quinta-feira, 14 de novembro de 2013

DCIAP - Ai esta minha ingenuidade!!!...


Fantástico! Sou muito ingénuo! Perigosamente ingénuo, diria mesmo…
Então não é que estava firmemente convencido de que as investigações judiciais e os processos que daí resultam, quer acabem em condenações, quer acabem em arquivamento, tinham como único fim fazer justiça... e não “ajudar a desanuviar” isto ou aquilo?

7 comentários:

augusta disse...

Também eu o mesmo pensava dos processos judiciais. Ou assim o quereria muito pensar...independentemente do estatuto do réu.

Aqui mesmo em frente, repórteres de TV colhiam ao início da tarde imagens do exterior do tribunal. O que terá resultado? Justiça? Desanuviamento?!!!

Aprender, aprender sempre! Mas não é esta a função da justiça que gostamos de ver... aprender.

Maria João Brito de Sousa disse...

Venho fazer coro, Samuel. Pensava exactamente o mesmo...


Abraço!

Graciete Rietsch disse...

Nós somos ingénuos. Mas eles muiiiiiiiiiito espertos. Mas enganam-se, se julgam enganar.

Um beijo.

Antuã disse...


O Agostinho Neto deve dar muitas voltas na sua sepultura.

Medronheiro disse...


O MPLA já não é o MPLA. Mas há-de voltar a ser.

Retornado disse...

Tantas asinhas a esvoaçar!

Manuel Brás Brás disse...

DESDE AQUELA HISTÓRIA DO QUEIJO QUE IA DESAPARECENDO, QUE EM JUSTIÇA, NEM NA DE BEJA DÁ PARA FAZER GRANDES APOSTAS, MAS SE CALHAR ESTOU ENGANADO. TODOS TEMOS INSUFICIÊNCIAS....