terça-feira, 19 de novembro de 2013

Suécia/Portugal – A História também tem sentido de humor?





Daqui a umas horas joga-se o Suécia-Portugal entre selecções, com vista ao apuramento para uma viagem ao Campeonato do Mundo de Futebol que se realizará no Brasil.
E pronto! No que diz respeito a futebol é tudo o que sei sobre o jogo de hoje. Nem “quatros três três”, nem “losangos”, nem "pressão alta", nem “autocarros” frente à baliza... nada! Como já muita gente sabe, para se ficar “doente” da bola é preciso ser-se mordido pelo “bichinho” da dita ainda muito novo. Não fui! Na verdade, a indiferença é tal, que se ao mesmo tempo que está a passar na televisão uma daquelas partidas que toda a gente considere um grande jogo de futebol e num canal ao lado estiver a ser transmitida uma partida de “snooker” (e nem é preciso que esteja a jogar o Ronnie O'Sullivan)… fico a ver o jogo de snooker.
Sendo assim, perguntarão alguns de vós: por que dianho é que estás a falar do “Suécia-Portugal”? E perguntam com toda a razão! A verdade é que me pelo por uma boa ironia! E assim chegamos à verdadeira protagonista deste texto... e que não é, de todo, a Selecção Nacional de Futebol.
A Vera Guita é uma amiga, natural de Montemor-o-Novo. Filha de professores, Maria Emília e Vítor Guita, criadores de petiscos tão insuperáveis quanto inesquecíveis para todos o que têm o privilégio de pertencer ao seu círculo de amigos. Aluna brilhante. Cantora, desde a juventude, num dos melhores grupos corais amadores que conheço, o Coral de São Domingos. Curso superior de Filologia Germânica (chama-se assim?) tirado com excelência, a que juntou o gosto por mais uns tantos idiomas. Uma inteligência rápida, divertida, atraente. Trabalhadora. Capaz de cativar (como diria a raposa do Principezinho)... e manter amigos e amigas fieis. Professora com gosto de o ser.
Feita esta apresentação da Vera, diríamos que é uma jovem com lugar garantido em Montemor, ou pelo menos, no seu país. Errado! A Vera teve que pegar na trouxa e nas receitas de petiscos do seu Alentejo, mais a memória dos sons da nossa música... e rumar à Suécia, onde depois de dura batalha que já leva dois anos, encontrou o seu lugar de professora de várias línguas que não são a sua.
Então e onde está a ironia anunciada? A Vera é emigrante; e depois?! – perguntam novamente alguns de vós.
A ironia é que esta miúda que o Estado português chutou para fora (ai o futebol!) é que vai estar lá, no estádio sueco, mais logo, se tudo correr como previsto, cantando o Hino Nacional de Portugal antes de começar o jogo (ao que parece, tão importante) entre a Suécia e Portugal. E vai estar muito nervosa e de voz perigosamente embargada e com uma lágrima a querer fugir-lhe... mas linda, desde o alto da grande e admirável ironia do seu gesto!


Adenda:
Última hora!
O convite para a Vera cantar o Hino português foi-lhe feito pela Federação Sueca.
Esse acto da Federação Sueca, oferecendo a “prenda” do Hino cantado por uma portuguesa radicada na Suécia, era um gesto de simpatia para com Portugal e a Federação Portuguesa de Futebol.
A federação Portuguesa rejeitou a oferta e não permite que a Vera cante o Hino Nacional. Deixando de lado as tricas que parece haver entre federações, alegam que a Federação sueca não os informou atempadamente… 
Lamentando esta maldade indigente que deixou a minha amiga (que já estava no local para ensaiar o som) no estado de espírito que facilmente se imagina, direi que o feio gesto “tuga” não altera nada do que antes tinha aqui escrito.
Nem sobre a Vera... nem sobre os lamentáveis grunhos e burgessos que dirigem o futebol profissional português... nem sobre o próprio futebol.
Que ganhe pois quem calhar… (o voto é secreto)!!!

23 comentários:

Anónimo disse...


Ó Cantigueiro, voltas-te a borrar a pintura.

Então uma pessoas não pode gostar de Portugal e ao mesmo tempo odiar a classe politico-económica?

Que culpa tem os jogadores, os adeptos de em Portugal se ter instalado um corja corrupta e anti-nacional?

samuel disse...

