terça-feira, 31 de maio de 2011

Oh, não! Mais um post sobre as “Escadas Monumentais”!


Andava há dias a hesitar sobre o entrar ou não entrar no debate sobre as pinturas da CDU nas escadarias na Universidade de Coimbra.
Primeiro, porque os universitários em geral e os de Coimbra em particular, tem um modo de nomear as coisas que pode intimidar os futricas como eu. Aliás, não sendo de Coimbra, nem sei se posso assim usurpar o “título”.
Quero dizer: àquilo que um vulgar cidadão chamaria porta, portão de ferro, ou simplesmente portão, o estudante de Coimbra chama pomposamente “Porta Férrea”... transformando o objecto numa entidade quase com personalidade; ao professor a que normalmente se chamaria Reitor... não resistem a chamar (nisto não estão sós) “Magnífico Reitor”... o que é muito mais majestoso, embora possa soar um pouco ridículo aos leigos; àquilo que qualquer pessoa normal chamaria escadas... eles chamam, estrepitosamente, “Escadas Monumentais”... deixando muito pouca margem para se classificar decentemente o Mosteiro da Batalha, ou os Jerónimos... mas adiante!
Segundo, porque a questão da “legalidade” das pinturas já foi resolvida por quem de direito.
Terceiro, porque quase tudo o que, politicamente, havia a dizer sobre o assunto, já foi dito em jornais blogues e as suas respectivas áreas de comentário dos leitores, que foram inundadas de opiniões de sinais contrários, trocadas de forma normal, ou sob a forma de despejo de toneladas do habitual esterco ultrarreacionário.
Quarto, porque devo confessar ser avesso às pinturas de espaços públicos, sempre que os locais são mais “qualificados” do que os vulgares muros degradados, casas decrépitas (que não poucas vezes ficam a ganhar com as pinturas) ou pilares de viadutos. Acho sempre preferível que a propaganda seja feita recorrendo aos meios convencionais, não se colocando na posição de acabar por ser atacada, não pela mensagem, mas pelo local em que é divulgada.
Acontece que ao ver esta fotografia - descaradamente surripiada ao blog “Aventar” – decidi que ela era a melhor “testemunha de defesa” da CDU em toda a polémica. Torna-se evidente que, neste caso, a CDU de Coimbra nunca poderia estar à espera de uma tal reação da parte dos estudantes que decidiram usar as pinturas como pretexto para fazerem o seu pequeno espetáculo anticomunista... aos gritos de “Vandalismo! Vandalismo!”, pela simples razão de que tem sido normal e repetida ao longo dos anos a utilização da porcaria das escadas para fins de propaganda política e como "cartaz" das diversas lutas estudantis.
Na verdade, muitas outras fotografias de pinturas monumentais feitas na vulgar escadaria desde os tempos do fascismo, poderiam ilustrar a hipocrisia rasteira dos meninos e meninas qua ali foram gritar a sua monumental mentira sobre o carácter sagrado dos degraus de pedra... mas esta, muito mais recente, mostrando as escadarias “monumentalmente vandalizadas” pela Juventude Socialista, poupa o trabalho de pesquisa.
Como nota final neste post e neste assunto, fica uma reflexão: das duas uma, ou os meninos e meninas das fardazinhas à estudante (costume irritante!), oriundos da JS (onde milita o actual presidente da AAC), JSD e, como sempre, com a ajuda do CDSnão conhecem a História das suas “Escadas Monumentais”, o que aconselharia que se informassem antes de fazerem a triste figura que fizeram... ou então conhecem... e provaram que são excelentes alunos da cadeira de “canalhice política”, uma “valência” que certamente os levará longe nos seus respetivos partidos.

17 comentários:

Anónimo disse...

Só podia ser assim, faltaram tomates para criticar o vandalismo de umas escadas agora praticado pelo PC, sejam muito ou pouco monumentais, mas oh sorte que lá apareceram umas imagens de outros jotas alarves para desenrascar o Samuel! Ficamos a saber que se quem cagar as escadas for do PS é uma besta com diteito a post, mas se for "primo" da Catarina Eufémia o Samuel entra em recolhimento justificativo. Sim porque se eu for à porta do Samuel dar uns "retoques" aí para três sprays cor de rosa serei considerado um revolucionário! Não é, Samuel das caganças?

Antuã disse...

A canalhice abunda por aqueles sítios.

Graciete Rietsch disse...

Não admira. Os meninos continuam iguais a si próprios.

Um beijo.

Hugo Besteiro disse...

já não vale a pena continuar a falar disto..

samuel disse...

Anónimo (01:39):

Não, seu débil mental! Não é como diz! Não foi isso que escrevi!
Mesmo um traste como você deveria saber ler... para depois comentar.

Fernando Samuel disse...

EXCELENTE!
Subscrevo. Na íntegra.

Um abraço.

Anónimo disse...

Meninos e meninas das fardinhas, que não percebem nada de política e que, na altura do último governo Durão Barroso-Portas, entraram no acordo para a subida de propinas.

Meninos e meninas de capa e batina, sempre muito dados à cerveja, às festinhas e aos gritinhos de Fra-Fre-Fri-Fro-Fru, quando chega a altura do voto, em vez de atacar o PS-PSD-PP, atacam a CDU.

(Jorge)

Francisco disse...

Não resisto em comentar por este motivo, estudo na UC. E quando começaram problemas com as bolsas e não só os estudantes estiveram sossegados! Mais de 700 alunos abandonaram a instituição e tudo quieto, dia 24 fez-se a greve para cumprir calendário e depois mais nada! Há 2 semanas já veio o corte das bolsas (e nem sequer sou bolseiro) e pouco se viu além um comunicado de imprensa. Mas por causa das Pinturas aí mobilizaram-se estudantes e afins....

