quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Pires de Lima – Fascismo económico




Estamos a atingir um nível de abjecção política e humana a que só posso dar um nome: fascismo económico. A bota cardada da finança que mantém aberta, à força, a porta por onde há-de passar, a seguir (se nada for feito urgentemente) o fascismo político puro e duro.
Vem este desabafo a propósito da nova “ideia” do homem dos sumos e das cervejas, hoje de serviço no governo de Passos e Portas. Diz Pires de Lima que quer o “empreendedorismo” como disciplina de ensino obrigatório nas escolas. Quer que os estudantes vão estudar... para “empresários”.
Fantástico! No mundo ideal deste fanático do CDS, inscrevem-se os herdeiros num qualquer colégio finaço, pago com o dinheiro de verbas roubadas à Escola Pública e, para além de umas pinceladas de umas línguas, noções de etiqueta à mesa e aulas de condução de automóveis particularmente potentes, ensina-se-lhes, de uma forma científica, a melhor forma de fundar e gerir as empresas onde hão-de, estudos terminados, explorar os milhares e milhares de seres humanos que não tiveram o privilégio de nascer no seio de famílias ricas ou “nobres”, ou quase “nobres” de tão ricas... e que se ficaram pelas escolas dos pobres.
Ah... não sei se já tinha dito... mas acho mesmo que isto é uma forma de fascismo disfarçado de…

Fascismo económico!

8 comentários:

Reaça disse...

Empreendorismo? será que é aprender a ser patrão?
Vai ser difícil estes próximos anos arranjar alguem que não seja alemão!

José Oliveira disse...

Acabo de ouvir as conclusões do relatório do FMI à última avaliação. Afinal a austoridade, os cortes em salários e pensões, saúde, educação deverão ser permanentes. Estes senhores capturarão o país, com a ajuda do PS, PSD e CDS, e pretendem que seja indefinidamente e não temporariamente, como nos têm dito. Outra notícia interessante foi a descoberta de mão de obra escrava, romena, no Alentejo, perto de Beja, coisa que já foi denunciada aqui a algum tempo, o próprio bispo de Beja sentiu-se incomodado. Pensava que só quando
houve a Reforma Agrária é que havia injustiças e roubos, afinal vai-se a ver...
Meus caros o fascismo é já uma realidade em diversos sectores, os direitos humanos ficam à porta da empresa, lá dentro quem manda é o patrão, ele é quem dita as regras. A história não se repete da mesma maneira, é óbvio que não vamos ter a Mocidade Portuguesa, a União Nacional, Legiao, Pide, Câmara Corporativa, mas sim sistema em que só terá assento quem for da côr, a expressão "partidos do arco da governão" é bem elucidativa deste totalitarismo. Quantos comunistas estão em cargos de responsabilidade, por via da sua competência, nenhum...

Olinda disse...

Empreendedorismo,ou como se faz um canalha?
Sarsfield (nao sei se ê assim que se escreve)Cabral,ontem,na RRenascenca,lamentava o desaparecimento das Escolas Têcnicas,pois hâ falta de canalizadores,pedreiros,etc..O imbecil nao deve ser deste Paîs.Isto ê luta de classes!

Um abraco

Pintassilgo disse...


Empreendedorismo, o que é isto? É alguma coisa que se coma?!...

Anónimo disse...

Sempre achei estranho dizerem que não havia: Canalizadores,eletricistatas,pedreiros,etc..
Quantos querem?
Temos é de distribuir melhor a produtividade e trabalhar menos para que todos o possamos fazer.
E já agora ter melhor qualidade de vida com o tempo livre.

Reaça disse...

Ó anónimo e Sarsfield para parecer carpinteiro já não é preciso estudar.
Vamos à loja dos trezentos e pomos à cintura um estoje de ferramenta própria e já está um carpinteiro formado

Então se fôr de Minas Gerais ou de Caboverde somos uns artistas.

José Oliveira disse...

O senhor das cervejas, que agora é ministro, fechou a fábrica de Santarém, apesar das opiniões em contrário. Esta fábrica fazia muita falta à população de Santarém, onde não existe indústria para as necessidades de postos de trabalho. Por aqui se pode ver os interesses que este senhor está a defender no governo, tudos menos nacionais.

joão gabriel disse...

Comungo do que foi dito.

Cumprimentos