sexta-feira, 20 de maio de 2011

Anestesiados!


(Numa altura destas... este cartaz da festa não podia ser mais irónico... se bem que o seja involuntariamente)
"Vitória de Pirro", chamam os entendidos em história antiga a estas tristes “vitórias” em que, feitas as contas, se perde mais do que se ganha. O nome, mais uma vez, pode bem aplicar-se ao resultado da aposta que aqui fiz ontem. Apostei que a nossa comunicação “social” iria ignorar as manifestações convocadas pela CGTP... e estou a “ganhar”.
Sentado a jantar à hora a que começam os telejornais, tive que esperar até depois das 20:35 para ver uma das estações de televisão ter a “coragem” de abandonar o direto do Porto e a sua festa da bola. Uns minutos depois, esse canal – já nem importa qual, todos fizeram o mesmo – falou finalmente das duas manifestações. Conseguiu arrumar as duas, a de Lisboa e a do Porto, em menos de 60 segundos (estava a contar). Em menos de um minuto ficou feito o retrato de uma atitude de hostilidade evidente para quem quer que seja que ouse questionar o “programa comum” que nos vai governar nos próximos tempos... programa de onde os donos da comunicação “social” esperam, tal como a banca e outros parasitas, retirar gordos lucros, feitos em cima do esmagamento dos direitos de milhões de portugueses.
Desgraçadamente, muitos desses portugueses nem dão conta. Ontem corriam atrás dum autocarro azul e branco; antes de ontem, do "milagre" da auréola do sol de Fátima; amanhã, de autocarros de qualquer outra cor; todos os dias, daquela estória tão triste da novela... ou das facadas na vizinha... ou daquele francês, ou lá o que é... "um senhor tão bem posto, imagina, a pôr-se na camareira"... alegadamente... 
Enquanto isso, os mordomos do universo todo, senhores à força, mandadores sem lei, enchem as tulhas, bebem vinho novo...  e vão rindo a bandeiras despregadas.
Tanto que é preciso fazer nesta terra... mas algumas coisas já não têm emenda. Terão que ser arrasadas para aí se construir tudo de novo!

27 comentários:

Anónimo disse...

A magnífica e extraodinária Câmara Municipal do Porto anunciou no seu site (um órgão de comunicação social, segundo a rigorosa avaliação da alta autoridade competente), no dia 14 de Abril último, com grande pompa, a conquista de um título europeu de badmington por uma selecção nacional que disputou o "Campeonato Europeu da III Divisão" da modalidade, no qual, parece, participou um tipo que bate bolas no Monte Aventino. Ontem, o maior clube da cidade conquistou o seu quinto título europeu, uma competição que nunca tinha sido ganha por um clube português e... nada. A Câmara do Porto faz de conta que não aconteceu nada, mesmo se tem a soleira da porta invadida por milhares de pessoas em festa. Não recebe a equipa — como fazem os parolos dessa cidade provinciana que é Madrid — e nem uma linha escreve no aludido site. De algum modo, seria muito triste se o energúmeno recebesse os campeões contrafeito e com maus fígados. Por outro lado, até calha bem que ele seja assim: quando ganhamos, temos a satisfação de saber que há pelo menos mais um cretino mal-disposto. E sabemos que não há FMI, Banco de Portugal, PS ou PSD que nos possa roubar esta alegria. O caneco já cá canta.

samuel disse...

Anónimo (01:03):

Parabéns!
E não estou a ser irónico... ou nada do género. :-)
Os adeptos do FCPorto têm todo o direito à sua festa e a estarem felizes com a vitória desportiva do seu clube... e isso é uma coisa que nem o facto de não ser apreciador "da bola" me impede de constatar.
Seja como for... este post não era de todo contra a festa do Porto, como sinceramente espero que tenha ficado claro. A festa azul e branca apenas serviu de pano de fundo. :-)))

Antuã disse...

Já não suporto futebol, fátima e similares.

Anónimo disse...

