segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Aviso



Aviso

Não se iludam:
Eu sou um gajo magro
E até baixo,
Pouco para desfazer...
Mas cuidado com o verde
A nascer
À superfície de mim
Depois de enterrado


António Cardoso
"5 poemas escritos no Campo de Concentração do Tarrafal"
África nº 3

18 comentários:

Daniel disse...

Pois é, cá estou eu a coincidir na minha visita com a "inauguração" de mais um texto. Um belo texto. Um belo poema. Mas triste, triste como esse Tarrafal de Santiago.

Maria disse...

Não conhecia este poema. É lindíssimo!
E tanto verde a renascer...
Até hoje não havia em Óbidos nenhum verde destes. A partir de hoje temos 3, sendo que um é na Ass. Municipal. É um resultado excelente...
Só preciso de dormir um dia. A seguir a LUTA continua, porque é, de facto, contínua.

Abreijos, e abraços

GR disse...

È bom podermos ler estes poemas, dão-nos (me)força, para continuarmos a Luta.

Um grande bj para ti e M.

GR

Justine disse...

É sempre perigoso, o verde a re- nascer...
Que magnífico poema (e adequadíssimo)

amigona avó e a neta princesa disse...

Eu sabia que me fazia muito bem passar por aqui!Não conhecia este poema e é lindíssimo!
Obrigada Samuel...
Abreijos

Graciete Rietsch Monteiro Fernandes disse...

E agora parafraseando Chico Buarque as sementes já lançadas começam a florescer. Mas estou triste.
Belo poema o de António Cardoso.
Beijos tristes.

Méon, disse...

Que poema magnífico!

Quanto ao resto, percebo o silêncio...

Muito sinceramente apetece-me dizer:

O triunfalismo estreito das pequeninas vitórias não leva a lado nenhum.
Muito menos a postura sobranceira de considerar qualquer crítica como sendo uma provocação.
Ou o achincalhamento dos adversários, dos que ousam pensar e dizer coisas diferentes.

Ontem li uma frase que me fez rir e...pensar:

"Um fanático é um homem com os pés bem assentes nas nuvens."

E por aqui me vou, sabendo já como vai ser a reacção de certos "fanáticos" que por aqui passam... incapazes de conviver com opiniões opostas.

Fica bem Samuel, continuarei a "curtir" as tuas postagens mais lúcidas.

César Marrafa disse...

Eu voto sempre. Á esquerda. Mas não gosto deste perdi (ou não ganhei)... mas cuidado. Gostava de mais pluralismo, de mais realismo. Estamos em 2009, porra. Deixem-se disso, antes que seja tarde!
O poema é lindo. Principalmente se o colocarmos na época em que foi escrito.

oasis dossonhos disse...

Fez-me bem vir aqui, ando doente e ainda por cima esta sensação do dia seguinte, que, se é certo que em 28 localidades foi um acordar de alegria, no meu sítio é mais um despertar em horizonte cada vez mais cinzento...
Abraço
Luís

samuel disse...

Daniel:
Triste... mas carregado de futuro!

Maria:
Não só renasce, como o faz sempre, sem descanso!

GR:
Ainda bem! É bom ver-te por aqui...

Justine:
Há de facto quem ache um “perigo”... mas faz mal!

Amigona:
Então valeu a pena!

Graciete:
As sementes nem sempre germinam e florescem ao ritmo sonhado...

Méon:
Até agora... e já lá vão 17 horas, o único comentário mais ou menos, vá lá... um “bocadinho” fanático, foi este teu. Mas pronto, pode ser que ainda apareça alguém que, infelizmente, acabe por justificá-lo. ☺ ☺ ☺

César Marrafa:
Já pendurei o “De Tudo” aqui ao lado, na lapela, depois de ter visto este estimado blogue figurando na tua lista.
Agora sobre o poema, lamento sinceramente que aches ter sido esse o sentido com que o publiquei!

Luís:
O que é importante é o que se vai fazendo todos os dias em que não há eleições nem lugares para conquistar. Já estamos num desses dias!



Abreijos colectivos!

Transeunte disse...

Samuel, o poema é lindo. O que a sua apresentação hoje significa é que já agonia! Um conselho? Lê 20 vezes o que diz o Meón.
Vou fechar por causa do bafio que vem da claque parada no tempo que por aqui circula.

PS: Não esquecer de ler as sábias palavras do Meón...que aliás não sei quem é.

samuel disse...

Transeunte:
Leia 20 vezes o que respondi ao Méon e 30 o que respondi ao César Marrafa... ou em alternativa, leia o poema até o entender, em vez de dizer apenas que "é lindo".
Posso estar enganado... mas se a sua primeira visita teve como único objectivo insultar quem aqui está, faça por que seja a última! E já agora, tente entender porque é que a eles respondi e a si enxoto...

Passar bem!

Transeunte( ao fresco) disse...

Samuel, mude de verniz. A sua presunção da interpretação autêntica do poema é apenas burrice disfarçada de arrogância. E é ponto assente que não me enxota, não estou aqui como freguês que você possa enxotar. Não enxota o Méon?! E que tenho eu com isso se apenas lhe conheço o que ecreveu e você fingiu que não entendeu?
Mauzinho quando contrariado? Ora vá-se catar!

samuel disse...

Transeunte:
Pois...

Fernando Samuel disse...

Cuidado com o verde...


Um abraço.

Anónimo disse...

Caro Samuel
Primeiro não tive a oprtunidade, que procurei, de te cumprimentar no Palácio Cristal no final do brilhante espectáculo que deste com a Luísa que nos fez recordar tanto que não esquecemos mas que certamente incomoda alguns transeuntes que por aqui passam e que gostarão, têm esse direito, de outras melodias. Nós consideramos as eleições uma forma de luta contra este sistema cada vez mais injusto, mas não a luta. Possivelemente o transeunte limita a sua participação ao acto de pôr uns papéis dobrados em quatro numa urna de quatro em quatro anos ou de cinco em cinco anos. E, talvez, em procurar aparecer nas grandes manifestações para as quais em nada contribuiu mas, tal qual o emplastro do Porto, procura aparecer nas televisões e até vangloriar-se do êxito das iniciativas. Mas o caminho ao longo da vida tem-se feito mesmo contra oportunistas, vendidos, porque não tridores, sempre pela luta, pela verdadeira unidade, sempre ao lado dos humilhados e ofendidos de ontem e de hoje.
Um grande abraço do Norte, também com a convicção de que Força, Força Norte, a CDU será mais forte. E vai sê-lo, apesar dos percalços que possam aparecer.
Valdemar

Transeunte (já de férias) disse...

Samuel
Pois, para ti também

Valdemar
Pois claro, sem os Valdemar este País nem existia, porque o resto são cabrões ou atrasados mentais sem patente registada. As melhoras e cuidado com o Blocos sempre à coca.

samuel disse...

Fernando Samuel:
A nascer por todo o lado...

Valdemar:
O transeunte talvez considere “luta” a triste figura que está a fazer aqui...
Esses abraços do Norte são sempre especiais!

Transeunte:
Pronto, vá lá... nem todo o resto! Genial!


Saludos gerais!