Anónimo (15:46):

Caro anónimo…

Primeiro, não é "VOLTAS-TE", mas sim VOLTASTE. Para quem entra a pés juntos a dizer que eu borrei a pintura… :-) :-) :-)

Segundo, onde é que está escrito, na "constituição" ou seja onde raio for… que para gostar de Portugal é obrigatório gostar de futebol?

Você bebeu alguma coisa que lhe fez mal?

Provoca-me disse...

Eu acho que ela devia aproveitar a boleia e dizer que os governantes portugueses são uns verdadeiros nazis e uns chulos/ladrões de primeira.

Maria João Brito de Sousa disse...

Nem todos conseguirão ver a beleza da tremenda ironia deste gesto, Samuel...


Abraço!

Anónimo disse...


a Vera è tudo isto que aqui dizes , mais uma generosidade imensa!

quanto ao futebol, estamos empatados :))

vovómaria

Reaça disse...

Emigrante somos quase todos.

E felizes daqueles que ainda um dia podem ir para o lar da sua velha aldeia abandonada.

ferroadas disse...

Bola só as de "berlim" com qualquer recheio, para além das que a natureza me presenteou. De futebol só amador que joguei e ainda jogo, seguido de uma valente caldeirada feita pelo Ti-Gabriel. Beijinho à Vera.

Abraço

Zé Gabriel disse...

A Federação dispensou a presença da Vera no relvado. Parvalhões.

Maria disse...

Não valem um cagalhão chumbado. Falei!

Maria disse...

Abreijos, porque não podiam ficar no comentário anterior ;)

Cloreto de Sódio disse...

Fuck them all, Samuel!!

Anónimo disse...

típica sujeira tuga.
e ainda "querem" que eu seja patriota!…
És Linda, Vera!

vovómaria

augusta disse...

Não sei quem no relvado ganhou ou perdeu.
Futebol? Só no tempo em que a Briosa era muito mais do que um clube de futebol... e isso remete-me para Coimbra... crise académica... greve geral a exames... aquela final da taça... milhares de panfletos a voar sobre o estádio nacional... a televisão sem transmitir e e o P.R. Tomás, pela primeira vez ... em casa!

Quanto à Vera e ao muito feio gesto que tiveram ... tudo está dito.

José Oliveira disse...

Quanto ganham os dirigentes da FPF?

Pedro M disse...

O que interessa é que ganhámos naquilo que não interessa nada.

Olinda disse...

Provävelmente ,o verdadeiro motivo da Federacao Portuguesa recusar o gesto da Federacao Sueca (Teria sido bonito,"ouver" a Vera),nao foi o "timing"da informacao...Tambêm nao gosto de Futebol,mas comecei a gostar do Cristiano Ronaldo,pela posicao que tem tomado a favor da Palestina.


Um Abraco

Antuã disse...


A FPF não deixou a senhora cantar o Hino Nacional porque o que eles queriam é que ela cantasse o hino da selecção como dizem tantos maluquinhos da bola quando ouvem o Hino Nacional.

Luis Filipe Gomes disse...

Mas o que é que o Hino Nacional tem a ver com a gente da bola?

Portugal já perdeu, perdeu a Vera e como ela outras e outros, mas são pessoas como a Vera que verdadeiramente fazem Portugal ganhar no Mundo.

ferroadas disse...

O futebol profissional move-se única e simplesmente pelos valores do dinheiro e não (NUNCA) pelos verdadeiros valores morais e/ou éticos. O resto é falácia. Viva o desporto amador.

do Zambujal disse...

Inacreditável! Indignidade! Inaceitável

Sem que o futebol tenha alguma culpa...

Um abraço

Anónimo disse...

aprecio futebol, mas gostei especialmente da designação de grunhos e burgessos para os seus dirigentes, que penso extensível a muitos mais que cirandam à volta do jogo.

assina:
um dos poucos portugueses que não é comentador de futebol numa TV.

Grease disse...

VERA 3 - FPF 2

Anónimo disse...

Caro Samuel,
fique com o link da reportagem da televisão estatatal sueca do dia 18, antes destas bestas impedirem a Vera Guita de cantar A Portuguesa. Só mesmo a FPF não foi avisada atempadamente...
http://www.svt.se/nyheter/regionalt/vastmanlandsnytt/vera-sjunger-for-portugal-i-vm-kvalet