Anónimo, a Câmara faz de conta que nada aconteceu, porque o seu clube, onde existem imensos parolos que não gostam da cidade de Lisboa e tudo o que ela representa, tem um litígio com o presidente do tal dito maior clube da cidade.
Para falar bem claro, o nosso desporto padece, desde que essa pessoa que é o vosso presidente, decidiu tornar o desporto num esquema de ganho e humilhação do próximo. "O que interessa" dizia um parolo, "é ganhar todos os títulos e que todos os outros percam".
Será essa a melhor maneira de estar no desporto?
Será o desporto para humilhar, destruir, agredir e cantar as tais músicas: "F***** da P***, SLB!"
Ou então, mostrar o cachecol que diz: «S. L. M****»
Festejar a vitória, humilhando o adversário... Será isto uma festa?
Será para isto que o desporto serve?
Não creio e, por isso, sou da opinião que o país perdeu ontem uma grande oportunidade de saber outras notícias, tal como a manifestação do Largo do Calvário até à residência do Presidente.
Foi devido ao futebol, à parolice e à presunção de estar no desporto.
O que valeu naquele dia de ontem, foi a avaria no autocarro do maior clube da cidade. Só isso, já me deu alguma vontade de rir.

do Zambujal (e em viagem...) disse...

Tudo azul... e branco sobre o resto. A não serem oe pormenores do escabroso caso do ex-presidente do FMI ou o "grande duelo" de hoje entre o menino Pedro e o puto Zé como se no dia 5 a escolha fosse entre esses dois!
Obrigado pela tua (a)post(a).

Abraço

Pata Negra disse...

Opiáceos?! Não! O povo tem direito às suas festas e às suas crenças! Mas também tem direito à informação e à consciência de classe!
Um abraço de Fátima (não é a de Felgueiras nem a filha!)

Adérito disse...

Como portista que sou, também fiquei contente com a conquista da Taça, mas não fiquei feliz, nem esta me faz esquecer o mal que nos andam a fazer. Naturalmente que já era de esperar esta situação, tanto faz que seja o Porto, ou fosse o Benfica, no meu entender se fosse este último a situação piorava, visto a grandeza do SLB... eu também fui embebido pela transmissão, e confesso que aquela palavra me passou "À CONQUISTA DA EUROPA"... como vêm não são apenas os mais esclarecidos que são enganados por esta comunicação social que vive essencialmente destes assuntos "populistas"... Viva o Porto e no próximo dia 5 de Junho iremos todos "À CONQUISTA DE PORTUGAL"...

Eduardo Miguel Pereira disse...

E só como achega, lembrar que esse "esquecimento" da comunicação social dominante podia ter acontecido dada a pequenez e pouca representatividade das manifestações.
Mas a verdade é que nem isso aconteceu. Pelo menos em Lisboa a Manif foi grande, bem grande, de tal forma que quando alguns já chegavam a Belém ainda haviam outros praticamente a sair do Largo do Calvário !
Não foi uma manifestaçãozinha, foi uma grande e expressiva Manifestação !

Mas claro, isso tem de ser abafado, e nada os velhos 3 F's para calar a malta.
Ontem serviu o (F)utebol, no outro dia foi (F)átima, falta o (F)ado, mas esse já nós conhecemos de ginjeira !

José Rodrigues disse...

O que revolta é a omissão/manipulação/mentira pelos media dos assuntos sérios que interessam ao povo, que dia 5 de Junho vai votar CDU para defender a soberania nacional;mas ó amigo Adérito alguém da direcção do FCP se esqueceu de colocar uma bandeira de Portugal às costas dos jogadores.Aquilo parecia um grupo folclórico latino americano.Quanto ao resto, trabalhadores de todos os clubes e crenças UNI-VOS para dar a volta a isto!

Abraço

idalia disse...

não tarda nada quando não houver dinheiro para "o bife", nem força terão para pegar no cachecol do clube.

ana disse...

E se ambos vimos o mesmo canal nesse minuto também coube o "acampamento" em Espanha. Quanto às imagens da manifestação (desta e doutras) que passaram são sempre de planos fechados, 2 ou 3 manifestantes enchem o écran, de fora da realização, da edição, da produção ficaram as dezenas de milhares (50 mil nos dados da CGTP) que encheram as ruas. Vergonhosos os alinhamentos dos 3 noticiários que gastaram metade ou mais de metade do tempo a acompanhar uma equipa de futebol que chegou ao país durante a manhã... as mesmas imagens, os mesmos protagonistas como se só houvesse um canal.

samuel disse...

