segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Por dentro da vida...



O “Campo Pequeno”, em Lisboa... mais tijolo menos tijolo, mais betão menos betão, mais anel menos anel, mais cobertura menos cobertura, mais reforço estrutural... tem praticamente o mesmo aspecto desde 1892. Já o interior, é outra conversa!
Na verdade, o aspecto interior daquela grande e histórica sala de espectáculos depende dos dias, depende das gentes e dos acontecimentos que acolhe.
Ontem pela tarde, numa grande festa de aniversário que (como é hábito nas boas festas de aniversário) estava cheia de música, de sorrisos, de encontros, de beijos, abraços e uma ou outra lágrima feliz... o aspecto era este:
Oito mil árvores a respirar vida, independentemente da idade. A bombear seiva por cada veio, por cada ramo, por cada folha. Ligadas por um manto vermelho... para o qual que muitos não conseguem encontrar explicação.
Um vermelho vivo que nasce e se alimenta directamente nas raízes... mas que num ciclo de vida extraordinário e sempre renovado, também as alimenta e aprofunda e faz crescer.

25 comentários:

augusta disse...

Oito mil árvores a respirar vida. Muitas mais que lá não podendo ontem estar, ao longe dessa vida a respiração partilhavam, bem perto de si a imaginavam, o quanto de estar lá gostavam.
Moram longe, moram perto - a saúde por vezes prega a partida e não deixa... Uma lágrima de tristeza se transforma em alegria - não pude eu, mas tantos, tantos estão lá!!! E a certeza que um dia... sim, nós sabemos que esse - um dia - de vermelho chegará!

linda foto num post lido e sentido com emoção. Obrigada, Samuel.

Maria João Brito de Sousa disse...

Que se expandam e a Terra se lhes apresente mais fértil do que nunca!


Abraço!

Maria disse...

Éramos muitos mais. Porque lá estariam oito mil, mas muitos outros milhares não puderam, não tiveram condições de ir.
É uma imensa floresta vermelha!

Beijo.

Justine disse...

Belíssimo texto, Samuel. Foi uma festa emocionante (pena que mal tivesse tido tempo para começar a ouvir-te...tão rápido foi)

Reaça disse...

Campo Pequeno traz-me à memória Otelo.

julia disse...

Foi sem duvida uma tarde carregada de emoção , lembrar o Camarada Álvaro, num espaço em que muitos de nós participamos , em grandes comícios após o 25 de Abril , como se diz: até os mortos caminharam a nosso lado,

São disse...

Parabéns pelo post!

A Vida sempre triunfa, mais cedo ou menos cedo...

Bom serão de S. Martinho para vós

João Melo disse...

Porquê o Campo Pequeno?
Depois daquela célebre frase do Otelo? É de vidente mau gosto
uma Praça de Touros para comemorar
os 100 anos do Camarada Alvaro,porque não a Alameda?
Aqui deixo o reparo.
Boa Noite.

samuel disse...

Reaça:

Shakespeare é grande!!! :-) :-) :-)

samuel disse...

João Melo:

Primeiro, com todo o respeito (como diz o Manuel Monteiro ex-CDS)… quero que o Otelo vá bardamerda! :-) :-)

Segundo, um grande espaço de espectáculos é apenas isso. Se fosse no Coliseu… não seria circo. As grandes cantoras e cantores que têm ido fazer grandes concertos no novo Campo Pequeno… também não estão a ser tratadas como se fossem vacas ou bois. :-)

Terceiro, a Alameda também está ligada à grande traição do PS ao 25 de Abril…

Quarto, acho que marcar, com uma antecedência de meses, um grande comício, com um espectáculo com a Brigada Victor Jara, a requerer um razoável aparato técnico para 10 de NOVEMBRO na Alameda, ao ar livre… seria um "aventureirismo" muito estranho ao feitio e à organização do PCP. :-)

Um abraço.

Antuã disse...


Eu não fui ao Campo Pequeno porque este trás-me dramáticas recordações dum facto que lá aconteceu no decorrer do penúltimo congresso do PCP.

samuel disse...

Antuã:

Um forte abraço!

samuel disse...

