segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Valeu todo o esforço! Até amanhã...



Tendo andado mais de cem quilómetros de bicicleta contra o vento e aguentando algumas cargas de água, as batatas que comera ao meio-dia estavam moídas e esmoídas e o organismo cansado pedia novo auxílio. «Tenho que comer alguma coisa» - pensou. E lembrou-se que dali por légua e meia encontraria ainda certamente aberta aquela pequena venda do homem curioso. Ao cimo da ladeira, embalou e deixou correr. A aragem fresca e húmida fustigava-lhe rosto e pescoço e entrava-lhe pelos punhos, braços acima, revigorando o corpo fatigado. Mais um pouco, comeria um quarto de pão com o mais que houvesse e o resto seguiria melhor.

A venda estava fechada. Na rua escura e silenciosa da aldeia não se enxergava vivalma. Vaz viu então na sua frente todo o longo percurso até casa. Viu as subidas que lhe faltavam e os quilómetros que seria obrigado a andar a pé, e os pedaços de trilho esburacados e pedregosos obrigando a constantes travagens e desvios. Viu as aldeias, os casais, as matas, as pontes. E, sentindo a lassidão do corpo e a crescente vontade de se deitar e de se cobrir, lembrou-se do rosto indignado dum camarada médico discordando do ritmo de trabalho nos últimos dois anos: «Andais a matar-vos!»

(Manuel Tiago/Álvaro Cunhal - In "Até amanhã camaradas")

18 comentários:

Maria disse...

Com este texto acabaste comigo hoje...
Até amanhã, Camarada!

Abreijos

Anónimo disse...

Obrigada pela sensibilidade de teres escolhido este trecho do "Até amanhã camaradas". Para mim,é dos mais tocantes e significativos da luta constante e muito dura daquele tempo.
Estamos noutro século, as dificuldades são doutro tipo, mas a coragem não mudou porque as raízes são as mesmas.

Campaniça

amigona avó e a neta princesa disse...

A esta hora da manhã levar com estas 2 mensagens tuas não é fácil! Sendo eu de Setúbal e estando muito feliz porque elegemos mais 1 candidato só posso abraçar-te e agradecer-te por fazeres os meus dias mais felizes! Obrigada Samuel, um abraço muito apertado à vóvó (por onde andas, amiga?)...agora? Agora são mais de 2 semanas de "língua" de fora - vamos ao trabalho!
Abreijos

alex campos disse...

Valeu , sim senhor.
A luta continua.

um abraço

smvasconcelos disse...

Tão lindo,o texto! E trouxe saudades, muitas saudades... e a memória de que a nossa luta é imparável!,
beijos

joaquim d'Odemira disse...

O Futuro

Isto vai meus amigos isto vai
um passo atrás são sempre dois em frente
e um povo verdadeiro não se trai
não quer gente mais gente que outra gente

Isto vai meus amigos isto vai
o que é preciso é ter sempre presente
que o presente é um tempo que se vai
e o futuro é o tempo resistente

Depois da tempestade há a bonança
que é verde como a cor que tem a esperança
quando a água de Abril sobre nós cai.

O que é preciso é termos confiança
se fizermos de maio a nossa lança
isto vai meus amigos isto vai.

José Carlos Ary dos Santos
--------------

O Ary de Sempre.E também do dia de hoje.
A luta continua.Temos 15 dias pela frente para construir um bom resultado autárquico. Realço nesta hora em que temos pela frente mais uma batalha eleitoral autarquica as palavras do Ary:
"O que é preciso é termos confiança
se fizermos de maio a nossa lança
isto vai meus amigos isto vai.".

Cumprimentos a todos
e não se esqueçam que Isto vai meus amigos isto vai.

joaquim d'Odemira

utopia das palavras disse...

Sem dúvida que é esta força e abnegação que nos fará sempre...vivos!
Foi bom passar por aqui "hoje"!

Um beijo

Graciete Rietsch Monteiro Fernandes disse...

Isto vai lentamente mas sem desânimo. Continuemos a luta alicerçada na imensa luta de mais de 80 anos dos nossos camaradas e companheiros. Não os trairemos. Abreijos.

Lúcia disse...

Samuel
Fiquei insatisfeita com o resultados das eleições.
Valeu ler 'isto'.
Na mouche.
beijos

Fernando Samuel disse...

Mais a propósito não poderia ser.

Abraço.

Justine disse...

Comovente! A invenção da coragem, sabe-se lá onde! Mas sabe-se porquê!
Um abraço apertado

Antuã disse...

Apesar da atitude execrável da denominada comunicação social fiquei insatisfeito com o resultado. Porém, a luta continua.

salvoconduto disse...

Tanta subida, tanto quilómetro que ainda falta e só temos bicicletas para os ultrapassar...

Mas atenção, nem que nos matem!

Abraço.

gabriela disse...

Belo texto. Muito bem escolhido!
:)))

Nelson Ricardo disse...

Gostei muito do texto...e acredita, o esforço não foi em vão, se conseguirmos passar a nossa mensagem, a nossa crença, a justeza da nossa razão a mais uma pessoa que seja, já é uma vitória.

Alumia-nos um fogo que nos faz dar tudo o que podemos de modo desinteressado. E essa é a razão porque somos diferentes dos outros e porque venceremos! Seja amanhã, daqui a 2 anos, 20 anos ou daqui a 2 séculos.

Obrigado por me adicionares o blogue.

samuel disse...

Para todos:
Não vou ficar para aqui a "gabar-me" e a agradecer... por um texto de Álvaro Cunhal!

Ainda bem que foi oportuno.

Abraços!

manuela galhofo disse...

Todos os livros de Manuel Tiago/Álvaro são uma maravilha,são o melhor relato de amos,solidariedade,luta pelo futuro dos homens.Mas eu gosto particularmente deste livro e este trecho é como uma homenagem que prestas ao colectivo da CDU.Oportuna e emocionante homenagem.Permite que me associe.
Obrigada,Samuel.
ATÉ AMANHÃ,CAMARADAS
Abração

eduricardo disse...

Uma minha amiga e colega (professora)viajou do Porto a Chaves para votar.
Foi a primeira vez que votou CDU.
No regresso, fez um desvio por Viana para dar boleia a outra colega que vota lá.
Podemos nós, herdeiros e continuadores dos heróis clandestinos das bicicletas, duvidar do valor do esforço?
Claro que não.
Valeu todo o esforço!