Ana:

"as mesmas imagens, os mesmos protagonistas como se só houvesse um canal"

E é essa a verdade! Só há "um canal"... a servir o mesmo "patrão".

Saudações.

Anónimo disse...

Ainda hoje falei com um homem que foi um dos maiores desportistas portugueses, nos anos sessenta, chamado Luis Correia.
Foi campeão de lançamento de peso e outras modalidades (em Moçambique).
Falamos em outros tempos, 1968, 1971 até ao fim da União Soviética.
Falamos numa altura, em que havia esse tal chamado "Império do mal" que ganhava quase todas as medalhas olímpicas e onde os desportistas eram amadores e voluntários.
O desporto era uma enorme celebração, uma forma de unir os seres humanos.
Não era esta classe de mercenários que, como exemplo, negoceiam, em milhares ou milhões de euros, para não serem emprestados para outros clubes.
Havia a diferença entre o desporto amador, desinteressado, saudável, e aquele que era pago e, logo, corrompível.
Os chamados "dragões" bem podem celebrar mais taças, mas enquanto essa sua vitória significar a humilhação dos seus adversários, essas vitórias não têm significado nenhum, porque o desporto é para ganhar e perder, com "fair play" e boa disposição.
O desporto não é uma guerra. Devia transmitir paz e enquanto este presidente dos chamados "dragões" existir e todos os outros que o copiam, o desporto dividirá os homens, em vez de os unir.

Graciete Rietsch disse...

Desporto é bom e saudável mas nunca poderá ser um negócio que é o que acontece com o futebol em Portugal.
Mas, num momento tão difícil que vivemos,a nossa comunicação social estar apenas dirigida para uma vitória futebolística, quando se efectuam duas grandiosas manifestações contra os roubos de que estamos a ser vítimas, é coisa inaceitávl e incompreensível.
Imperdoável, mesmo.

Um beijo.

Fernando Samuel disse...

E nos jornais foi ainda pior.

É isso: construir de novo... tecer o tecido novo do futuro.

Um abraço.

LAM disse...

Não há dúvida que um post que fale de bola congrega mais freguesia comentadeira (olha aqui um).
Sendo do Porto mas, sabe-se lá porquê, não sendo adepto do FCP (parabéns!) acho no entanto que o FC Porto tem cumprido ou servido de bandeira para uma coisa, provavelmente mais séria, que não é reclamada com a veemência necessária pelos partidos políticos com responsabilidades em atenderem aos anseios e fatores de desenvolvimento das populações: a regionalização.
Não basta recorrer ao tema quando dá jeito para empolgar audiências, ou apenas quando o assunto foi tema de um atabalhoado referendo. A regionalização, na organização e na reclamação dos partidos políticos tem de ser diário e comprometido com esse objetivo.

cumprimentos

Anónimo disse...

Caro Samuel
Sou portista e, indiscutivelmente, o FCP é uma marca desta região, internacionalmente reconhecida, mas que o troglodita Presidente da Câmara do Porto despreza. Ele prefere as corridas de automóveis que custam não se sabe quanto, a CDU já pediu por várias vezes as contas mas sem resultado. Ficaria muito mais barato oferecer-lhe uma pista onde satisfizesse o seu gosto pessoal.
Gosto do FCP, gosto de desporto, gosto de futebol, joguei-o enquanto pude, sempre a brincar, mas acima disso há a luta por um País que quero mais justo, fraterno e solidário. Um País que, seja em crise ou não, tenha um percurso de esbatimento de desigualdades sociais e assimetrias regionais. Esse País é a minha primeira prioridade e por ele luto e lutarei enquanto puder, mesmo gostando que o FCP ganhe. Mas há prioridades na vida e aí eu não tenho dúvidas.
A todos os que gostam de futebol, mas também aos que não gostam, o apelo para que se consciencializem de que em 5 de Junho é o futuro do País que estará em jogo e, portanto, o futuro de cada um de nós.
Eu vou participar nesse jogo, já o estou a fazer, vou dar força a quem não trai, a quem tem um projecto de ruptuta e de mudança.
Vou votar na força que faz uma efectiva diferença, vou votar na CDU.
Um abraço do Norte
Valdemar

Anónimo disse...