Anónimo (22:20):

Acho que até uma besta como você consegue perceber que o seu amontoado de estrume não seria nunca publicado.

Só eu vi o seu "comentário", chamemos-lhe assim… menos o vídeo, evidentemente, já que tenho imensos DVDês para rebobinar… o que não não me deixa tempo livre para perder com imbecis.

Ainda assim… e em claro incumprimento da promessa de não vos responder, sobretudo quando não publico o que vocês bolçam… neste caso quero quero agradecer o seu contributo. É sempre muito engraçado ver como, nalgumas pessoas, chamemos-lhes assim, como é o seu caso… a estupidez, a vasta ignorância, a ordinarice e o esterco mental e moral… consegue arranjar maneira de SEREM HILARIANTES.

Volte sempre! O mais certo é não ser publicado… mas é divertido! :-) :-) :-) :-)

samuel disse...

Anónimo (22:20): nº2

Meu "caro"…

Insistir, recorrendo ao mesmo tipo de linguagem, demonstra apenas a mais liminar estupidez.

Lamento... por si!!!



E assim voltamos à norma aqui momentaneamente interrompida: para casos como o seu, nem publicação, nem resposta.

Anónimo disse...

Realmente, estes eventos que o Partido organiza, constituem como que um tónico, um reforço na vontade de continuar a luta.
E até inspiram quem já, habitualmente, nos oferece belos escritos; este post saíu magnífico.

Rui Silva

Provoca-me disse...

O que é que aconteceu na Alameda com esse partido fascista PS?

samuel disse...

Provoca-me:

O PS de Mário Soares, em Julho de 1975, durante o chamado "verão quente", organiza uma grande manifestação na "Fonte Luminosa", onde corta, definitivamente com a esquerda e a Revolução de Abril, oficializando a opção por Carlucci e a CIA, com quem conspirava (ele próprio o relata nas memórias) e pela aliança com os sectores fascistas da Igreja Católica, encabeçados belo bombista e líder de assassinos, o cónego Melo.

Nessa manifestação, entre outras coisas, exigiu a demissão do primeiro-ministro Vasco Gonçalves, recorrendo à ameaça de fazer parar o país.

Graciete Rietsch disse...

Maravilhoso texto.
Eu estive lá e vi-te e ouvi-te. Gostei muito.

Um beijo de amizade e admiração.

Anónimo disse...

Samuel

Essa sua " esquerda e a Revolução de Abril" que refere enfaticamente no seu conentário teve, salvo erro, 11, 12 por cento de votos nas primeiras legislativas .

O ps do carlucci ganhou as eleições com 35 % votos salvo erro, eu era puto.

Os 35% estavam errados ou foi a vanguarda do proletariado que não conseguiu " passar a mensagem", um eufemismo cobarde e asqueroso, comideve saber, para justificar as derrotas estrondosas.

Samuel: Em quase 40 anos pode-me dizer uma grande vitória eleitoral do seu pcp ?
Uma só, com numeros e %s.

É claro que você vai-me dizer quw o blog é seu, que não tem de responder a bestas e imbecis que eu não percebi o seu post etc etc. ok descupe o incómodo

Você não passa de um imbecil fanático que ainda vive em 1975 e não descobriu que 40 anos se passaram e nenhuma alma caridosa o informou, certamente por caridade.

Ainda vive com a muleta do carlucci o fantasma da cia, o comício do Vasco Gonçalves em Almada, os fascistas da fonte lumimosa, o zeca, você parou no tempo e ainda está em 75, e ainda não acrefita que houve o 25 de novembro.

pois continue na fantasia e no sonho, nunca houvi dizer que a fantasia e o sonho fizesse mal a alguém assim tipo melhoral

Ok publique lá o seu comentário raivoso a este comentário sem publicar este comentário.

samuel disse...

Anónimo (20:28):

Lamento que nunca tenha ouvido falar, ou lido sobre vitórias eleitorais do PCP ao longo destes quase 40 anos. Ainda reconhecendo que nenhuma foi a nível nacional… o meu amigo havia de ir ver isso… que, como parece evidente, não anda bem!

