quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Cavaco - Por qué no te callas?



O lamentável Cavaco Silva repetiu pela enésima vez, desta vez na Espanha, uma das suas lengalengas preferidas: “As empresas portuguesas devem ser mais competitivas... blá, blá, blá...”

Desgraçadamente, e por qualquer razão misteriosa como que num crescendo logo após as últimas eleições, a única “competição” em que algumas empresas parecem apostar fortemente, é ver quem despede mais “colaboradores”, como os patrões gostam modernamente de chamar aos trabalhadores que exploram anos a fio, para a seguir os “dispensarem”.

Os casos da Quimonda, da Delphi, da Saint-Gobain, etc, etc, são apenas tristes exemplos dos que mais recentemente “levantaram a tenda”. Gostaria de poder acreditar que o "novo" Governo tem algum plano para inverter esta situação, mas como quem vai continuar a mandar no Governo são os escroques que, como Van Zeller, contestam o aumento de 25 Euros nos salários mais baixos com a justificação de que "25 Euros não mudam a vida de ninguém", como ainda há poucas horas este disse descaradamente na televisão, ao mesmo tempo que vão continuando a exigir apoios para as empresas, apoios que quase sempre se "esgotam" nos bolsos dos gestores...

9 comentários:

Daniel disse...

¿Y por qué lo escuchas?

Maria disse...

Até a dicção do homem já me irrita... e a cara de asno, de boca aberta...

Abreijos

Almansor disse...

Escroques, nem mais, que vamos ter que ir gramando!...

Manuel Norberto Baptista Forte disse...

“As empresas portuguesas devem ser mais competitivas... blá, blá, blá...”. Saberá o Presidente da República Portuguesa, em que verdadeiro estado está a Economia Portuguesa, os salários que nela se praticam, a "facilidade" com que se despede, e se joga num autêntico tabuleiro de xadrez, simplesmente para a sobrevivência?.
NÃO; Cavaco Silva não sabe hoje, como nunca quis saber quando durante dez anos foi 1º M de Portugal, e foi precisamente durante o seu mandato como tal, que alguns direitos dos trabalhadores começaram a ser desrespeitados e alguma legislação laboral lesiva do interesse de quem produz, começa a ser implementada. Por isso, apanhe lá o ar em Belém vindo do Tejo, e fale pouco, por alguma falta de moral para tal.

LAM disse...

Tudo bate certo:
a sintonia do discurso de Cavaco com a reclamação de apoios do estado às empresas por Van Zeller.
E, mais uma vez, os nossos "empresários", tão liberais e reclamantes da não intervenção do estado na economia...são os primeiros de mão estendida à espera dos subsídios do estado.
Ah, como eu gosto de os ouvir falar nos "subsídiodependentes".

Spectrum disse...

Começo a acreditar seraimente que só a tiro se resolve tudo isto.

Antuã disse...

Ai Cavaco, Cavaco porque não vais pentear macacos?

Fernando Samuel disse...

E aí está como Cavaco e Van Zeller, cada um à sua maneira, dizem a mesma coisa...

Um abraço.

samuel disse...

Daniel:
Essa é uma tremenda pergunta! A verdade é que não sei...

Maria:
Portanto nem é a massa nem o recheio... é tudo! ☺

Almansor:
Mas mesmo sabendo que não nos ouvem, é sempre bom que os seus lacaio nacionais saibam o que pensamos deles.

Manuel Norberto:
Cavaco apenas serve de “amplificador” para veicular e legitimar os discursos do patronato.

LAM:
Exactamente! Devemos ter dos únicos neoliberais “pedintes” do mundo... estou a brincar. São todos assim!

Spectrum:
Até chegar aí... ainda podemos dar muitos “tiros” politicamente certeiros... e por vezes mais eficazes. Como já se tem dito aqui e noutros blogs amigos, a paciência é revolucionária!

Antuã:
Pobres macacos! O homem é um incompetente...

Fernando Samuel:
Um o conteúdo, o outro a aparelhagem sonora...


Abreijos colectivos!