Caro Samuel
Volto a este nosso espaço, desculpa mas já perdeste a propriedade exclusiva, mas faço-o para comentar a afirmação do LAM quanto à regionalização de que "não basta recorrer ao tema quando dá jeito para empolgar audiências". Ele certamente saberá que a única, sublinho a única, força política que se tem batido na Assembleia da República pela implementação da regionalização tem sido a CDU. Outros, mesmo que apregoem a sua defesa, vão-na adiando, as recentes declarações do Francisco Assis são vergonhosas e retratatam a sua personalidade, e outros ou têm um ataque de urticária quando falam do tema ou não a consideram uma "questão fracturante" e portanto passam ao lado.
Também aqui não são são todos iguais.
Um abraço do Norte
Valdemar

samuel disse...

Valdemar:

Não vale a pena "explicar" o apego ao FCPorto… sobretudo porque pelo que já vi, não tem nunca explicação possível. :-)))
Quase todos os meus melhores amigos são "agarrados" a um clube qualquer.

Não posso estar mais solidário com a vossa "cruz" de terem que sofrer esse bronco como presidente da Câmara! A minha realidade, aqui em Montemor-o-Novo… é bem outra. :-)

Abraço.

Ah… e sorte para o "caneco" que ainda resta disputar. Que ganhe quem melhor fizer por isso!

Anónimo disse...

TUGAS.

Anónimo disse...

há sempre um encornado que diz não.

samuel disse...

Anónimo (00:42):

Há sempre um indigente que não sabe o que diz!

ae disse...

Estes tipos apoiaram o Rui Rio no primeiro mandato. Sustentaram o animal durante 4 anos. A seguir levaram na pá, estavam á espera de quÊ? Depois armaram~se em grandes democratas e passaram a fazer cordões humanos á volta da CMP. O Rui Sá é um tipo decente, mas o partido faz revolução nas trazeiras. De comunistas, tenhem muito pouco. de tugas...muito. são comunistas tugas.

Anónimo disse...

Ao ae quero dizer que compare o que se passou na Câmara do Porto nos tais quatro anos com o que se passou a seguir seja em que aspecto for, inclusivé na prática democrática. E aconteceu porque a CDU podendo influenciar, influenciava mesmo porque ninguem tinha a maioria absoluta. Só não vê isso quem não quer ou está de má fé. O Rui é dirigente do PCP, profundamente empenhado, sempre, na actividade municipal e na defesa dos interesses da população do Porto sendo um militante activo no partido que faz a revoluçao nas trazeiras (!?). Bem hajam os que fazem a revolução nas dianteiras e enalteçam-se os resultados por eles obtidos.
Um abraço do Norte
Valdemar

LAM disse...

Valdemar:

Dou-lhe razão. O PCP tem sido a única força política que, de forma coerente e de há muito tempo, tem colocado a questão da regionalização (talvez agora com o concurso do recém formado MPN - Movimento Partido do Norte). Acho no entanto que devia haver maior insistência nesse projeto, não só no órgão de poder central Ass. da República como também, e principalmente, através das estruturas locais do partido.

cumprimentos

Anónimo disse...

nem mais samuel, a solução passará por aí: arrasar. Defendo esta crise, quero é que tudo fique pior, quero ver muito deste povinho lambe-botas a pedir pão.
Estou a ser duro? esperem pelo o que aí vem... e depois digam-me o que é duro. E acredita, quanto mais coveiros houver, melhor!
venham eles encher as tulhas, venham os vampiros, que o sangue da manada não se esgota!
umvisitantemenosassiduo.

Anónimo disse...

Muitos são os anos que vão desde o 25 de Abril de 1974 e, antes era Fátima, Fado e Futebol, agora é o mesmo!
Evidente que estive presente na Manifestação contra " A INGERÊNCIA da UE/FMI no nosso País". Foi uma Manif. espectacular e bem participada.
Os Média esses são sempre os mesmos vendidos pouco falam sobra as NOSSAS participações seja no que for.
Mas NÓS CAMINHAMOS e com força.
Saudações
Vicky