Ana Martins disse...

Deixa lá, que segundo o Manuel Rocha, "até esses têm direito a ser seres humanos".
Nós lutamos pelas bolsas, contra as propinas, por uma formação decente.
Coisas que a essa meia dúzia não fazem falta porque têm paizinhos ricos que pagam as propinas, paizinhos influentes que os "entacham" e mentes medíocres que nem com uma formação de qualidade produziriam algum dia alguma coisa com jeito! Pena mesmo é a quantidade de gente (gente mesmo)que vai na cantiga, massa acéfala que vocifera mais contra um bocado de tinta que contra a falta de acesso ao ensino superior ou contra o desemprego, esses sim assuntos dignos de discussão.

abreijos

Angelo Alves disse...

Estimado Samuel: envio-lhe um link para um texto meu que publiquei no dia 25 de Maio em que tento centrar este debate naquilo que é verdadeiramente importante. é que anda muita gente a falar das escadas sem saber o que significam e sobretudo o que está verdadeiramente em causa. Abraço Ângelo Alves

O texto: https://www.facebook.com/#!/notes/%C3%A2ngelo-alves/apelo-aos-estudantes-de-coimbra-a-prop%C3%B3sito-das-manobras-provocat%C3%B3rias-a-pretext/220555811305643

ou então em: http://www.vermelhos.net/index.php?option=com_content&view=article&id=771:opiniao-apelo-aos-estudantes-de-coimbra&catid=43:pcp-opiniao&Itemid=62

samuel disse...

Ângelo Alves:

Já o tinha lido, creio que no Facebook, na página do Manuel Rocha.
É muito bem esgalhado! Está lá tudo!

Abraço.

Anónimo disse...

Samuel, "adiantado mental" sem vergonha, vem insultar-me porque terei acusado a sua "elevada" pessoa de dois pesos e duas medidas: Silêncio quando o PCP cagou as escadas de Coimbra e acusação de canalhice política quando uns jotas rosa terão feito a mesma trampa. Acrescenta o douto Samuel que a coisa está legalmente sustentada, um conformismo estranhíssimo nesta casa e neste personagem Samuel que normalmente se está rigorosamente lascando na maior parte das leis com igual legitimidade que por aí andam. Falta de carácter digo eu que acha dever um cidadão usar a cabeça para apreciar as situações por elas próprias e não pela cor da camisola, pior ainda se usa linguagem "fina" como canalhices e outros elogios.
Fico no entanto a saber que a possivel inscrição de umas pinceladas garridas na parede da casa de um qualquer Samuel o farão obrigar a tratá-las com carinho porque suponho não ser a casa desse personagem de banda desenhada monumento nacional! Se eu fosse da sua laia deveria passar palavra para ver se lhe alindavam a fachada lá de casa...

samuel disse...

Anónimo (19:03):

Prezado "débil mental", mais uma vez, optou por "comentar" sem ir ler o post.

Uma das coisas que destaquei, foi exactamente o facto de não ser grande adepto de pinturas em espaços públicos, excepto tal e tal e tal...

Aquilo que chamei "canalhiçe política" não foi a pintura da escada feita pela JS, mas sim o facto de classificarem como "vandalismo" uma coisa que eles próprios já tinham feito antes. Mas não era esse o seu objectivo, obviamente!

Quanto à sua velada ameaça de apelo à violência, para alguém vir sujar-me a fachada da casa... sempre gostava de saber que culpa tem o pobre do meu senhorio daquilo que eu escrevo e das suas óbvias limitações para o entender.
Sempre gostaria de saber em que é que incentivar a sujar uma casa alugada, serve os seus propósitos... ou prejudica o inquilino.

Presumo que tem tudo que ver com o resto do seu habitual "perfil"... :-))) :-)))

Luis Nogueira disse...

Samuel, meu amigo e camarada:

Bem perdes o teu tempo a discutir coo um anónimo que tem tudo do velho "tricano" (como o Zeca chamava aos capados e batinados)da Lusa Antenas. Estudei, formei-me em coimbra, vivi lá bastantes anos e nunca tive paciência para "tricanos" nem "chocas" (as fêmeas dos "tricanos"). As escadas não são monumento a coisa nenhuma, são apenas uma marrada arquitectónica. Se o Sócretes já existisse nesse tempo, diria que foram elocubradas pelo tio. São uma coisa asquerosa, com os C....s do estado novo ao cimo. Já no meu tempo, anos cinquenta, toda a gente troçava daquela trampa. Só servem mesmo para um gajo as pixar.
Abaixo os tricanos e as chocas! Abaixo os dótores.
Viva a futricagem e mais a malta da Baixinha!

Luis Nogueira

Luís A. Araújo disse...

Olá, pelo que percebi a "Foto" foi - descaradamente surripiada ao blog “Aventar” - que me foi - descaradamente surripiada a mim.

samuel disse...

Luis A. Araujo:

Ainda fui lá ver, não me tivesse escapado a informação... mas não.
Estava convencido de a ter surripiado apenas ao Aventar. Afinal a "surripiadela" já vinha de trás. :-)))

Mesmo assim, atrasado... obrigado!

Luís A. Araújo disse...

Samuel, na boa.
A foto deve ser de 1980/1981.
Tem "pinturas" várias, de várias áreas politicas, mesmo sobrepostas.
Naquele tempo as pinturas nas "escadas" eram muito dirigidas às diversas eleições Académicas, como se pode ver a amarelo "VOTA d".
Nos dias de hoje acho desajustado pintar, ao invés de desenhar a giz por exemplo, elementos de construção.