quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Batota



Todos nos lembramos das inúmeras e extraordinárias promessas que estiveram na base da vitória eleitoral do PS de Sócrates nas últimas eleições. Não vale a pena enumerar os milhares de empregos, os impostos que não subiriam... todos nos lembramos.

Depois revelou-se o real carácter do homem e também todos nos lembramos de como essas promessas foram sendo, uma a uma, desrespeitadas e esquecidas, dando lugar aos aumentos brutais do desemprego e dos impostos, acompanhados de desbragados ataques a classes profissionais inteiras, como os professores, juízes, enfermeiros, etc, de como continuou a destruição da nossa agricultura e pescas, do código de trabalho (pior do que o do CDS), da ausência de política cultural, da protecção (sem falhas) aos grandes grupos económicos, em cujas administrações já vão garantindo os seus futuros lugares... todos nos lembramos e ainda estamos a ver.

Procurei uma imagem que, como sempre tento que aconteça, ilustrasse de alguma maneira o que quero dizer e fosse uma boa legenda para a mentira gigantesca que é, desde os bancos da escola, a vida pública de José Sócrates. Encontrei este cartaz do próprio PS, ao qual apenas tive que “melhorar” o slogan, sem estragar a estética geral e esperando que não se note muito.

Enquanto tratava de que o Photoshop introduzisse alguma verdade no cartaz, lembrei-me de uma gaffe deliciosa, cometida por George Stephanopolous, assessor do então presidente dos EUA, Bill Clinton, frase que na singela inocência que caracteriza quase todas as gaffes monumentais é um retrato perfeito da acção governativa do “nosso” Senhor Presidente do Conselho:

“O presidente cumpriu todas as promessas que tencionava cumprir!”

10 comentários:

Carlos Machado Acabado disse...

Eu, deste e a este, só falo com votos!
E pena tenho eu de não ter um saco cheio deles que eu lhe dizia!
Era... "limpinho"!
Voltava a correr lá para onde veio e de onde NUNCA devia ter saído!
Nas urnas, pá!
Nas urnas é ... "um descanso"!
Se depender de mim, já sabes o que te espera...

anamar disse...

Belo trabalho, Samuel.
"desancar", vamos nós nele dia 27...

Abracinho

Anónimo disse...

Desancar neste e na Ferreira Leite não se esqueção, é preciso fechar a porta aos dois....

salvoconduto disse...

Já viste o alcance da palavra tencionar? Até dá para zero...

Abraço.

alex campos disse...

É uma verdade que o nosso presidente do conselho também cumpriu todas as promessas que tencionou cumprir. Infelizmente para nós.

um abraço

TROTSKY disse...

Estaline,mandou matar Trotsky, não se esquecam ,seus revisionistas.Jeronimo concorda com MFL,no que diz respeito á asfixia democratica no continente mas em relação á Madeira, diz o vosso qyerido lider ,que ,paesso a citar.fui muito bem recebido pela população. Não achando que haja asfixia democratica na Madeira.Ai,Ai,palavras para quê, estalilismo no seu melhor.

Justine disse...

Ai Samuel, estou tão fartinha de ver essa cara. Não te dá jeito pores aí outra foto, sei lá, o Rato Mickey, a Madre Teresa, ou se quiseres até te empresto uma do meu Mounty...mas tira-me daí essa carantonha, please!

smvasconcelos disse...

Neste caso, e sem qualquer "inocência" ou sequer por gaffe, reescreveria a última frase. Na verdade ele fez todas promessas!, as quais nunca tencionou cumprir...
beijos,
Sílvia

Fernando Samuel disse...

Parabéns encontraste o slogan exacto...

Um abraço.

samuel disse...

Carlos Machado Acabado:
É um dos lugares mais certos para actuar!

Anamar:
Lá estaremos!

Anónimo:
Nunca se perde de vista um enquanto se desanca no outro...

Salvoconduto:
E fica sempre bastante próximo disso.

Alex Campos:
E eu lá ia mentir?! ☺

Trotsky:
Ó Trotsky, porra! Mas você foi assassinado ou não? Está morto ou não?
Na realidade, o seu argumento leva a crer que sim... mas estranho que vos deixem sair... assim à balda...

Justine:
Estás carregada de razão! Vou passar a tomar mais atenção... até porque me lembraste desta pequena e edificante estória: ☺ ☺ ☺

Um dia um turista entrou numa pequena loja, na Suíça e disse:
- Gostaria de comprar aquele relógio que está ali na montra...
- Desculpe, cavalheiro, mas isto é uma loja onde se capam gatos.
- É uma loja de capar gatos e enchem a montra de relógios?
- Francamente, cavalheiro! O que é que queria que puséssemos na montra?!!!

Sílvia:
Infelizmente, essa é a verdade!

Fernando Samuel:
Tentei ser rigoroso... ☺


Abreijos (quase) colectivos!