quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Momentos televisivos para a História


Na “SIC”, ontem, durante o "Jornal das oito", deram notícia de um momento "histórico" passado num outro canal da mesma estação. Aí, o lamentável Mário Crespo entrevistara Octávio de Oliveira, secretário de Estado do Emprego. A certa altura, achou por bem contar-lhe a estória de uma sua amiga licenciada a quem os serviços de emprego não apresentaram mais do que ofertas de estágios para cabeleireira, ou jardinagem.
Não quero, nem por sombras, desvalorizar as dificuldades da jovem amiga de Mário Crespo. O que me impressionou foi a “solução” oferecida pelo secretário de Estado... mais palavra menos palavra:
“Terei todo o gosto , de forma discreta e recatada, de acompanhar essa situação”
Nem quero saber como é que o senhor vai fazer para, pessoalmente, resolver e "acompanhar" os caso do milhão de portugueses desempregados, de uma forma “discreta e recatada”... sob pena de este momento televisivo passar a ter um nome bastante feio!
Duas coisas sei:
1.  O senhor Mário Crespo não devia ter a carteira de jornalista há muito tempo!
2.  O governante em causa devia ser demitido ainda hoje!

19 comentários:

ferroadas disse...

Nojento. É a palavra que encontro. Este imbecil, é o protótipo do gajo bem-de-vida que está no poleiro para safar amigos e, neste caso, amigos de amigos. Já agora, à senhora-rapariga-moça-madama, desejo-lhe que encontre o tão almejado emprego que neste caso, pelo que nos contas, será mais um tacho. Aos mais de um milhão de desempregados, cabe-lhes agora escrever ao secretário do assassino de pretos Kaúlza de Arriaga que se diz jornalista para, este sim, servir de "central de compras de mão-de-obra-barata" (digo) centro de emprego. Num sistema onde a corrupção é "lei", este - "terei todo o gosto , de forma discreta e recatada, de acompanhar essa situação", diz tudo.

Abraço

Provoca-me disse...

O Ministro nunca devia ter sido eleito. E o labrego falava de tratar a situação não dos desempregados todos, mas daquelas raparigas, e vou por as minhas mãos no fogo, que é por serem raparigas, e que por ele ser um porco tarado, em troca de favores sexuais oferecer-lhes um mísero tacho. Mas esta é a ideia com que eu fiquei desse comentário miserável.

augusta disse...

Essas duas coisas, Samuel, também as subscrevo.
E também, esse “Terei todo o gosto, de forma discreta e recatada, de acompanhar essa situação” o ouvi. tudo aí está dito. Lamentável!
Muito trabalho terá esta excelência para que de forma discreta e recatada acompanhe apenas os desempregados do concelho onde moro - 25 % de desemprego efectivo, valor muito, muito superior entre a população jovem. E que continuam desesperadamente sem direito a um trabalho com direitos... tivessem um jornalista como o senhor Mário Crespo como amigo... e seriam recatada e discretamente acompanhados.

O Puma disse...

Ratazanas à solta

Antuã disse...


O programa do Mário Crespo é um bordel.

Olinda disse...

A canalha no seu melhor.Sô faltou dizer que tem que se filiar no PPD ou congênere.Para quem fala em discricao,onde fica a mesma?

Um beijo

Maria disse...

Um filho da puta. Digo. dois!

Beijo.

Carlos Costa disse...

Um grande abraço para o Dr Octávio Oliveira, um político da nova geração que tem a coragem de assumir erros e procurar soluções.
Só não erra quem nunca fez nada na vida.
Este blog parece ser um local de desabafos anónimos de que está mal com a vida.

Carlos Costa disse...

Um grande abraço para o Dr Octávio Oliveira, um político da nova geração que tem a coragem de assumir erros e procurar soluções.
Só não erra quem nunca fez nada na vida.
Este blog parece ser um local de desabafos anónimos de que está mal com a vida.

samuel disse...

Carlos Costa:

Senhor Carlos Costa… gabo-lhe a sinceridade… a candura, mesmo!