Apesar de estar a expor os leitores à porcaria que verteu directamente do cérebro para a escrita pateta… atendendo a que não foi exageradamente ordinário, não quis perder a oportunidade de o ver fazer esta figura de tontinho.

Saudações solidárias!

Anónimo disse...

Samuel

vá lá que só me chamou de tontinho, bem haja como se diz na minha terra.

Eu por acaso nunca ouvi falar em vitórias eleitorais dp PCP mas claro sou eu que sou tontinho.

Em derrotas estrondosas já ouvi falar assim tipo 6, 7 % legislativas, 2, 3% presidenciais, assim tipo o PCP perder o Alentejo e a margem sul nas autarquicas ( ok, ok, agora recuperou umas camaras) mas diga-me lá uma grande vitoria do PCP nas legislativas, com % Uma só.

É que eu de facto não ando bem, ouço mal e mal sei ler. Po isso é que lhe peço me ilucide: diga-me lá qze grandes vitórias o PCP teve nos últimos 40 anis, tá bem não falamos presidenciais e europeias.


samuel disse...

Anónimo (22:01):

Não se enerve, patetinha… já está a escrever "ilucide" entre outras, mas essas são apenas gralhas, o que só pode dever-se à neura, já que há pouco, há poucochinho, nem uma calinada bulia, na quieta melancolia, das palavras do "textinho".

Se não estivesse meio aluado "derivado" aos nervos, teria visto que eu escrevi, exactamente, que reconhecia não haver vitórias eleitorais a nível nacional.

Quanto às autárquicas, quando diz recuperou algumas… deve, na verdade, estar a falar de
Évora,
Beja,
Loures,
Grândola …

acompanhadas por

Avis,
Castro Verde,
Serpa,
Moita,
Cuba,
Alandroal,
Alcácer do Sal,
Peniche,
Alvito,
Vila Viçosa,
Arraiolos,
Constância,
Palmela,
Sobral de Monte Agraço,
Mora,
Monforte,
Almada,
Seixal,
Santiago do Cacém,
Alpiarça,
Sesimbra,
Silves,
Benavente,
Barreiro,
Vidigueira,
Alcochete,
Moura,
Setúbal,
Montemor-o-Novo,
Barrancos…

…era mais ou menos a isto que estava a referir-me. Este movimento dinâmico de poder locar democrático, com avanços e recuos, desde o 25 de Abril até hoje.

Mais a presença constante, aguerrida, trabalhadora e, sobretudo, HONESTA, de deputados na Assembleia da República.

Mas pronto! Se não tomou conhecimento, ou tomando, não dá importância ao facto, nem as populações que votam comunista lhe merecem um mínimo de RESPEITO… é lá consigo!

Anónimo disse...

Samuel

Tem razão quanto a gralhas , o ilucide em vez de elucide não se deve a nervos mas a um portentoso ( passe, novamente o pleonasmo) vinho de Pias que estou bebendo agora.

Já o seu " poder locar autárquico" nem a neura ou copos se deve.

Será mais à ânsia, desconforto, talvez frustração nunca resolvida de, Samuel dixit, " não haver vitórias a nível nacional"

É uma chatice, de facto, o PCP não ter em 40 anos UMA ÚNICA VITÓRIA a nível nacional.

Porque será?

p.s.mas acredite que gostei do seu nem uma calinada bulia. Sobretudo do bulia. Se não escrevesse tantas calinadas e tantos dsparates e em acrescentando o melancolia, estava quase a chegar a um poema.

samuel disse...

Anónimo (23:17):

Pois… isto estava a ser muito giro, mas ficar a falar para um qualquer (ou uma), escondido "valentemente" por detrás duma cortina… cansa!

Passe bem!

Khe Sanh disse...

Caro anónimo das não sei quantas.

Se pretende discutir "legitimidade" eleitoral tem o dever de não esquecer que Hitler chegou ao poder através de eleições.
E que no Portugal Salazarista também haviam eleições.

Sabe qual era a opinião de Estaline acerca das eleições?

"Vence sempre quem controla as forças de segurança, a informação, a economia e conta os votos".

Diga se o homem não tinha razão?