumido há anos pela autarquia com uma das Cooperativas Agrícolas montemorenses, será reservado à recolha, classificação e estudo de documentação da Reforma Agrária. Os trabalhadores agrícolas dessa Cooperativa, se não estou em erro a “Verde Esperança”, quando sucumbiram, como todos os outros, à ofensiva da contra-revolução feita a partir de sucessivos governos, desde Soares, chegados ao momento de decidir o que fazer com o dinheiro que tinham, já que como muitas outras Cooperativas liquidadas pelo Estado, esta também dava lucro, em lugar de dividirem o dinheiro entre si, decidiram oferecê-lo (e era uma verba importante) à Câmara Municipal de Montemor-o-Novo, assumindo esta o compromisso de construir um Centro de Documentação e Arquivo da Reforma Agrária, para que a memória não se perca.

E qual é afinal a ironia? É que o edifício restaurado (e muito bem) para este fim e inaugurado no princípio deste ano... era a antiga Cadeia Civil.

Agora, fala-se ali de liberdade, de cultura e de História. Da nossa!

11 comentários:

Maria disse...

Daí de Montemor lembro-me da Pedro Soares, onde fui tantas vezes trabalhar ao fim de semana...
Mas lá nos encontraremos, amanhã, nesse espaço de Liberdade que guarda parte da nossa História.

Abreijos
(e não te esqueças de marcar o jantar, lá...)

:))

GR disse...

Uma Grande estória da História.
Tiveram um gesto de uma grandeza que poucos se podem orgulhar.
Como prémio terão o lançamento de um grande livro “A Reforma Agrária é Necessária”, na Festa tive o privilégio de o poder comprar e assistir a um magnífico debate. Emocionou toda a assistência.
Ao desfolhamos o livro, as muitas fotografias e textos, ganham movimento.
É um livro de memórias vivas, mostrando-nos a luta do passado e a necessidade da Reforma Agrária no futuro.

Samuel,
Vais ter um magnífico lançamento e até uma casa Digna para o apresentares.
És um sortudo!

Bjs,

GR

amigona avó e a neta princesa disse...

Que bom poder pensar em vocês a serem felizes!
Abreijos

amigona avó e a neta princesa disse...

Que bom poder pensar em vocês a serem felizes!
Abreijos

Fernando Samuel disse...

Desculpem a insistência: «A Reforma Agrária é Necessária».

Um abraço.

Anónimo disse...

Uma reforma agraria é necessária, mas não aquela que o PCP tentou impôr no Alentejo, decalcada de maus exemplos de outras paragens.

Aliás ainda não li o livro do Antonio Gervasio, mas temo que seja uma visão muito parcelar, e se calhar sectária desse periodo.

A reforma agraria iniciou-se ESPONTANEAMENTE e como reacção dos trabalhadores agricolas, á falta de trabalho, á fuga de gado para Espanha, e no inicio o único apoio que queriam era do MFA, e do Copcon.

Só a partir do 11 de Março o PCP lança uma grande ofensiva no sector, tentando controlar , muita dessa força espontãnea, e é aí que surgem as chamadas UCP, uma má imitação, como se veio a provar, dos chamados Kolkozes da Revolução Soviética.

Depois do 25 de Novembro tudo se desmoronou, a resistência foi sendo abatida, a direita jogou forte na divisão, atribuindo terras a pequenos produtores, e o individualismo camponês fez resto.

Agora que se discute tanto o abandono da agricultura em Portugal, que Portugal importa muito do que consome, que existem terras ao abandono, e que óptimas terras de cultivo se transformam em selvas de betão, discutir uma nova Reforma Agraria a luz das novas realidades, do seculo XXI em que nos encontramos, é uma necessidade premente.

Vejam o filme a Herdade da Torrebela, é uma lição de história, do que foi esse periodo, e das suas enormes contradições.

José Augusto Nozes Pires disse...

Segundo testemunhos e outros documentos tudo me leva a crer que a reforma Agrária não nasceu espontaneamente, ao contrário do que afirma o cidadão que me antecede. Espontâneas serão muitas vezes as ocupações de terras, mas uma Reforma Agrária requer muito mais. O PCP esteve lá desde o início. E como não poderia estar, se esteve durante dezenas de anos de fascismo a lutar, organizar, preparar? Quanto às Cooperativas elas não copiaram as herdades colectivas da URSS,precisamente porque eram cooperativas. Mas sendo verdade que se inspiraram nas experiências revolucionárias de outros povos, quem pode evitar tal facto? e porquê evitar? Numa palavra: preconceito...Ao senhor sugiro, com complacência, que estude um pouco mais não só a documentação sobre a experiência portuguesa, como, e é urgente!, os bons estudos já publicados sobre os sucessos e as dificuldades que a URSS atravessou (e não venceu). Obrigado, Samuel.

Anónimo disse...

O que eram as chamadas UCP?

O PCP , no inicio das ocupações de terras , até se opôs a elas, aliás como á ocupação de casas, pois o PCP fazia parte dos governos com o PSD e o PS, e o que menos queria era que fosse acusado de apoiar actos de vandalismo e esbulho, como então papageavam os ditos senhores do PS e do PSD.

Quanto ao sucesso dos Kolkozes, isso são outras histórias, mas a realidade, INFELIZMENTE, não foi aquela , que nos mostrou o grande Sergei Eisenstein no filme Linha Geral

gabriela disse...

Não leram o livro mas ja sabem o que está la escrito... fantástico!
Tanta desinformação, tanta cabeça formatada, tanto sectarismo.
Bolas, ja chega de ignorância.
Porque é que não sabem nem querem saber?
Que falta de cultura e de espiríto democrático!!!

Maria disse...

Foi uma lição de História o que ontem se viu e ouviu no Arquivo Municipal de Montemor. Que emocionou tantos dos que lá estavam e fizeram, a pulso, a Reforma Agrária. Que a foram fazendo ao longo dos anos.
O livro é um documento histórico, para nós e para os que hão-de vir.
Foi muito bom ver aquela sala apinhada de gente, tantos de pé... foi bom ouvir a força das palavras do António Gervásio.

Foi bom TUDO!
E a Reforma Agrária é necessária, SIM!

Abreijos

samuel disse...

Maria:
Por aqui havia tantas... foi um grande tempo!

GR:
Acertaste! Foi mesmo uma bela sessão de lançamento... e de convívio.

Amigona:
☺ ☺ ☺

Fernando Samuel:
Só não vê quem não quer ver!

Anónimo:
Extraordinária “interpretação” da História!!!

José Augusto Nozes Pires:
A luta pela terra, pelo trabalho, pelo pão, vem de muito longe!
A Reforma Agrária não foi “expontânea”...
As mortes dos que lutaram por ela, antes e depois de Abril, não foram acidentes!

Anónimo:
Mais uma bela “versão”! ☺

Gabriela:
E lá é preciso ler?!
Não podem deixar que a verdade lhes estrague uma boa estória...

Maria:
Resumindo... foi muito bom!


Saludos gerais!