quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Honduras - Resistir!





O Presidente legítimo das Honduras, Manuel Zelaya, com a ajuda de, como disse, países vizinhos, que não quis especificar, regressou à capital do seu país, que se encontra sob o violento controlo dos golpistas, dirigidos pelo presidente de faz de conta, o fascista Micheletti.

Fez bem! Foi uma bela bofetada na arrogância dos golpistas e uma boa forma de saber quem são realmente os países que estão com ele, com o seu povo e com a legalidade democrática, como dizem estar... mesmo os que vinham há tempo planeando e apoiando o golpe, que agora combina muito mal com as cores da “mudança” apregoada.

Podia ter procurado refúgio na embaixada amiga da Venezuela... optou pela do Brasil. Mais uma vez, fez bem! Tal como faria a Venezuela, também o Brasil não está para tolerar brincadeiras por parte dos golpistas e se vir a sua embaixada atacada, pode muito bem responder à altura e numa linguagem que até eles entendam...

Entretanto os golpistas fazem o que sabem: reprimir e matar. As instituições solidárias fazem o que podem para ajudar. O povo das Honduras resiste.

Toda a atenção e solidariedade é precisa!

12 comentários:

salvo disse...

E o "vizinho" do Norte completamente calado...Moita carrascao.

Abraço.

Maria disse...

E parece que combinámos, embora eu tenha 'roubado' o que lá coloquei...
Os desenvolvimentos das últimas horas são deveras preocupantes. Vamos ver o que dizem os que estão reunidos um pouco mais acima.
Entretanto, toda a solidariedade é precisa, como dizes.

Abreijos

Antuã disse...

A resistência do povo Hondurenho tem sido de grande capacidade e de qualidade. Só esta resistência deu azo ao regresso do Presidente Legítimo. Vale a pena lutar.

Miguel disse...

O povo hondurenho luta contra o golpe desde o dia do golpe: e essa é uma questão essencial.
Outra questão essencial é a da solidariedade internacional: necessária e indispensável.
E é bem possível que os próximos dias exijam ainda mais solidariedade.

Um abraço.

manuela galhofo disse...

O Pedro Namora escrevia ontem que estavam já presos num estádio 300 hondurenhos.Como no Chile...
A besta fascista odeia quem honestamente trabalha por um futuro melhor e lhe faz frente...
E os EUA estarão isentos de culpas?Apesar de todos os comentários da sra.clinton, será que não estão a fazer como sempre? Pela frente são só cortesia e amizade, pelas costas vai de golpear.
Mas acredito que também nas Honduras o Povo vencerá

Anónimo disse...

Desta vez, o Brasil está a pressionar o governo ilegal das Honduras.
Vamos esperar para ver, dado que E.U.A. e Costa Rica fazem de conta que nada acontece.
No entanto, Zelaya já está nas Honduras e a situação não está nada fácil para Micheletti que até já fala num acordo com o presidente deposto.

amigona avó e a neta princesa disse...

A luta continua!
Abreijos

manuela galhofo disse...

As imagens da repressão fascista nas Honduras são de ontem,mas lembram muito a repressão de outros povos da América Latina,ainda não há muitos anos...
E já se ouve a notícia de que os jornalistas foram obrigados a saír dos arredores da Emb.do Brasil,o que não augura coisa boa...
Até quando reinará a impunidade fascista,aqui como noutros lugares?
E quase sempre com a mãozinha do governo americano...

Fernando Samuel disse...

Há lá coisa mais bonita do que resistir!...

Um abraço.

Guilherme Scalzilli disse...

Faces do golpismo

Há duas atitudes aparentemente distintas perante o golpe de Estado hondurenho.
Uma destila o tradicional veneno antidemocrático, de retórica agressiva e valores distorcidos. Encontramo-la no udenismo renovado que aflorou no vácuo moral das classes médias urbanas. Para a vertente, Zelaya caiu porque mereceu, porque o “chavismo” deve ser combatido a porrete.
A outra face, enganadoramente inofensiva, escuda-se na apatia manhosa do pior provincianismo. Prefere a omissão do colonizado jeca, escancarando a banguela, tirando o chapéu para o painho estadunidense. Tem vergonha de ser brasileiro e defende que o país ocupe seu lugar na latrina do mundo subalterno. Convenientemente ignóbil, não “consegue” perceber que as próximas eleições hondurenhas vão justamente sacramentar o golpe, tornando-o irreversível e impune.
Ambas as posturas são complementares e indissociáveis. Mescladas nas diversas gradações combinatórias possíveis, constituem o estofo ideológico de todo movimento golpista: sempre há uma vanguarda atuante, apoiada na massa de manobra servil, que lhe garante a ilusão da legitimidade.
É importante entender esse mecanismo em funcionamento durante episódios externos e distantes, para reconhecê-lo quando operar em nosso próprio ambiente.

samuel disse...

Salvo:
E há-de dizer o quê... na situação em que está? Veremos...

Maria:
Isto anda tudo ligado... até nós! ☺ ☺
Não se pode deixar cair!

Antuã:
Vale sempre!

Miguel:
Com a comunidade internacional atenta, será difícil repetir actos do passado, que todos, desgraçadamente, conhecemos.

Manuela Galhofo:
Acredito que vencerá!
E não, não creio que os EUA estejam limpos nesta estória.

Anónimo:
Micheletti, independentemente das “bocas” fascizantes, na realidade não esperava que a situação chegasse aqui. Tinha certamente as costas quentes...

Manuela Galhofo:
Quase sempre!

Fernando Samuel:
Diria triunfar... se neste caso o triunfo não estivesse intimamente ligado à resistência. Assim, serão uma e a mesma coisa!

Guilherme Scalzilli:
Resta-nos a terceira atitude: solidariedade activa!


Abreijos gerais!

Anónimo disse...

Para Zelaya: Muito bem. Um homem é um homem não é um bicho.