Não é qualquer um que tem a coragem de vir a público defender uma "cunha" em directo, "metida" a um governante… e chamar a isso uma política de "nova geração":

O que é preciso para o senhor dar o passo seguinte e defender a corrupção em grande escala? A grande corrupção também permite "fazer coisas", não é? :-)

Pelos vistos a sua mão cheia de pós-graduações, tecnologias, marketings e derivados, não tiveram um efeito por aí além nesse cantinho especial do cérebro…

Ou foram, também, conseguidos com cunhas do papá e do tio e da tia e do padrinho, junto aos senhores directores, examinadores, empregadores… :-) :-) :-)

Taribo West disse...

Mário Crespo é a prova de que em Portugal, mesmo que sejamos maus, podemos, com os amigos adequados ou simplesmente muitos anos de experiência (não interessa a fazer o quê, têm apenas de ser muitos), tornar-nos uma referência do jornalismo.

peterbrad disse...

O problema, é que estes suínos políticos safam-se sempre e tem sempre a porca-mãe da justiça a protegê-los, sob o signo do "serviço para o povo". Já nem são precisas escutas telefónicas, nem espionagem...a podridão política deste país está à mostra...

peterbrad disse...

E pelo comentário do exmo.sr.dr.general Carlos Costa, se percebe que ele não só aprova, como se calhar, era capaz de fazer o mesmo. Eles andam aí, estão à vista e já não tem vergonha de aparecer hoje em dia...

Gemini disse...

O sr. Carlos Costa, depois de ter comentado este post, deve ter enviado o link do seu comentário para os seus padrinhos. É necessário ficar bem na fotografia e ele deve pertencer à ninhada de ratos que anda espalhada, atenta, com a missão de ver quem são os portugueses que se indignam com compadrios deste género.
Casos como o deste senhor, Carlos Costa,são a prova de que a natureza também aborta.

Sónia disse...

Segundo a minha interpretação do que ouvi (até porque o jornalista em questão disse que a tal pessoa já estava a trabalhar no estrangeiro),o ministro, quando disse que ia averiguar a situação, não se estava a referir àquela situação em concreto mas sim a situações similares em que lhes é proposto estágios e cursos que não têm nada a ver com o curriculum das pessoas.

samuel disse...

Sónia:

Ah… sim? Acha mesmo?

A ser assim, porque diacho é que prometeu fazê-lo "de forma discreta e recatada"?

Se um governante descobre que os seus serviços estão a trabalhar mal e quer resolver o assunto, não de uma pessoa que teve uma "cunha", mas de toda a gente, para quê a discrição e o recato? :-) :-) :-)

Seja como for… (desde que não se prejudique)… fica-lhe bem essa boa vontade! :-)

Saudações.

Anónimo disse...

A Sónia só não terá razão num aspecto: O secretário de Estado até pode estar a referir-se ao caso em concreto, apesar de haver situações destas às centenas ou milhares! Quanto ao Crespo não me parece que pedisse ajuda para ninguém em particular, de facto, pois acrescentou que a "menina" estava agora no estrangeiro. Aqui vai a entrevista. O jornalista faz a referência, depois do minuto 22( 22.35 ):
. Saudações. Júlio

Carlos Cabral disse...

Sr Carlos Costa partilho da sua opinião
Se ele tivesse ficado calado seria criticado por não reagir

samuel disse...

Carlos Cabral:

Errado, senhor Carlos Cabral!

Se o secretário de estado tivesse ficado calado… seria apenas cobarde.

Se tivesse dito que is dar indicações para que os serviços mudassem a sua forma de proceder COM TODOS… até pareceria uma pessoa "normal"… apesar de ter aceitado pertencer a um governo de celerados.

Não entendo como é que algumas pessoas não conseguem "atingir" que aquilo que foi rasteirinho e algo nojento na resposta, foi a promessa de ir tratar da coisa "de forma discreta e recatada". Exactamente como se fosse depositar o dinheiro em "cash" de uma "luvas" recebidas… :-) :-) :-)

Discreta e recatada… porquê?!!!

Saudações.